Amas-me? - por Francisco Luis Fontinha

Amas-me? - por Francisco Luis Fontinha

Amas-me?

 

Havia um emaranhado de fios eléctricos dentro da sala de jantar, todos eles eram providos de rosto, voz... e esqueleto, sentia a cada desperdício de cerveja o regresso do Oceano meu coração, ouvíamos alguns sons melódicos que o Rui tinha adquirido em cinco suaves prestações, e a Madalena saciava-se com um livro de poemas,

Amo-te sem saber porquê...

Os poemas dançavam no ventre de Madalena, sentia cada palavra como se de um desejo se tratasse, ou de um orgasmo em despedida,

Amanhã vou caminhar depois do jantar, olhar as estrelas amantes da trigonometria, desenhar círculos de papel nas clarabóias da inocência..., e olhar-te, e olhar-te como se existisses, como se fosses um texto de ficção dentro da fogueira,

A lareira sonolenta abraçava-se aos teus seios,

Amo-te sem saber porquê...

E eu sabia que nos teus seios apenas habitavam as minhas mãos de porcelana,

A morte em pequenos assobios,

As horas em agonia num relógio de parede,

E eu sabia que nos teus seios...

Texto de ficção?

Em quadriculas, os números agoniados e agachados junto ao capim do quintal, nunca tinha olhado o Sol depois das cinco da tarde,

E eu sabia que nos teus seios...

Texto de ficção?

E mesmo assim, deitado debaixo das mangueiras... imaginava petroleiros a entrarem dentro de mim,

tive medo, senti o primeiro beijo, a primeira carícia, o primeiro e derradeiro contacto, os lábios deixaram-se apelidar de Amor,

Amas-me?

O amor, os poemas dançavam no ventre de Madalena, sentia cada palavra como se de um desejo se tratasse, um orgasmo em despedida, os gemidos dos poemas inseminados nas páginas abandonadas de uma velha folha de papel, a caneta de tinta permanente... pesadíssima, as correntes do teu olhar acorrentavam-me, deixei de sentir os braços, as pernas, o... o amor,

Amas-me?

Deixaram-se apelidar de Amor,

Havia um emaranhado de fios eléctricos dentro da sala de jantar, os fusíveis dos meus sentimentos... ardiam, e percebi que nunca mais conseguiria perceber o Amor,

Amas-me?

E eu sabia que nos teus seios...

Texto de ficção?

Não revisto, não lido, não...

Não percebo as palavras que escrevi na tua pele de marginal semeada de palmeiras, barcos encalhados e... e gaivotas.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor