Ardem com o acender do sol - por Alvaro Giesta

Ardem com o acender do sol - por Alvaro Giesta

Ardem com o acender do sol

os vitrais das janelas

da capela onde não entro

 

No interior, catedrais de sonho

e solidão

numa simbiose quase perfeita

com o silêncio e a mirra

 

Ao sol poente

soturnas ladainhas e cânticos

celestiais

retumbam nos claustros sumptuosos

arredando o silêncio das promessas

por cumprir

 

Nos nichos, santos e mártires

segregam ironias

sobre os peregrinos ajoelhados

de rastos a seus pés

 

No círculo das suas bocas fechadas

a reza muda

o acto de contricção

o murmúrio das orações envergonhadas,

 

nos altares continua

a promessa dos milagres por cumprir

 

Tombam

moribundos e silenciosos na laje fria

sobressaltos do espectro da luz…

 

A luz nega-se a entrar envergonhada

no silenciar do dia

nos murmúrios enganosos da capela…

 

Nas ladainhas, as orações que se fazem

apenas por dever,

e as promessas que se juram

na mentira sem remédio

ficam sempre por cumprir

 

_____________

© Alvaro Giesta in "Muralha Inquieta" (a publicar)

Não escrevo segundo as normas do novo acordo ortográfico
http://alvarogiesta.blogspot.com/

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor