A Pastorinha - por Lígia Beltrão

A Pastorinha - por Lígia Beltrão

A Pastorinha

 

       Ela era peralta até dizer chega. Uma peste. Não pensem que alguém conseguia lhe passar a perna. De jeito nenhum. Ela ia com o seu rebanho de ovelhas para que este pastasse pelas terras enverdecidas de ervas. No saco que carregava às costas, a refeição para todo o dia. Pão ou broa, -“isso é suficiente para matar a sua fome quando esta a atormentar” -, dizia-lhe a mãe.

       Soltava as ovelhas e deitava-se sob uma árvore aproveitando a sua sombra. Maquinava a próxima travessura como quem brinca de faz de conta. A mãe não metia no saco nada a não ser água, isso, se aonde fosse não houvesse uma fonte a jorrar a sua dor de existir, para cumprir o seu papel. Assim, o pão seria o seu alimento do dia. Doíam-lhe os pés cansados e descalços. Sapatos? Era luxo desnecessário, e quando tinha, para economizar a preciosidade, ia descalço e levava-os nas mãos.

       - “Eu sou sabida demais”! – pensava ela com um sorriso maroto no canto da boca e a malícia de criança no coração -, então, pegava a ovelha que tivesse filhote e estivesse amamentando e aproveitava-se mamando o seu leite o quanto podia. Saciava assim a fome que lhe corroía o estômago. Afinal era uma criança e também precisava ser bem alimentada!   Já que não davam mais nada que pão a ela, então ia buscar como podia a sua maneira de saciar a fome medonha que sentia. Mamava feito uma condenada a morte, até se fartar.

       Ora, era preciso ajudar nas coisas do dia a dia de casa e todos colaboravam. A ela cabia levar as ovelhas para pastarem nas terras. Fazia-se de anjo bom, mas aprontava das suas e assim satisfazia a sua peraltice de criança. Como por exemplo, abrindo os arames das cercas que dividiam as terras e deixando as ovelhas comerem o milharal do vizinho. Boazinha, mas quando aprontava, até o diabo tremia.

       Corria pelos campos engolindo o vento e sendo feliz, lá do seu jeito. Era tudo o que tinha para viver a vida. Os campos a perder de vista, vestidos com o verde da esperança e salpicado com flores de todas as cores e belas árvores de eucaliptos ou pinheiros altos, querendo tocar o céu. No frio, olhava as nuvens beijarem os cabelos das serras, agasalhada no seu surrado casaquinho de lã grossa. Nesses dias o sofrimento era ainda maior. Maldita vida de trabalho e mesmice. Tinha ela mesmo que inventar as suas alegrias. E como inventava!

       No final da tarde voltava saltitante, com o rebanho de ovelhas de barriga redonda de tanto que haviam comido. Os pais olhavam satisfeitos, para as ovelhas gordinhas e bem cuidadas. À noite, entretanto, escutavam-se os pais dela a conversarem e falarem nas ovelhas. O pai estranhava o porquê da Mimosa, ovelha que parira há pouco tempo, não ter tanto leite para o filhote, pois este estava sempre berrando com fome.

       Ela, lá da sua cama ouvia a conversa e abafava o sorriso no cobertor. O pai e a mãe continuavam noite adentro naquele colóquio. –“Parece coisa do outro mundo”- dizia o pai intrigado-, enquanto pedras soltas corriam pelo telhado, de telhas vãs, assustando-os. Iam espiar, mas tudo estava calmo e sereno. Ninguém a quem se pudesse culpar pelo feito, a não ser as almas perdidas do outro mundo... Enquanto isso, ela fingia dormir. Não sem antes arrumar muito bem, sua coleção de pedrinhas “assustadoras” numa caixa que escondia de todos.

 

 

                                                                           Lígia Beltrão

                                                                           Novembro de 2016

 

       

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

        

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor