A andorinha e o pintassilgo - por Maria Tavares

A andorinha e o pintassilgo - por Maria Tavares

A andorinha e o pintassilgo

 

Era uma vez uma andorinha que se apaixonou por um pintassilgo. A andorinha um dia anunciou a primavera e o pintassilgo assim que se apercebeu da sua chegada, pôs-se a cantar. A andorinha assim que o ouviu aquele cântico maravilhoso pôs-se a pensar. Pensou e repensou para si e disse baixinho__ Não, este pássaro não deve ficar fechado numa gaiola. É preciso fazer algo para salvá-lo dessa prisão. Então com o seu bico e a ajuda da menina Jó chegou-se à porta da gaiola e com toda a força que tinha conseguiu abrir a porta e o pintassilgo voou e cantou sem cessar durante algum tempo. Depois voltou para agradecer à menina e à andorinha por lhe terem devolvido a liberdade e começaram a esvoaçar juntos pelo céu e a menina olhava extasiada para o céu a vê-los voar. Um dia lembrou-se de falar em casamento à andorinha. Ela aceitou e ficaram ambos muito felizes. Arranjaram um ninho no beiral do telhado da avó Maria e a andorinha pôs quatro ovinhos muito pequeninos e ao fim de alguns dias nasceram quatro lindas andorinhas que se mantiveram no ninho três semanas. Depois voaram, voaram e refugiaram-se no Castelo da Pena em Sintra…esperando pelo poeta de serviço porque elas sabem que qualquer poeta se não fosse poeta gostaria de ser andorinha.

 
 
 
 
 
A andorinha e o pintassilgo
 
 
 
Era uma vez uma andorinha que se apaixonou por um pintassilgo. A andorinha um dia anunciou a primavera e o pintassilgo assim que se apercebeu da sua chegada, pôs-se a cantar. A andorinha assim que o ouviu aquele cântico maravilhoso pôs-se a pensar. Pensou e repensou para si e disse baixinho__ Não, este pássaro não deve ficar fechado numa gaiola. É preciso fazer algo para salvá-lo dessa prisão. Então com o seu bico e a ajuda da menina Jó chegou-se à porta da gaiola e com toda a força que tinha conseguiu abrir a porta e o pintassilgo voou e cantou sem cessar durante algum tempo. Depois voltou para agradecer à menina e à andorinha por lhe terem devolvido a liberdade e começaram a esvoaçar juntos pelo céu e a menina olhava extasiada para o céu a vê-los voar. Um dia lembrou-se de falar em casamento à andorinha. Ela aceitou e ficaram ambos muito felizes. Arranjaram um ninho no beiral do telhado da avó Maria e a andorinha pôs quatro ovinhos muito pequeninos e ao fim de alguns dias nasceram quatro lindas andorinhas que se mantiveram no ninho três semanas. Depois voaram, voaram e refugiaram-se no Castelo da Pena em Sintra…esperando pelo poeta de serviço porque elas sabem que qualquer poeta se não fosse poeta gostaria de ser andorinha.

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor