Despertar - por juvenil Tomás

Despertar - por juvenil Tomás

Despertar

Tobias acordou e percebeu que, estranhamente, dormira sobre uma pedra, uma grande pedra preta que se destacava do solo, não era muito lisa, mas tinha uma bancada que se assemelhava a uma cama. Apesar daquela estranha cama, sentia-se muito bem, descansado, como se tivesse dormido confortavelmente por um bom tempo. Levantou-se e olhou em volta, era um vale muito bonito, recoberto de capim verde, entremeado de grandes e proeminentes pedras, não era grama, era uma espécie de pastagem para animais, bastante regular com mais ou menos dez centímetros de altura, só era mais alto em volta das pedras como se a emoldurá-las. Mais abaixo, após um suave declive, corria um caudaloso rio.

     Respirou fundo, sentiu o frescor da brisa e da relva que o rodeava. O ar puro, fresco e aromatizado enchia e massageava seus pulmões que se expandiam gostosamente, captando o oxigênio límpido e alimentando suas células com aquele gás benfazejo. Um pequeno arbusto ao seu lado o saudava com suaves movimentos de seus galhos. De algumas folhas pendiam brilhantes gotas de orvalho que se tornavam pequeninos sois refletindo os matutinos raios do astro rei. 

 

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor