Bienal PE 2015 - Alexandre Santos - Entrevistado

Bienal PE 2015 - Alexandre Santos - Entrevistado

Alexandre Santos

Nascido e educado em Pernambuco, o escritor e produtor cultural Alexandre Santos teve formação escolar no antigo Colégio Marista do Recife. Depois de graduar-se em engenharia civil pela UFPE, cumpriu os cursos de especialização em Transportes Urbanos e Trânsito na UFCE e de mestrado em Engenharia da Produção e em Gestão Pública para o Desenvolvimento do Nordeste na UFPE. Alexandre é editor-geral do informativo ‘A Voz do Escritor’, membro do Conselho Editorial da Revista Algomais, do Conselho Consultivo da Revista Nova Águia (Lisboa, Portugal) e do Conselho Editorial da Revista Archiépelago (Cidade do México, México). É presidente do Clube de Engenharia de Pernambuco, da Associação Brasileira de Engenheiros Escritores e da União Brasileira dos Escritores. Entre outros prêmios e láureas recebidas, ganham destaque a Ordem do Mérito Literário ‘Jorge de Albuquerque Coelho’, Ordem do Mérito Capibaribe, Ordem do Mérito Manoel Antônio de Moraes Rego e presença no quadro de agraciados com a Comenda ‘Padre João Ribeiro’, do município do Paulista, e no quadro de Membros Honoráveis do Colégio de Engenharia de Venezuela. Publicou inúmeros artigos, entre os quais A Inflação Desmistificada, O Fantasma da Dívida, A Propriedade dos Meios Naturais de Produção, Os Conceitos de Economia e Fortalecimento da Economia de Base Local.  Entres os diversos livros publicados, destacam-se A Inevitável Primavera, Teoria do Valor, Economia & Poder, O Elo Fundamental, A face oculta do mercado, O Moinho (publicado em Espanhol sob o título ‘El molino’, vencedor do prêmio ‘Vânia Souto Carvalho’, instituído pela Academia Pernambucana de Letras para agraciar o melhor romance no concurso nacional de 2006), O Ato de Produção, O Attache, Bastidores & Camarins, G’Dausbbah, Maldição e fé e Raízes.

 

“O eixo central da minha obra literária é o poder – o fascínio, a busca, a conquista, o exercício e as conseqüências do poder. Naturalmente, aqui e ali, há muitos textos que versam sobre outras temáticas, mas é no estudo do Poder que concentro a minha obra.”

Boa Leitura!

 

Divulga Escritor - Escritor e Produtor Cultural, Alexandre Santos, é um prazer contarmos com a sua participação no projeto Divulga Escritor, conte-nos em que momento você pensou em escrever e publicar o seu primeiro livro?

Alexandre Santos - Faz muito tempo desde que publiquei o primeiro livro, ‘Os retirantes’ - um ensaio sociológico sobre as migrações internas do País, com foco sobre os retirantes nordestinos, que, na época, tinha como destino principal a região sudestina, com destaque para o Estado de São Paulo – que teve muito boa acolhida, inclusive pela SUDENE e pelo Banco Nacional da Habitação. Naquela época (como hoje, também), eu escrevia muito, especialmente sobre política e economia. Daí, o tema central da primeira publicação. De lá para cá, sem abandonar a crônica e os ensaios políticos e econômicos, enveredei pela literatura artística, abraçando o vasto campo da prosa.

 

Divulga Escritor - Neste momento você já tinha planos para escrever outros livros, como vem sendo a construção de sua carreira literária?

Alexandre Santos - Sempre escrevi muito e, na época (início da carreira, digamos assim), escrevia basicamente sobre a realidade nua e crua, procurando denunciar situações incompatíveis com a dignidade da Pessoa Humana, levantar teses, discutir e propor soluções para questões sociais, políticas e econômicas. O tempo passou e, depois, quando constatei que, retirados os meus alunos, poucos eram aqueles que liam as ‘verdades’ por mim defendidas, evoquei os ensinamentos de José Américo de Almeida (para quem, na maioria das vezes, é mais fácil dizer ‘verdades’ sobre forma de ‘mentiras’) e decidi dizer as coisas nas quais acredito sob outras formas. E, assim, surgiu o escritor Alexandre Santos, autor de romances, contos e outros textos literários. A despeito das inúmeras atividades que desempenho, consigo manter um bom ritmo de produção literária e, quase sempre, tenho um ou dois livros por publicar.   

 

Divulga Escritor - De forma geral, qual a principal mensagem que você quer transmitir para os leitores através de tão vasto acervo literário?

Alexandre Santos - O eixo central da minha obra literária é o poder – o fascínio, a busca, a conquista, o exercício e as conseqüências do poder. Naturalmente, aqui e ali, há muitos textos que versam sobre outras temáticas, mas é no estudo do Poder que concentro a minha obra. A grande mensagem, claramente embutida nos textos, diz respeito a importância da força militar, do dinheiro, da comunicação de massa e da religião na formação e conversão dos esquemas de poder, definindo a forma como se dá a presença humana sobre o Planeta.

 

Divulga Escritor - Você vai estar na Bienal Internacional do Livro de Pernambuco 2015, conte-nos qual o dia em que vais estar autografando o seu livro “O dossiê de Gustaff”?

Alexandre Santos – Ó lançamento de 'O dossiê de Gustaff' será no sábado, dia 03 de outubro, às 17h00, na Plataforma de Lançamentos da Bienal de Pernambuco, no Centro de Convenções. Espero vê-lo por lá. Junto com a sessão de autógrafos haverá um debate sobre o livro.‘O dossiê de Gustaff’, reúne contos associados ao romance ‘O livro dos livros’, novo livro, já no prelo.

Sobre o livro, as escritoras Bernadete Bruto e Jair Martins, que tiveram acesso ao texto, dizem:

“...embora vestido de ficcionismo, descreve uma realidade evangelística apregoada em diversas situações contadas nas histórias bíblicas (...) Alexandre, a sua sabedoria, a sua capacidade extraordinária de dissertar, de vindas dEle, lhe faz um predestinado ao tempo que privilegiado em conhecer e passar conhecimentos em tudo que faz.

Jair Martins

“É uma leitura impactante pela forma como o autor confronta valores, dogmas de nossa civilização e expõe cruamente o lado maléfico do poder e, ao mesmo tempo, surpreende por ser um panegírico à fé no bem”.

Bernadete Bruto

 

Divulga Escritor -  Quem desejar conhecer a programação da FLIPO, evento do qual você é curador geral, como deve fazer?

Alexandre Santos – As informações sobre a FLIPO estão no site:

http://www.flipo.com.br/

 

Divulga Escritor - Escritor Alexandre Santos, conte-nos qual o livro que demorou mais tempo para ser escrito e publicado? Como foi a construção do enredo desta obra?

Alexandre Santos - Até basear os enredos sobre fatos pretéritos, eu me julgava um ‘escritor rápido’. Esse sentimento acabou quando escrevi ‘Maldição e fé’ - um romance histórico ambientado no início do século XVII, cuja pesquisa consumiu mais de dois anos.  Entre a primeira palavra e o lançamento do romance `Maldição e fé’ transcorreu quase cinco anos. Como os demais textos artísticos, na prática, a despeito das ideias que animaram o início do livro, o enredo de ‘Maldição e fé’ foi construído a medida em que era escrito.

 

Divulga Escritor - Qual o livro que demorou menos tempo para ser escrito e publicado? O que o motivou a escrever de forma mais intensa que os demais livros escritos? Descreva-nos um pouco sobre a obra.

Alexandre Santos - O livro que tomou menos tempo foi a novela erótica ‘O attachè’, cujo texto, iniciado em dezembro de 1999, recebeu o ponto final em abril do ano 2000. Escrever é uma atividade que me dá prazer. Isto ocorre com qualquer tipo de texto. No caso de ‘O attachè’ – uma comédia que conta as aventuras amorosas de um certo Jean Marcel, adido militar da Bélgica na ONU -, por ser uma comédia, me fez rir bastante. Assim, com o prazer redobrado, sempre que podia, me debruçava sobre o computador para dar sequencia à história. Talvez essa tenha sido a razão da produção tão rápida.

 

Divulga Escritor - Em sua opinião qual o livro que gerou mais polêmica entre os leitores? O que o levou a gerar esta polêmica?

Alexandre Santos - Embora, pessoalmente, ache o romance ‘O moinho’ o mais agudo, dos livros que escrevi, ‘Maldição e fé’ é o que mais polêmica gera, pois, além de denunciar a hipocrisia da Igreja Católica e a forma como a História é registrada, desnuda a falsa moral da oligarquia que se formava no início do século XVII no Brasil. Talvez a forma crua como o texto quebra o segredo de alcova de alguns dos personagens contribua para o frisson que Maldição e fé causa. De qualquer forma, algo me diz que, rapidamente, ‘Maldição e fé’ vai perder a referência de ‘o mais polêmico’ para o romance ‘O livro dos livros’, que ainda está no prelo.

 

Divulga Escritor - Onde podemos comprar os seus livros?

Alexandre Santos - Não cuido, pessoalmente, da distribuição dos meus livros. Como não há, no Nordeste, boas distribuidoras, a despeito de acordos e acertos, sinceramente, acho que, do ponto de vista prático, não há ninguém cuidando da distribuição às livrarias. Sei que muitas livrarias, especialmente as maiores, dispõem de alguns títulos. De qualquer forma, talvez, a melhor forma de adquirir os meus livros seja através da UBE ou diretamente comigo, através do endereços eletrônicos ube.br.1758@gmail.com e alexandresantos@br.inter.net.

 

Divulga Escritor - Temos livros novos no prelo?

Alexandre Santos - No início de 2015 lançarei o romance ‘O livro dos livros’, que aborda a implementação de um vasto plano para o controle da humanidade a partir da criação de uma nova religião, e o livro de contos ‘Dossiê de Gustaff’, que apresenta episódios que teriam embasado a composição de ‘O livro dos livros’. São livros que, provavelmente, vão causar grande polêmica.

 

Divulga Escritor - De que forma você divulga o seu trabalho literário?

Alexandre Santos - A divulgação – como, de modo geral, todos os elos da cadeia produtiva associada à arte literária – faz parte da via crucis que o autor precisa enfrentar para se fazer ler. Não é diferente comigo. Reconhecendo, desde sempre, a insuficiência das raras aparições na mídia tradicional, recorro às novas mídias como instrumento regular de publicidade, entre os quais, cumpre reconhecer, ganham destaque veículos como o ‘Divulga Escritor’ e ‘A Voz do Escritor’. Além disso, nunca é demais lembrar, conto com o meu site pessoal (www.alexandresanttos.com.br ), que tem uma boa audiência.    

 

 Divulga Escritor - Conte-nos sobre a criação e objetivos de seu maravilhoso projeto “A Voz do Escritor”?

Alexandre Santos - A VOZ DO ESCRITOR é uma revista semanal eletrônica que circula desde setembro de 2005, trazendo notícias e fazendo a divulgação de eventos literários ocorridos e programados por todo o País. A revista digital surgiu por conta da ausência (na época) de um instrumento eficaz de divulgação ao alcance dos escritores e entidades. Passada a fase inicial, de consolidação, a revista ultrapassou a maturidade, sendo reconhecida nacionalmente como um dos melhores veículos brasileiros de divulgação no campo da arte literária. Hoje, A VOZ DO ESCRITOR alcança semanalmente cerca de 60 mil endereços eletrônicos, distribuídos por todo o País, atingindo um público especializado, formado especialmente por escritores, editores, críticos literários, professores, clientes regulares de livrarias, frequentadores de eventos literários e estudantes das áreas sociais (com destaque para os cursos de letras).  

 

Divulga Escritor - Você é hoje, um grande, reconhecido e respeitado ativista cultural em Pernambuco, em que momento pensou em atuar como produtor cultural?

Alexandre Santos - Desde muito tempo, direta ou indiretamente, cumpri atividades inerentes à produção cultural. Neste embalo, nos últimos anos, depois de, quase que naturalmente, assumir a produção cultural de alguns eventos importantes, resolvi ‘abraçar a causa’ e, a despeito do enorme trabalho, gostei e resolvi ficar. Em pouco tempo, ganhei muita experiência no ramo e, além do lançamento de livros de sucesso, fiz a produção cultural de um congresso literário mundial (o Congresso Mundial de Engenheiros Escritores, realizado no Recife, em março deste ano) e da Festa Literária Internacional do Ipojuca (FLIPO), que já parte para a terceira edição.

 

Divulga Escritor - No que depender do escritor e produtor cultural Alexandre Santos podemos então esperar muitos eventos culturais?

Alexandre Santos - Sim. Venho dando forma à Câmara Brasileira de Desenvolvimento Cultural (CBDC), entidade cujo objetivo, além de agenciar a carreira de escritores e certificar a qualidade de eventos e empreendimentos culturais, vai produzir encontros culturais. Para 2015, na agenda da CBDC, além do lançamento de alguns livros, consta a realização de nova edição da FLIPO, em Porto de Galinhas, de mais um Congresso Mundial de Engenheiros Escritores e, também, encontro literário em Triunfo e, também, provavelmente, em João Pessoa. A pauta é ambiciosa, mas factível.

 

Divulga Escritor -  Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista, agradecemos sua participação no projeto Divulga Escritor, muito bom conhecer melhor o Escritor e Produtor Cultural Alexandre Santos, que mensagem você deixa para nossos leitores?

Alexandre Santos - Precisamos estimular a leitura e, cuidar para que, cada vez mais, o consumo de bens literários seja corriqueiro. Jamais devemos perder de vista que uma sociedade que lê e entende aquilo que lê é mais resistente às manipulações da palavra e, portanto, mais consciente daquilo que quer e daquilo que não quer, sabendo, assim, escolher o que é melhor para si e para os seus.

 

Divulgação: Divulga Escritor

Email: smccomunicacao@hotmail.com

Site: http://www.divulgaescritor.com/

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor