Adorável Visita - por Ana Stoppa

Adorável Visita - por Ana Stoppa

 

Passava das oito da noite quando Adélia ouviu tocar a campainha.

 

Esparramada no sofá após um dia exausto  atendeu sem a mínima vontade  diante da insistência.

 

Passava por momentos difíceis – fim de um relacionamento antigo, distância dos amigos, solidão.

 

Entorpecida pelo silêncio noturno emoldurado pelas longas madrugadas pouco fazia  para si.

 

Meio que no automático cumpria as atividades profissionais, para o restante especialmente o lazer cerrara as portas por tempo indeterminado.

 

No portão uma menina – devia ter uns 8 anos no máximo.

 

Antes que Adélia perguntasse o que buscava, a pequena expressando um largo sorriso adornado pelo brilho dos olhos disse que precisava de um abrigo.

 

Estranhou  o pedido – de onde veio esta menina, pensou.

 

O semblante terno da criança foi suficiente para que abrisse o portão.

 

Convidou-a para entrar.

 

- Quero um abraço, você pode cuidar de mim apenas por hoje?

 

A voz meiga e a  confiança inspirada passaram para Adélia a impressão de que conhecia a criança.

 

Afagou-a com ternura, ofereceu a poltrona branca, pediu que se sentasse enquanto preparasse um lanche.

 

Sentiu uma alegria com a presença, percebeu o quanto amor poderia  compartilhar, o quanto tempo estava perdendo se fechando para a vida.

 

Conversaram muito!

 

- Que menina encantadora!

 

- E seus familiares, sabem que você está por aqui?

 

- Sabem sim!

 

A senhora não me observa, mais todos os dias estou no lado oposto da calçada.

 

Percebo que muitas vezes a senhora entra chorando.

Não a vejo sair de casa a não ser para o trabalho, nunca vi visitas.

 

E as luzes  estão sempre apagadas.

 

Pensei, esta moça deve ser triste.

 

Por isso bati no seu portão.

 

Na minha família somos todos assim.

 

Desde pequenos somos orientados  para ajudar o

próximo, no que ele mais precisa – o calor humano.

 

Minha mãe sabe que estou aqui,  posso ficar até amanhã.

 

Adélia não sabia o que dizer!


Como uma menina daquele tamanho dizia coisas com

tanta propriedade?

 

Enquanto ouvia sentiu abrir as emperradas janelas da alma.

 

Abraçou demoradamente a criança de quem nem o nome sabia.

 

Não precisava, a felicidade do momento bastava.

 

Preparou  a cama com um lençol bordado pela mãe com margaridinha adornados de renda.

 

Trocou a fronha do travesseiro de macela, perfumou o quarto ofereceu para a menina dormir.

 

Maravilhada com o acontecido,  adormeceu na cama ao lado.

 

Ao despertar  notou que a  menina havia partido!

 

Percebeu que algo mudara  naquela manhã.

 

Sentiu paz, alegria, felicidade, vontade de compartilhar abraços, de apagar o passado, de recomeçar a vida.

 

Mais que isso, através da prece agradeceu a graça recebida do Pai Celestial simplesmente por estar viva.

 

Os sonhos adormecidos no arquivo das tristes lembranças deram lugar para as recordações da infância.

 

Corridas, brincadeiras de rodas,  pular cordas,  amarelinha, jogar bolinhas de gude, peteca, brincar de casinha e boneca.

 

Saudades de um tempo distante.

 

Quando deixava a casa rumo ao trabalho reparou

 Na soleira da porta de entrada um perfumado papel   cor-de-rosa dobrado como origami.

 

Pegou-o com cuidado.

 

Na primeira dobra estava escrito – Adélia, para você!

 

Abriu-o delicadamente quando viu a foto da sorridente menina que tanta alegria lhe trouxera na noite anterior.

 

Logo abaixo a mensagem escrita em letras douradas.

 

Querida Adélia,  obrigada por  reabrir as portas do coração para me receber de volta em sua vida.

 

Ao final a assinatura.

 

Esperança!

 

 

Publicado em 06/03/2014

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor