Decepções são proporcionais ao grau das nossas expectativas - por Isi Golfetto

Decepções são proporcionais ao grau das nossas expectativas - por Isi Golfetto
“Não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito.” William Shakespeare
 
“Não fazemos aquilo que queremos e, no entanto, somos responsáveis por aquilo que somos.” Jean-Paul Sartre
“Nossas limitações e nossos sucessos frequentemente são baseados nas expectativas que criamos para nós mesmos. No que a mente foca, o corpo atua.” Denis Waitley
 
Decepções são proporcionais ao grau das nossas expectativas . Por Isi Golfetto
 
Conforme prometido no post anterior vamos refletir porque nos decepcionamos: qual a intensidade e o efeito das decepções em nossa vida; nossa reação à decepção e como podemos enfrentar os desafios e nos transformarmos em um lago.
Alguma vez você já se decepcionou?  Lembra-se da ocasião? Quais os sentimentos que foram produzidos? 
Vamos mencionar apenas alguns sentimentos que uma decepção pode causar: desapontamento, frustração, amargura, desesperança e, dependendo do grau da fragilidade em que a pessoa se encontra, pode até ficar em estado de choque, concorda?
Como é de se esperar, diante de fatos indesejáveis como uma decepção, a primeira reação que temos é de que foi a pior coisa que poderia ter nos acontecido. E, antes mesmo de recuperarmos o nosso equilíbrio emocional, extremamente abalado, saímos julgando as pessoas envolvidas, tomando decisões precipitadas, abandonando compromissos firmados e colocando em risco nossos relacionamentos, nossa carreira profissional e provavelmente potencializando ainda mais a intensidade dos nossos sentimentos.
Mas, será que é justo para o outro, como para nós mesmos, tomarmos decisões e agirmos diante de impulsos enquanto ainda estamos fragilizados?
Se pararmos para pensar, a decepção vem de expectativas que nós mesmos criamos em idealizar algo ou alguém em nossa imaginação, o que virtualmente a torna perfeita. Quando retornamos à realidade e esse encanto quebra ou quando acordamos do sonho e enxergamos a realidade, a frustração é sem precedente. E, como a frase do nosso post anterior descreve com muita propriedade: a vida bate forte, mas o importante é saber o quanto você aguenta apanhar e continuar lutando... é assim que se consegue vencer... E nada de apontar o dedo para esse ou aquele... você é melhor que tudo isso!
Como você sabe, para um alpinista cada pedra no caminho não significa um obstáculo porque o seu objetivo é chegar ao topo da montanha.
E nós, como reagimos diante dos obstáculos? Que tal tirarmos lições dos episódios que nos acontecem e transformarmos cada dificuldade em uma oportunidade de aprendizado? 
Imagine todas as decepções que já teve em sua vida. Como as venceu? Acredito que as tenha vencido e tirado lições preciosas para vencer mais essa vez. No entanto, se não conseguiu tirar lições das decepções anteriores já está mais do que na hora de começar. Não continue acumulando decepções em sua bagagem porque elas estão impedindo sua liberdade e leveza no caminhar da sua jornada.
Em nosso currículo de vida precisamos ter anotadas as nossas lições de superação. São elas que irão nos dar o equilíbrio e o estímulo de que necessitamos para enfrentar e vencer os desafios que temos adiante. Com elas vamos aprender a não desviarmos diante de cada pedra do caminho, a não mudarmos de rota por impulso e não agirmos intempestivamente no calor de uma discussão.
 
O controle da situação, agora, está em suas mãos:
 
1. Não faça qualquer julgamento precipitado, não fale coisa alguma por mais "engasgado" que esteja, nem tome alguma decisão no calor de uma discussão. Só vai piorar a situação e nem sempre o que acontecer ali vai refletir a realidade.
2. Aja com o outro exatamente da forma como gostaria de ser tratado. Fale em tom natural. Em não havendo clima para prosseguir o diálogo, peça licença para se retirar para poder recobrar o equilíbrio emocional.
Segundo Aristóteles: "Qualquer um pode zangar-se, isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo e maneira certa - isso não é fácil."
3. Busque a solução e pare de focar no problema e possíveis consequências. Aceite cada dificuldade como uma oportunidade de aprendizado, de crescimento, de amadurecimento e principalmente de superação. Acredite: dificuldades são passageiras, mas as lições aprendidas permanecem.
4. Não cobre do outro aquilo que não está disposto a praticar. Perfeição não existe é só olhar no espelho. Mas, buscar a excelência nas atitudes e comportamentos é questão de bom-senso.
Não há decepção maior do que apostar suas fixas em outra pessoa ou no que quer que seja. Aposte em você, em sua autoestima, em sua competência e transforme-se em um belo e grande lago.
A aposta está aberta... Dou-lhe uma, dou-lhe duas...
 
Até a próxima.
Um grande abraço
Isi
 
 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor