Brincadeira de recruta - por Rubens Silva

Brincadeira de recruta - por Rubens Silva

Brincadeira de recruta

 

A noite estava quente. Eu estava no segundo quarto. O pior que tem num serviço de guarda. Tínhamos acabado de ser rendidos. Ninguém conseguia dormir. Por brincadeira, ao entrar no alojamento joguei meu travesseiro seboso num dos guardas que acabara de chegar. Vapt! O cara caiu sentado e vociferou um palavrão. Todos que haviam chegado junto comigo, eram oito, também começaram a atirar seus travesseiros uns nos outros. Naquele tempo os colchões e os travesseiros eram cobertos com uma capa de lona. Dessas lonas de caminhão. Sujas que dava nojo.

O Cabo da Guarda estava na frente do quartel olhando o movimento. Na sua função já sabia que não conseguiria dormir nada tinha que acordar de duas em duas horas para render a guarda. O Sargento comandante da guarda ouviu aquela algazarra. Foi ver o que estava acontecendo. Ao chegar à porta levou um travesseiro no rosto. Seus óculos saltaram lá no meio da rua. Indignado e xingando palavrões cabeludos ordenou que todos nós entrássemos em forma. O alojamento ficou em silêncio. Entramos em forma. Ouvimos os seguintes comandos:

- Cruzar! Armas!

- Acelerado! Maaarche!

Começamos a correr em marcha acelerada. Um dois! Dizia o Sargento na cadência do nosso passo. Nós respondíamos: Três quatro! E assim fomos correndo em toda a volta do quartel. Demos a primeira volta. Pensamos. Agora vamos para o alojamento e vamos aquietar. Se não vamos correr a noite toda. Ao chegarmos novamente no corpo da guarda o Adjunto assumiu o comando e deu mais uma volta conosco. Já não agüentávamos mais de cansados. Suados. Pensamos de novo. Pronto tomara que o Sargento pare com isso e nos deixe dormir. Que nada! Ao chegarmos ao Corpo da Guarda o Cabo da guarda assumiu o comando e fizemos a terceira volta ao redor do quartel. Nessa volta ele aproveitou para render o terceiro quarto.

Pronto. A Guarda foi rendida. Fomos direto para o alojamento. Guardamos as armas e cada um procurou a sua cama. Quando o Cabo saiu do alojamento recebeu outro travesseiro pelas costas e caiu de joelhos na calçada na entrada do alojamento. Uma loucura. Não deu outra. Entramos em forma novamente e passamos a noite toda correndo. Aí entraram os outros Sargentos que concorriam ao serviço de ronda. O Comandante da Guarda, o Cabo da Guarda, o Adjunto e o Oficial de Dia. Foram se revezando, cada um dava uma volta. Corremos até as quatro horas da manhã.

Essa foi apenas uma brincadeira que rendeu muito cansaço. Inesquecível.

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor