À mesa do café - por Francisco Luis Fontinha

À mesa do café - por Francisco Luis Fontinha

À mesa do café

 

À mesa do café esperava por ti,

Mergulhava num livro de António Lobo Antunes e ficava lá até que via a aproximação da tua sombra e puxavas silenciosamente uma cadeira e te sentavas e me olhavas, e finalmente vinhas visitar-me e finalmente pegavas na minha mão,

À mesa do café esperava por ti e eu imaginava-te num sorriso junto ao Tejo quando eu passeava distraidamente e mergulhava nas lágrimas do rio e me sentava a junto a ele a fumar cigarros e quando terminavam os cigarros desenhava o teu rosto na água, e quando terminavam os cigarros pintava os teus lábios na neblina que me ofuscava a visibilidade, e ao longe, e ao longe a ponte desaparecia em pedacinhos de silêncio, e eu ficava lá,

- E vinte anos depois ainda mergulho nos livros dele,

Via a aproximação da tua sombra e puxavas silenciosamente de uma cadeira e te sentavas e me olhavas,

- Hoje não preciso de te esperar porque hoje já vives dentro de mim, e quando terminavam os cigarros ele pegava nos meus lábios e pintava-os de azul e quando me olhava ao espelho, e quando me olhava ao espelho tinha o mar na minha boca,

Gosto de ti diz-me ela antes de adormecer, gosto de ti antes de eu mergulhar nos livros dele e puxar de uma cadeira silenciosamente à mesa do café esperava por ti e ficava lá e te sentavas e me olhavas e oiço a tua voz Gosto de ti,

- E vinte anos depois ainda mergulho nos livros dele,

E ao longe a ponte desaparecia em pedacinhos de silêncio, e eu ficava lá a ver o mar pintado nos teus lábios e eu hoje sentado à mesa do café a mergulhar num livro dele e espero que acordes amanhã e pegues na minha mão e que o mar que pintei nos teus lábios esteja lá,

- Claro que sim seu parvalhão Amanhã vou acordar e o mar nos meus lábios à tua espera na mesa do café, e puxo silenciosamente uma cadeira e me sento e te olho, e finalmente vou visitar-te e finalmente pegas na minha mão e o mar que pintaste nos meus lábios abraçar-se-á à tua boca,

Gosto de ti antes de adormecer quando oiço a voz dela,

- Gosto de ti,

Quando oiço a voz dela e eu com um livro dele na mão espero que ela amanhã acorde e abra os olhos e me olhe e,

- Gosto muito de ti,

E nos lábios dela continue lá o mar que pintei,

- Claro que sim seu…

E ela amanhã acorde e pegue na minha mão.

 

(texto de ficção)

Francisco Luís Fontinha – Alijó/Portugal

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor