Dependência Tecnológica - por Rosemary de Ross

Dependência Tecnológica - por Rosemary de Ross

DEPENDÊNCIA TECNOLÓGICA
 
Contexto
 
A tecnologia, criada com o objetivo de encurtar distâncias, tem levado as pessoas a deixarem de lado o convívio em comum. E criou uma nova patologia de­nominada "tecnose", a compulsão por tecnologia.
Enquanto muitos não acompanham a evolução tecnológica, outros se tornam escravos dela. Assim, o individualismo prevalece e o diálogo, a convivência, o auxílio ao próximo e até mesmo Deus e a espiritua­lidade ficam em segundo plano.
A internet, o celular e outros mecanismos que de­veriam facilitar a vida, tomam tempo e geram estresse, pois é impossível acompanhar e digerir toda a infor­mação disponível. A comunicação apesar de rápida e interligar o planeta, não significa necessariamente efi­ciência e confiabilidade.
As mudanças estão acontecendo rapidamente. Mui­tos não conseguem mais viver sem a praticidade da tec­nologia, mas para outros a evolução tecnológica é algo distante e até mesmo inacessível. Diante desses dois extremos, é preciso buscar o equilíbrio. Não podemos permitir que nos tornemos pessoas frias, alheias à con­vivência humana e desconectadas de Deus!
 
Palavra que orienta
 
"Por isso mesmo, dedicai todo o esforço em juntar à vossa fé a fortaleza,
à fortaleza o conhecimento,
ao conhecimento o domínio próprio,
ao domínio próprio a constância,
à constância a piedade,
à piedade a fraternidade,
e à fraternidade, o amor" (2Pd 1,5-7).
 
O Papa Bento XVI refere-se às novas tecnologias como um "verdadeiro dom para a humanidade": "As novas tecnologias contribuem para a expansão do diá­logo em povos de diferentes culturas, religiões e paí­ses, e precisam ser postas a serviço de todos os seres humanos e de todas as comunidades, sobretudo de quem está necessitado e é vulnerável". Assim, as no­vas relações que se estabelecem devem promover uma cultura de respeito, diálogo e amizade. Não devemos permitir que a "ligação virtual se torne obsessiva" e, como consequência, "a pessoa venha a isolar-se, inter­rompendo a interação social real", pois "seria triste se o nosso desejo de sustentar e desenvolver on-line as amizades fosse realizado à custa da nossa disponibili­dade para a família, para os vizinhos e para aqueles que encontramos na realidade do dia a dia, no lugar de trabalho, na escola, nos tempos livres".
É, portanto, uma questão de disciplina, de colocar limites a si mesmo, agindo com moderação diante de qualquer tipo de excesso, mantendo o equilíbrio entre o mundo virtual e o real, para não se tornar escravo da tecnologia. Como diz o Apóstolo Paulo: "A mim tudo é permitido, mas nem tudo me convém. A mim tudo é permitido, mas não me deixarei dominar por coisa al­guma" (ICor 6,12).
 
Mensagem de esperança
 
Reflita sobre o impacto que a tecnologia tem cau­sado em sua vida e se concluir que está se tornando dependente, que isso está interferindo nas atividades cotidianas e nos seus relacionamentos, é bom tomar precauções.
Atitudes simples podem amenizar a dependência tecnológica, como desligar o celular sempre que pos­sível, sobretudo em momentos de lazer; descartar e--mails e mensagens inúteis; exercitar o autodomínio e procurar controlar o impulso pelo "novo"; reservar tempo para encontrar as pessoas ou simplesmente ficar em silêncio.
Deus concedeu ao homem o conhecimento para criar e aperfeiçoar a tecnologia, mas ela deve ser usada em benefício de toda a humanidade. Cabe a cada um de nós buscar o equilíbrio entre a tecnologia que abre as portas do mundo virtual e a vida real, sendo perfei­tamente possível conviver e usufruir das vantagens e facilidades advindas, sem esquecer a convivência hu­mana e sem distanciar-se de Deus.
Busque a justa medida entre todas as coisas e viverá melhor!
Oração
 
Pai amado, revendo minhas atitudes, percebo que desenvolvi uma dependência e não consigo mais viver sem celular, internet (relate sua experiência). Cons­ciente da minha fraqueza, busco tua ajuda, para que com a força do Espírito Santo eu adquira domínio próprio.
Concede sabedoria para que eu possa reencontrar meu equilíbrio. Liberta-me da ânsia de viver conectado que me está escravizando. Conduz-me e mostra-me os caminhos a seguir, com a prática da temperança no meu dia a dia. Orienta meu modo de pensar e minhas ações.
Senhor Jesus Cristo, sê minha força e auxílio nas horas de fraqueza. Defende-me do individualismo, para que eu não me torne prisioneiro da tecnologia e de mim mesmo. Ajuda-me a renunciar ao excesso tecnológico e dá-me o desapego necessário para trans­formar meu coração e buscar a serenidade, a alegria, o desprendimento e até mesmo a solidão, quando for necessário.
Senhor, quero te agradecer por eu ter tomado consciência de que necessito da tecnologia, mas tam­bém por ter clareza de que preciso usufruir dela com equilíbrio.
Espírito Santo, ilumina minha vida com tua luz, abrasa meu coração com teu amor, santifica meu ser com teus dons e concede-me a paz e a temperança. Que assim seja!
 
"Senhor, tem piedade, Senhor,
vem em meu auxílio
e concede-me a temperança"
(S1 30[29],llb).
 
(Texto do livro "Mensagens e orações para diversas situações do dia a dia"- Paulinas Editora)

 

Publicado em 07/05/2014

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor