Corpo Humano - por Delanie Velázquez

Corpo Humano - por Delanie Velázquez

 

Parada ao lado do carrinho de compras, eu aguardava minha vez na fila do caixa de um supermercado.

Enquanto esperava, minha atenção foi atraída para o movimento das pessoas que desfilavam apressadas pelos corredores, circulavam pela frente dos caixas ou, simplesmente, permaneciam de pé em outras filas ao meu redor.

Ao observá-las, todas tão diferentes umas das outras, fiquei pensando na variedade de tipos do corpo humano e exclamei para mim mesma: Como nossa espécie exibe uma diversidade surpreendente e, por que não dizer, maravilhosa?

Há variedade nos formatos, nas proporções entre as partes, nas dimensões de largura, altura e profundidade, na coloração do revestimento externo (em parte determinada pela produção de melanina, em parte pela exposição à radiação solar), no comprimento, textura, formato e coloração dos fios que recobrem o couro cabeludo...

Mas a variedade não existe apenas no que se vê por fora, mas também no interior. Os estudantes de anatomia que o digam, como eles sofrem para entender a diversidade de arranjos dos vasos sanguíneos e nervos. Quem pensa que por dentro somos todos iguais, está muito enganado.

Ah! Imensa, magnífica, incrível e bela variedade!

Que pena que tão poucos humanos conseguem enxergar a beleza dessa diversidade!

Ofuscados pelo brilho das imagens dos artistas do cinema e da TV, bombardeados pelos apelos comerciais das empresas de cosméticos, presos aos padrões ditados pela sociedade e proclamados incessantemente pelos meios de comunicação, muitos indivíduos de nossa espécie seguem infelizes, principalmente quando têm um encontro com o espelho.

Maravilhoso corpo humano! Que arranjo magistral, organizado em células, tecidos, órgãos e sistemas diversificados! Será que, algum dia, a sociedade irá, por fim, unir o conceito de belo com a variedade?

Há algum tempo li uma definição de feiura que me pareceu bem interessante: “Feio é o esforço para ficar igual ao que se convencionou chamar de bonito...”

Que tal começarmos a mudar o grande paradigma da beleza? Que tal se, pelo menos, começássemos a refletir sobre isto?

 

Referência

BOTELHO, Carol. Incomum e Belo. Jornal do Commercio. Arrecifes. Ano 3. n. 99. Recife, 03 mar 2013. p. 10.

Publicado em 22/03/2014

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor