A cidade dos cães de Xisto - por Francisco Luis Fontinha

A cidade dos cães de Xisto - por Francisco Luis Fontinha

No quarto escuro, embriagados os relógios de pulso, encosto-me à parede circular,  da velha penumbra fechadura que o empregado da ourivesaria deixou por esquecimento sobre o mármore do lava-loiças que vive na cozinha, desgraçado dele, finge-se de morto como as luzes da tristeza se fingem de árvores acesas nos jardins juntos aos Oceanos marinheiros de areia, e, e olho-me nos gonzos descomunais que os vidros de estanho provocam na face oculta dos meninos traquinas, e olho-me, penteio-me, infeliz como os rebuçados de açúcar, nas geias íngremes até chegarmos à ribeira, olhava para cima do teu ombro escuro, e via as estrelas dançando nos lábios da tenda de circo que esta semana atracou amarras aqui na aldeia dos sonhos, as crianças ainda acreditam em palhaços e malabaristas, eu, acredito também, nas esquinas das paredes, que fazem do quarto escuro o sítio mais seguro da casa assombrada, asas, barcos, petroleiros e cacilheiros, mulheres, e crianças, meninas e meninos,

Os palhaços!

Tantos, tantas, como múmias desgovernadas das mãos enlouquecidas dos ovos de chocolate, eles e elas, deitados, deitadas, as moscas e os filhos das moscas, e claro, as sempre afamadas formigas trapezistas, a recibo verde, em cada rua destruída pelos ventos de nortada, havia destroços de ossos nas traseiras dos prédios sem moradores, e havia moradores destruídos nas traseiras dos bancos de jardim, e havia jardins destruídos, sem bancos e sem plátanos, sem flores e sem corações de manteiga,

Os trapezistas voadores em arames de xisto,

(e será que elas voam?)

Adorava que sim, que se erguessem, e desaparecessem entre a copa doiradas das árvores de papel celofane, E os palhaços? Como os trapezistas...! De roulote em roulote, palmilhando trilhos e veredas, e asas de cetim, E para quê?

Os trapezistas voadores em arames de xisto,

(e será que elas voam?)

Dizem que sim... que voam, que têm asas, corações de vidro e lábios de porcelana, e elas, as gaivotas do desejo, claro que voam, como pedaços de papel, como pedras descendo aceleradamente a encosta montanha abaixo, e abaixo tudo,

Abaixo estes palhaços de barro,

Abaixo,

Abaixo estes trapezistas de madeira,

Abaixo,

Abaixo quem ergueu as palavras que servem para escrever poemas, que falam de amor, que falam de paixões, que falam de circos, ambulantes, como a liberdade dos homens..., abaixo todas as cordas de nylon que aprisionam os barcos aos cais moribundos, latifundiários, cais ordinários com palavras de “NÃO VAMOS REGRESSAR NUNCA”, abaixo quem semeou os campos de trigos do pavimento térreo do meu quarto, escuro, sem janelas, sem portas, apenas com um tecto de vidro, abaixo os cinzeiros, os cigarros que se prostituem, de boca em boca, de mão em mão, abaixo todos os isqueiros de plástico, com cores berrantes, com desenhos estranhos, e tão deselegantes, tão magros, tão...delinquentes

(e será que elas voam?)

E que acreditam nas algas com braços de prata, e claro que sim, elas, abaixo os candeeiros que rompem a noite e destroem as madrugadas de suor, as peles escuras com sinais sonoros, abaixo os plátanos sem pássaros, e que destroem as mãos amarrotadas dos livros sem titulo, sem história, sem... e é nessas alturas que entra em nós o silêncio, amarfanha-se junto às coxas dos distantes beijos que dos lábios de areia mergulham nas alicerçadas marés de pedra, há virgens com flúor, e tristes mesas de café sentadas nas cadeiras plastificadas dos livros escolares que a mochila da infância carregava, como pedras, pesadíssimas as sombras do teu olhar,

(não sei se amo, se desejo, não sei se me sinta vivo, ou apenas como um esqueleto de arame vagueando pelas ruas desenhadas por um miúdo acabado de regressar de África, não sei, o que deva fazer, se correr ou esconder-me, abraçado a ti... no quarto escuro...)

Idiota!

Covarde...

 

Diziam-me que as tristes viagens

eram desencontros que as palavras construíam nas linhas curvas do papel

hoje não o dizem

ou o escrevem como se eu deixasse de existir

procuro-te e dizem-me que morreste ou deixaste de habitar a cidade dos peixes,

 

Não há cortinados com o teu nome

e todas as radiografias de ti foram queimadas como ossos vadios

recheados com o reumático

não há janelas como os teu lábios

quando a tua boca se transformava em areia de Primavera,

 

E dos teus seios havia barcos em fila para atracarem no porto das alegrias

havia luzes coloridas

e flores com palavras escritas em cada pétala perfumada

e tu parecias um peixe com olhos castanhos à espera de semearem a noite

nos lençóis de linho da cama do desejo,

 

Tinhas medo dos meus abraços?

Porque em casa âncora de luz um sorriso adormecia nas estrelas de ontem

e diziam-me que as viagens

eram tristes

e que não sabiam mergulhar nas miseras palmeiras do largo abandonado...

 

 

Covarde, eu?

(não sei se amo, se desejo, não sei se me sinta vivo, ou apenas como um esqueleto de arame vagueando pelas ruas desenhadas por um miúdo acabado de regressar de África, não sei, o que deva fazer, se correr ou esconder-me, abraçado a ti... no quarto escuro..., sem janela, nós inventamos uma com vista para o mar das traseiras, esperamos que nos desenhem uma porta numa das quatro paredes de gesso, provavelmente não será difícil, difícil mesmo talvez seja desenhá-la, perfeita, em esquadria, e com as medidas standard, oitenta centímetros de largura por duzentos e dez centímetros de altura, e depois, de mão dada, podemos fugir juntos para o infinito, onde dizem os matemáticos, se encontram as rectas paralelas),

Gostavas de me dar a mão e abraçares-te a duas rectas paralelas? Mesmo que sejam duas rectas pobres, traçadas a fiz, ou a carvão, nada de sofisticado, nada de carris em aço, nada, apenas riscos e beijos, apenas imagens dos cortinados de ontem,

Covarde, eu?

Idiota!

Covarde...

 

(ficção)

Francisco Luís Fontinha - Alijó

 

 

Publicado em 20/02/2014

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor