Adelmar Tavares - por Eduardo Garcia

Adelmar Tavares - por Eduardo Garcia

Adelmar Tavares

 

Nascimento     16 de fevereiro de 1888, Recife

Morte 20 de junho de 1963 (75 anos), Rio de Janeiro

Nacionalidade             Brasileira

Ocupação        Advogado e Poeta

 

Adelmar Tavares da Silva Cavalcanti (Recife, 16 de fevereiro de 1888 — Rio de Janeiro, 20 de junho de 1963) foi um advogado, professor, jurista, magistrado e poeta brasileiro. Ocupou a cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras, eleito em 25 de março de 1926.

Filho de Francisco Tavares da Silva Cavalcanti e de Maria Cândida Tavares.

Ainda estudante de Direito manifestou interesse pela imprensa e colaborou como redator no Jornal Pequeno. Formou-se em 1909 na  Faculdade de Direito do Recife . No ano seguinte mudou-se para o Rio de Janeiro, capital do Brasil.  Ocupou importantes cargos, como os de  Presidente do Tribunal de Justiça (1948 a 1950). Desembargador da Corte de Apelação do Distrito Federal (1940) Professor de Direito Penal na Faculdade de Direito do Estado do Rio de Janeiro.  Promotor público adjunto (191]), de Curador de resíduos e testamentos (1918). Advogado do Banco do Brasil (1925 a 1930) e Curador de órfãos (1918 a 1940).

Adelmar Tavares sempre colaborou com a imprensa, ficara conhecido em todo o país por suas trovas. Foi até hoje, quem mais se dedicou a esse gênero poético no Brasil. Suas trovas sempre mereceram referência e sua obra poética caracteriza-se pelo romantismo, lirismo e sensibilidade. Os temas mais comuns abordam a saudade o simples cotidiano e a natureza.

Fez parte do Instituto dos Advogados, da Academia Brasileira de Belas Artes e da Sociedade Brasileira de Criminologia.

Obras jurídicas: O desajustamento do delinquente à profissão, Do homicídio eutanásico ou suplicado, Do direito criminal  e A história do fideicomisso,

Em 4 de setembro de 1926 foi empossado na cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras pelas mãos do acadêmico Laudelino Freire. Foi presidente da Academia em 1948.

 

Adelmar fazia parte do Movimento Trovadorismo, iniciou os estudos em Goiana (Pernambuco). Mudou-se-se para o Recife com 11 anos. Estudou no Instituto Pernambucano e no Colégio XI de Agosto. Formou-se em Direito em 1909. Mudou-se para o Rio onde ocupou vários cargos na Magistatura e foi colaborador ativo da imprensa onde veiculou suas trovas. Seu ápice foi quando assumiu a cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras em 1926.                 

Publicou o seu primeiro livro “Descantes” em 1907,  já no Recife, com outros colegas de Faculdade  quando tinha apenas 19 anos. O mesmo era composto de trovas.

Obs. Alguns apontam a data da Formatura em 1909, outros 1910, mas prevalece na sua maioria 1909.

 

Obras

    Descantes - trovas (1907)

    Trovas e trovadores - conferência (1910)

    Luz dos meus olhos, Myriam - poesia (1912)

    A poesia das violas - poesia (1921)

    Noite cheia de estrelas - poesia (1923)

    A linda mentira - prosa (1926)

    Poesias (1929)

    Trovas (1931)

    O caminho enluarado - poesia (1932)

    A luz do altar - poesia (1934)

    Poesias escolhidas (1946)

    Poesias completas (1958)

 

Academia Brasileira de Letras

 

Precedido por João Luís Alves           

Quinto acadêmico da cadeira 11

1926 — 1963

Sucedido por Deolindo Couto

 

Wikipédia, a enciclopédia livre.

 

Pesquisa e Comentários

Luis Eduardo Garcia Aguiar

Poeta - Escritor - Colunista - Pesquisador - Palestrante - Diretor UBE PE

 

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor