A confissão - Márcio Dias

A confissão - Márcio Dias

            A confissão

 

            Cabummmm

            “Meu Deus do céu, o que que é isso, gente?”

            “Bom dia!”

            “Quem é você, criatura?”

            “Sou seu anjo da guarda, Zezinho!”

            “Como sabe meu nome?”

            “Uai, num acabei de falar que sou seu anjo?!”

            “Anjo? Tá bom, viu. Nunca vi anjo gordo!”

            “Já viu algum anjo na vida?”

            “Já.”

            “Onde?”

            “No gibi da Turma da Mônica!”

            “Ah!”

            “Você também é careca. Nunca vi anjo gordo, nem anjo careca!”

            “Mas que rapaz teimoso, sô!”

            “Você é mineiro, anjo?”

            “Hahaha. Bem que me falaram que você é curioso.”

            “Quem falou?”

            “Putz!”

            “Qual é seu nome?”

            “Anjo Misael.”

            “Então anjo tem sexo?”

            “Que cara mala, você é!”

            “Tá fazendo o que aqui na Terra, anjo?”

            “Tenho uma tarefa a cumprir com você.”

            “Qual tarefa?”

            “Você precisa se confessar.”

            “Hahaha.”

            “Você não tem escolha. Quer dizer; até tem, mas com certeza vai preferir se confessar.”

            “Qual é minha escolha?”

            “Ou você se confessa, ou você vai morrer agora. Tem um minuto pra se decidir.”

            “Eu confesso.”

            “Hahahahahahahahahahahahaha.”

            “Que isso, rapaz, nunca tinha visto um anjo tão corneteiro assim! E por que tenho que me confessar?”

            “Preciso responder?”

            “É claro.”

            “O nome José Reis da Silva faz você se lembrar de alguma coisa?”

            “Em qual igreja devo ir, anjo?”

            “A igreja você pode escolher.”

            “E você vai ouvir minha confissão?”

            “Mas é claro, uai?”

            “Eu tenho vergonha!”

            “Eu sei tudo sobre você. Vai ter vergonha de quê?”

            “Ai, ai.”

            “Vamos?”

            “Posso tomar uma pinguinha antes?”

            “Não vou nem comentar essa!”

            “Vai me levar voando, anjo?”

            “Putz, nunca fui anjo de um cara tão chato.”

            “Ai, ai. Então vamos.”

 

            Na igreja, meia hora depois:

 

            “Bom dia, filho. Veio confessar seus pecados?”

            “Bom dia, padre. Vim sim.”.

            “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.”

            “Amém.”

            “Pode começar, meu filho. A casa é sua.”

            “Matar é pecado, padre?”

            “Dos mais graves, meu filho! Dos mais graves...”

            “Ai, meu saco!”

            “Mais respeito na casa do Senhor, meu filho.”

            “Me perdoe, padre.”

            “Tudo bem, meu filho. Continue.”

            “Mas e se a pessoa já estiver morta, padre?”

            “Como assim, filho? Você matou um morto?”

            “Isso mesmo, padre. Matei um morto.”

            “Bom, então não tem pecado, filho.”

            “Mas era um morto ressuscitado, padre.”

            “Aí tem pecado, meu filho! Dos mais graves...”

            “Mas o morto era corintiano, padre!”

            “Aí o pecado cai pela metade, filho. Pela metade.”

            “Hum!”

            “Pode ser mais claro? Não estou entendendo muito bem.”

            “Sabe o que é, padre, eu trabalho na funerária da cidade e me entregaram um defunto fresquinho. Quando eu estava aprontando tudo pro enterro, o morto se levantou, sorriu e falou comigo.”

            “Interessante, muito interessante. E o que você fez, filho?”

            “Dei-lhe um tapa no pé do ouvido, padre, que ele até rodopiou. Minha mão arde até agora.”

            “Por que você fez isso, meu filho?”

            “Porque eu já tinha recebido o dinheiro do enterro, padre.”

            “Ganância! Pecado em dobro, meu filho.”

            “Mas eu estava passando dificuldade financeira, padre. Quando recebi pelo serviço, estava sem dinheiro até pra comprar comida.”

            “Aí não dobra o pecado, meu filho! E o pecado cai pela metade.”

            “Viva.”

            “Hã?!”

            “Nada, padre. Nada.”

            “Ah!”

            “Qual é minha penitência, padre?”

            “Como você o matou?”

            “Bom, depois do tapa que ele rodopiou, peguei uma cadeira e taquei na cabeça dele, padre. Foi uma só. Caiu durinho no chão.”

            “Grave, muito grave. Recurso que impossibilitou a defesa da vítima.”

            “O senhor é juiz ou advogado, padre?”

            “Não, meu filho, aprendi isso vendo jornais na televisão.”

            “Na Globo?”

            “E isso vem ao caso, meu filho?”

            “Não, seu padre; Qual vai ser minha penitência?”

            “Cem Ave-Marias e Cem Pai-Nossos, meu filho.”

            “O senhor se recorda que eu estava passando fome?”

            “Verdade, meu filho. Cinquenta Ave-Marias e Cinquenta Pai-Nossos.”

            “Ele estava com a camisa do Corinthians, padre.”

            “Vinte e cinco Ave-Marias e vinte e cinco Pai-Nossos, filho.”

            “Obrigado, padre.”

            “Vai em paz e não peques mais.”

            “Amém, padre.”

 

            Uma hora depois, na casa de Zezinho:

 

            “Pronto, já cumpri minha penitência.”

            “E eu minha tarefa com você. Preciso ir.”

            “Vai voltar pro céu, anjo?”

            “Não, preciso fazer outra pessoa se confessar?”

            “E por que, anjo, o que ele fez?”

            “Deixe de ser curioso, rapaz!”

            “Tchau, anjo.”

            “Fui.”

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor