A Mordida do Leão - por Maria Estela Ximenes

A Mordida do Leão - por Maria Estela Ximenes

 

Você já viu um leão hodierno? Designado para representar o Imposto de Renda? A fera era curiosa; esgueirou-se de seu habitat natural e inaugurou suas pegadas no asfalto poluído  da metrópole. Ignorou o recuo dos transeuntes. Faminto, fuçou o lixo espalhado na rua e devorou restos de alimentos. Seguiu imponente, esquecido das árvores, dos rios,  da caça,  de uma leoa para se enroscar.

Avistou um quintal. Entrou. Farejou uma planta ressequida por falta de água. Enxergou uma porta. Ouviu o grito seguido de histeria. Surgiu uma corda. Foi laçado.

Recebeu nomeações: imposto, cobrança, tributo, subsídio, taxa. Imposição? Como se não bastasse ser o rei da selva, tornou-se rei das cifras. Passou a mamar nas tetas caídas do contribuinte. Recebeu mecanismo de robô – calcula e fiscaliza bolsos ocos e mãos atadas. Rosna para sonegadores. Morde. Apodera-se?

E o contribuinte  fica à espreita, temendo a mordida felina nos fundilhos.

 

                                        Crônica do livro “Um pindaíba nunca está sozinho” 

 

Publicado em 08/03/2014

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor