Antônio Eustáquio Marciano - Colunista

Antônio Eustáquio Marciano - Colunista
 
Nasci no centro oeste mineiro, Perdigão MG, indo depois para Belo Horizonte, trabalhar no serviço público. Em 1980, vim para Uberlândia, onde trabalhei no Banco do Brasil, até me aposentar em 2007. Daí passei a trabalhar como auditor e perito contábil. A faculdade de Ciências Contábeis, pós graduações na área muito me ajudam no exercício dessas funções. Há alguns anos, após estudar por cinco anos na escola diaconal da diocese, tornei me clérigo católico casado. Posteriormente, cursei o bacharelado em Teologia, com pós graduações nesta área e Ciência da Religião. Sou casado há 34 anos e tenho três filhas. Participei de dois livros (Emoções e Camarinhas de Poesia) e escrevi três: “Talita e Talia: porque os homens matam o amor”, romance religioso, uma releitura do evangelho de Marcos e narrativa de um fenômeno intrigante, do qual fui umas das primeiras testemunhas; “Bico de Pena”, poemas e causos em versos e “Tessalônica, principio de amor”, romance religioso, que sugere a comparação da ética cristã do primeira milênio com a que hoje vivemos.

Email para contato:
 
Publicações:
 
1.    A Inclusão dos Gentios na Sagrada Aliança, segundo São Mateus (artigo científico de graduação)
2.    Entidades Fechadas de Previdência Privada: natureza, objetivos e aspectos contábeis (monografia de pós graduação);
3.    A História da Faculdade Católica de Uberlândia (monografia de pós graduação)
4.    A Carta de Talita (monografia de pós graduação)
Participação em dois livros
1.    Camarinhas de Poesia (poemas)
2.    Emoções (crônicas)
Autor de três livros publicados pela Assis Editora de Uberlândia
1.    Talita e Talia: por que os homens matam o amor (romance religioso, ficção e realidade), 96 pg,
2.    Bico de Pena (poemas) 96 pg
3.    Tessalônica: princípio de amor (romance religioso) 160 pg
Felicidade é ter amigos. 
 
 Link para compra de livros
 
 
 

Antonio Eustáquio Marciano - Colunista

Sei lidar com gente à toa - Antônio Eustáquio Marciano

Sei lidar com gente à toa   Sei lidar com gente à toa, consigo ficar de boa. A gente até afeiçoa e passa a amar a pessoa. E se a gente arrazoa, relação aperfeiçoa, Acho até que Deus perdoa. Creio, até abençoa.   Subo à sua canoa, trabalho a sua loa, Nado na sua lagoa, passeio em sua...

O galo Jacó - por Antônio Eustáquio Marciano

O galo Jacó   Isto aconteceu no tempo que as aves tinham gogó. Vou contar fato verídico, preste atenção, escute só:   No quintal de uma fazenda, antes de se ouvir a mó, bem cedinho, junto à moenda, cantava o galo carijó.   De manhã, a galinhada, numa barulheira só, conversava...

O Santo e o Tinhoso - por Antônio Eustáquio Marciano

O SANTO E O TINHOSO   Andando pelas campinas, A buscar destino além, Certo homem, em seu cavalo, Ia só sem mais ninguém.   Ia num trote prazeroso, Naquele caminho batido. Sacudia suas entranhas E tudo mais ali contido.   A fome se lhe apertou, Ele abriu seu embornal E a farinha...

O Contador - por Antonio Eustáquio Marciano

O CONTADOR   Falo aqui de um bom sujeito Que estará sempre em meu peito, Companheiro, amigo e irmão. Ele nasceu lá no Batista E era mesmo um artista, Tocava sanfona e violão.   De cantar ele gostava, Mas antes de tudo estava A família e o trabalho. Seja à capina, ao roçado, Ele ia cedo...

Nossos Velhos - por Antônio Eustáquio Marciano

NOSSOS VELHOS   Para alimentos comprar Ou roupas adquirir, Pra ir à farmácia, a um bar, De casa eu tenho que sair.   Se vou comprar pão ou leite, Bolo, manteiga ou café, Se preciso buscar azeite Na padaria do Zé.   Pois tenho osteoporose, Gota serena, reumatismo, Hipertensão e...

Entendendo o Graal - por Antonio Eustáquio Marciano

ENTENDENDO O GRAAL   Li sobre o graal nos escritos de muita gente. Compreendi que o graal existe de verdade. Mas cada qual o explica de forma diferente E por poucos é descrita a sua total realidade.   Todos os que se dispuseram a, o graal, explicar Estão errados mas, certos, ao mesmo...

Te espero - por Antonio Eustáquio Marciano

TE ESPERO   Vem a noite caindo, o frio me envolvendo. Uma lágrima, minha face, insiste em banhar. Meu corpo está triste e minha alma doendo. Sem a tua presença é tão difícil eu ficar!   Só nós dois sabemos: o nosso caso é sagrado. De um longínquo planeta, tu e eu viemos, Muito diferente,...

Torcedor de Futebol - por Antonio Eustáquio Marciano

TORCEDOR DE FUTEBOL   Em 1966, eu tinha 11 anos e gostava muito de jogar bola na rua e de, no domingo, ir ao campo ver o jogo dos adultos. Num domingo, por acaso, um grupo de jovens estava ouvindo, num radio de pilhas, um jogo entre Cruzeiro e Atlético. Parte torcia pra um, parte torcia pra...

Vida do homem - por Antonio Eustáquio Marciano

  Vida do homem   O homem brota da terra, caminha sobre ela, Pensando saber o que faz, quer tudo dominar. Senhor de tudo que vê, ele chega a se achar. Campos, montanhas, rios, destrói ou remodela   Na odisseia conhece, a bonança e procela. Vê efemeridade ou o eterno continuar. Viajor...

À amada - por Antonio Eustáquio Marciano

À amada   Teu rosto é vivido, Sofrido. Teus olhos estão cansados, mas cheios de ternura, Alma pura. Teu coração é cheio de amor, Frescor. Guardas as marcas do teu passado de luta, Labuta. E as lembranças da tua vida sofrida, Renhida. Tua alma é vida e coragem, Aragem. Tens a inquietude dos...

Pra mim já está bom - por Antonio Eustáquio Marciano

Pra mim já está bom   Morreu dona Francisquinha, que era carola e engraçadinha, Morreu seu Joaquim Faria, trinta anos na sapataria. Morreu seu Zé do Carreto, que tinha um cavalo preto Eu continuo aqui, depois de tudo que já vi.   Morreu Sebastião de Bessa, que sempre andou com...

Era um ninho de passarinho - por Antonio Eustáquio Marciano

Era um ninho de passarinho   A frente da minha casa era toda sombreada Por uma árvore que eu mesmo tinha plantado. A raiz foi crescendo, o passeio danificando, Aquela árvore mandei cortar, contrariado.   Eu não desconfiava que lá na copa havia Um ninho de passarinhos com ovos para...

Assombração - por Antonio Eustáquio Marciano

ASSOMBRAÇÃO   Havia um arraial no fundo de um grotão Onde a noite era tomada pela escuridão E ali raramente se via uma raio de luar Eram poucas famílias que ali moravam Pois outras que algum dia ali passavam Por mais que desejassem não podiam ficar   Muitos tentaram entender o que...

A Estrelinha- por Antonio Eustáquio Marciano

À ESTRELINHA   É de madrugada, noite enluarada, já é quase aurora. Esta solidão Faz meu coração Pulsar toda hora   Abro uma janela, Vejo uma estrela, Fico a contemplá-la. Todo o céu me vê Chamando você, Penso em ir buscá-la.   Peço à estrelinha: Vá bem caladinha Lá na casa dela. E...

Amiga dos meus estudos - por Antonio Eustáquio Marciano

AMIGA DOS MEUS ESTUDOS   Vejo te em tantas mãos De jovens e de anciãos Teu rastro fica no papel Da escuridão, do não saber Para a clareza trazer Fazendo cair o véu   A turma te usando competia Qual era a melhor caligrafia Pra agradar à professora Que ajudando a nos educar Para a vida...

1 | 2 | 3 >>

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor