DESEJOS INCONTROLÁVEIS - Por Mirian M. de Oliveira

DESEJOS INCONTROLÁVEIS - Por Mirian M. de Oliveira

Fotografia: Gimar Dueñas

Por Mirian Menezes de Oliveira

Nessa vida, não há nada melhor do que um pequeno transtorno! É isso mesmo! Transtornos são muito úteis!

Não fosse aquela tempestade toda, “Meiga” jamais agiria com tanto atrevimento, liberando (quem sabe?)  um desejo inconsciente.

O tempo estava terrível: raios riscavam o céu negro, cobrindo toda a cidade. Pessoas corriam por todos os lados, tentando escapar da fúria dos céus (Opa! Isso é crônica... não filme de terror!) Bom... resumindo... qualquer pessoa, em sã consciência, não se atreveria a sair por aí, diante de tantas ameaças do céu.

“Meiga”, entretanto, deveria ir para seu doce lar, pois, como toda grávida que se preza, tinha desejos incontroláveis: desejo de ir “correndo” para casa, após o expediente, de comer salada de rosas amarelas do quintal do vizinho, acompanhada de javali e suco de pepino!

Brincadeirinha!

A verdade é que desejava chegar logo em casa, embora o caminho fosse um tanto longo!

Raios, ventania, tempestade... carros pardos  e vidro imundo, totalmente embaçado. Que maçada!

Só faltava não haver flanela no carro, para que pudesse limpá-lo!

Chuva forte, congestionamento, vidro sujo, ausência de flanela...

Chovia  “torrencialmente”.... (sempre quis usar essa expressão!) e nada podia enxergar.

Não pensou duas vezes: arrancou a blusa e limpou, com gosto, aquele vidro embaçado. Afinal de contas, não havia ninguém, para presenciar a cena.

Gostou da sensação! De repente, sentiu-se nua, totalmente, livre das convenções. Sentiu-se nua de corpo e de alma, num frenesi, difícil de explicar. Sentiu-se flutuante! Dirigiu sem blusa, sem nem se preocupar. Para que, blusa? O momento exigia desprendimento e pura adrenalina, pois, afinal de contas, “Meiga” conseguiu entrar em contato consigo mesma. Era livre, poderia voar, dançar... Ela era o único ser naquele momento. A tempestade era só dela. O mundo era só dela...

Raios e trovões agitavam o espaço exterior, enquanto, em seu íntimo, reinava a mais pura calmaria. “Meiga” transformou-se em sereno: conseguiu ser “Meiga” novamente. Parou em um Posto de Gasolina, conversou com o frentista, sem conseguir dimensionar seu aspecto naquele momento... Não se viu sem blusa! Só não sabemos a opinião do frentista!

O transe foi tão grande, que nossa amiga não se lembra de sua chegada em casa. Sabe Deus, com quem conversou e em que estado se encontrava. De sua mente tudo se dissipou. Era “MEIGA” e mais nada... De tanta liberdade, esqueceu-se do mundo exterior.

Também, quem se lembraria? Importa? Era ela e só...

(Esta vai para uma amiga e qualquer semelhança, não é mera coincidência!)

 

Publicado 04/01/2014

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor