Acerca (da escuridão) da escrita - por Alvaro Giesta

Acerca (da escuridão) da escrita - por Alvaro Giesta

Acerca (da escuridão) da escrita

 

O grande poder de escrever com recurso à profusão de imagens - esse poder dos símbolos - que possuem uma força expansiva tal que captam a vasta realidade, deve ser usado com parcimónia e a devida atenção à subtileza e ao rigor da palavra. Se assim não for, ainda que a significação que se extrai do uso desses símbolos seja uma riqueza da realidade, que a falseia, contudo, ela multiplica-se de ambiguidade e falta de qualidade que, pela realidade criada, permite distinguir o grande intérprete da palavra do medíocre escritor.

É que, nem sempre tudo o que é luz é oiro!...

E a literatura, neste caso, fica ameaçada pela confusão de ideias, pela profusão de linhas de força que breve entram em tensão e fracturas, fica ameaçada pelas ambivalências e ambiguidades, pelas difusas trajectórias de choque e fuga nesta ambiguidade da palavra.

 

A urgência da palavra mete-nos, muitas vezes, medo de a usar. Quantas vezes ficamos cegos às evidências quando enfrentamos esse mundo diferente - o da proliferação das imagens! Elas toldam-nos os sentidos impedindo-nos de acordar do sono em que andámos uma vida envolvidos. Há uma sensação estranha que nos acabrunha e quase atormenta e nos impede de nos interrogarmos "porque temos medo" de mudar esse imaginário da escrita.

Porém, outras vezes, a urgência da palavra afoita-nos de tal ordem que nos esquecemos das regras elementares do seu uso e cometemos, nesse uso, o abuso de as escrevermos sem nos darmos ao trabalho de analisar se o sentido e/ou significado que ela tem no texto, se enquadra no que pretendemos transmitir; ou seja, se ela não rouba a ideia ao contexto e se com ela, naquele sítio exacto em que a colocamos no texto para o significado que lhe pretendemos dar não prejudicamos a interpretação que se faça da sua leitura.

 

É nessa urgência da escrita que o autor deve saber criar o seu símbolo.

Porque o autor, o que pretende ao criar o símbolo, é que ele seja o seu acto heróico, como se fosse a sua vida e não a falsa equação da consciência falsamente purificada pelas ameaças desta confusão de ideias desconexas e desprovidas de sentido com que pretende dar vida - uma falsa vida! - aos seus versos, do uso que faz de certas imagens atiradas a esmo para o papel, que tudo consente, para darem a impressão ao incauto leitor que as aceita sem as conseguir digerir ( o que o torna num mau leitor, por isso mesmo), como sendo únicas no seu universo literário.

"O valor da escrita (como nos elucida Herberto Helder), reside no facto de em si mesma tecer-se ela como símbolo, urdir ela própria a sua dignidade de símbolo. A escrita representa-se a si (...)" e jamais é o escritor que representa a escrita adulterando-lhe a função na tentativa de que esse amontoado de palavras ambíguas dê "razão às inspirações reais que (a escrita) evoca".

 

Os poetas obscuros tecem no seu imaginário verdes de todas as cores. Interagem com o amarelo na penumbra da voz dando como conclusão ser o negro, ou outra cor qualquer inventada, a evidência da vida.

Declaram, os poetas obscuros, como sendo esta a maneira mais prática de ver a vida do cimo dum pedestal de onde, em difícil equilíbrio, elegem apocaliticamente os seus eleitores. Contrariamente ao habitual, não são estes que designam os seus poetas eleitos. Nada disso! São, sim, os poetas obscuros na sua obscurantíssima maneira  de observar o mundo que arrastam, consigo, os seus eleitores, levando estes, a seguir aqueles, arrastados por uma cega e autómata ignorância. Ignorância pelo facto de que estes eleitores que seguem cegamente estes poetas obscuros, quase nunca os leram e, se os leram, nunca os interpretaram pela mesmíssima ignorância do não saber ler nos textos o valor do amontoado de imagens que, desconexamente, a maior parte das vezes o poeta obscuro atirou, às cegas, para o papel que tudo consente.

 

Não nego esta evidência e, até, a afirmo: - de que os poetas obscuros, na sua obscurantíssima arte de fazer poesia a fazem tão obscura que Aristóteles, por certo, os baniria da sua arte poética.

Aristotelicamente, a arte devia imitar a natureza. Mas, este acto desvirtuou-se porque a natureza, por culpa dos poetas obscuros, se começou a desviar de dentro da arte. Não da arte apenas mas, de dentro da arte. Foi a própria arte que se obrigou a expulsar-se, a si mesma, da natureza. A arte quis a sua própria ordem, o seu próprio habitat, a sua própria vida. E inverteu-se a concepção aristotélica da arte - a própria natureza tenta imitar a arte, ironicamente imita a arte e tenta fazer-se tão engenhosa, nesta sua imitação, quanto o é a arte, plagiando-a.

Substituem-se as visões, invertem-se os panoramas, trocam-se as linhas de acção e já não é o homem que observa a natureza mas, é este que passa a ser o instrumento da observação da natureza.

 

Hoje vê-se muito quem, ignorantemente mas vaidosos e orgulhosos do seu "eu" falsamente sábio, queira fazer ascender prometeicamente a sua poesia aos céus. Aspiram, como Ícaro, ao crepúsculo dos deuses. Esquecem-se é de que a cera que lhes cola as penas facilmente se derrete na subida ao sol e depressa a força da gravidade os faz estatelar no solo sem apelo nem remédio. Vivem, esses aduladores de si próprios, embevecidos com notívagas tertúlias pseudo-literárias, que de literárias estão absolutamente recheadas de conhecimento vazio, fazendo-se crer os génios que nunca foram e jamais serão, numa paixão narcisista, esquecendo-se de que se arriscam à infelicidade e à sua própria repulsa por se fascinarem demais com a (má) imagem que tecem de si.

Creem-se arautos de um estilo e um saber que (pensam) dignifica a sua criação. E como criam eles esse estilo? Fazendo colagens sobre colagens de pedaços de escrita que ousam, muitas vezes, plagiar aqui e ali modificando-lhes o sentido, para pior, com palavras entrecruzadas que lhes nascem soltas sem imaginação, procurando constituir fracturas e fracções propositadas (como se) dando-lhes a originalidade que de originalidade nada têm. São os poetas obscuros do momento, autointitulando-se como "não seguidores do obvio" pretendendo seguir outros poetas obscuros, que efectivamente o são desde o seu início literário, e pretendem eles, os "poetas do não obvio", fundar neste seu original (sem originalidade) método das colagens, o seu símbolo heroico, a sua própria vida e veia poética. Veia, onde a poesia feita com arte se nega a correr.

Aqueloutros - os verdadeiros poetas obscuros -  sim, dignificaram o valor da escrita representando-a como valor real da inspiração que evocaram; a sua escrita teceu-se a si mesma como símbolo original sem buscar no alheio a sua própria inspiração. E o valor é esse! Ser-se original mantendo-se fiel à sua linha de acção nunca se desvirtuando com malabarismos enviusantes e ideias obliquantes na escrita, pretendendo fazer passar a ideia, àqueles que os leem, que ainda são maiores na sua ignorância que a ignorância desses falsos poetas obscuros do "não obvio", que são únicos na sua originalidade.

O  seu poder de escrita - refiro-me à dos pretensos poetas obscuros do "não-obvio", que não os verdadeiros poetas obscuros pela sua originalidade de fazer poesia obscura - não é ofuscante pela beleza ou real que encerra naquilo que transmite, muito menos no poder de persuasão. O seu poder reside no facto de violentar a coisa real com nuvens de palavras inócuas atiradas sem sentido para o papel, desvirtuando o poema mas que, para os maus e incautos leitores que em massa seguem o líder, são o ópio que lhes entorpece os sentidos. E interessa, a estes falsos poetas obscuros do momento, que o seu "povo seguidor" viva alienado entre hiatos provocados pelos seus ininteligíveis poemas, que estes nem leem porque muitas vezes mal o sabem fazer,  e aqueles nem se dão ao trabalho de corrigir. O que interessa a estes "poetas do não-obvio" - os ora poetas obscuros feitos à pressa - não é dignificar a literatura; é, sim, esconder a ignorância nesse falso saber com as colagens de palavras sobre colagens, como escondem a decrepitude sob camadas e camadas de tinta no cabelo fazendo-se passar pelos virtuosos jovens, que não são, e garantir a presença dos seus apaniguados maus leitores nas inúmeras festas de salões carunchosos onde a decrepitude se pavoneia embevecida em cada noite seguinte e fumarenta, tão igual e sempre igual à noite que a antecedeu.

 

_____________

© Alvaro Giesta (poesia e crítica literária) - Não escrevo segundo as normas do novo acordo ortográfico
http://alvarogiesta.blogspot.com/

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor