Calçadão - por Ione Kadlec

Calçadão - por Ione Kadlec

CALÇADÃO

 

Nos calçadões das praias,  as ondas escuras, pedras,  seguem paralelas as ondas do mar.

Vou, como dizia Caetano, sem lenço, sem documento, nada no bolso ou nas mãos, pois não preciso.

As coisas sagradas, amadas e profanas trago no corpo, na alma e no coração.

Tantos amores, enganos, dores e sorrisos, quantidades diversas  que, somados, são registros gerais: RG.

Estes impregnados na carne e na mente se fundem com meus pés

A pisar, tropeçar, seguros de si ou não, nestes calçadões.

Já repararam no maravilhoso azul do céu a enroscar-se, lá embaixo, com o mar?

De longe, vemos céu e mar se acabar  na linha do horizonte.

No esplêndido  azul  que azuleja o dia.

È verão! Claro, só pode ser verão: estação do mar.

Quando as ondas, inquietas, lambem a areia.

Esta, seca, se rende as garras de espumas

A arranhar os finos grãos.

Não chora, menina! Esta é sua sina:  ser grão de mostarda.

Depois recuam, carregadas de segredos, satisfeitas com as juras feitas.

Sim, o mar  é um poeta.

Ao cair da noite, contam para a lua, amparadas pela negritude permitida pelo dia,

os segredos de uma pobre alma aflita

As estrelas se mostram indiferentes, pois de todos os segredos guardados e sofridos

Hoje tão bobos que ninguém quer saber.

De calçadão em calçadão, ondulo feito água salgada.

Vez ou outra, coisa rara, encharco  de sal o calçadão das praias

Assim, sigo, ondulando e caetaneando: “Eu quero seguir vivendo, amor.
Eu vou
Por que não, por que não...” 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor