Dialogos familiares - Marcio Dias

Dialogos familiares - Marcio Dias

Diálogos familiares

 

Parte I

 

            “Alô, quem é?”

            “Sou eu mãe, não viu meu número na bina?”

            “Oi meu filho, que surpresa. Achei que tinha se esquecido de sua mãe.”

            “Ah, mãe, de novo com essa história? Tudo bem?”

            “Tá tudo bem sim. E você? Tá comendo direitinho? Tá passando frio?”

            “Não, mãe.”

            “Não tá comendo direito, filho?”

            “Sim, mãe.”

            “Tá passando frio então?”

            “Não, mãe.”

            “Aqui, você precisa ligar pra sua avó. Ela falou que faz anos que não fala com você.”

            “Tá bom, mãe.”

            “E a faculdade? Tá fazendo as provas? Tem estudado? Não vai me dizer que continua saindo com a Vanessinha, aquela metida.”

            “Mãe.”

            “Sua irmã falou que agora quer fazer medicina. Tá lá trancada no quarto há dias.”

            “Mãe.”

            “Lembra da Paula, filha da Solange? Então, ela e o namorado brigaram. Tá solteira agora. Bem que você podia namorar com ela, né.”

            “Mãe.”

            “Não tem bebido e dirigido não, né, filho? Ai, morro de medo só de pensar numa tragédia. O Marcos ainda bebe daquele jeito? Esses seus amigos, viu! Ainda penso que você deveria morar sozinho. República não dá certo.”

            “Ah, mãe.”

            “Tá usando camisinha, filho? Não deixa faltar gasolina no carro não, né? Sua carteira de motorista não está pra vencer?”

            “Mãe...”

            “Ah, tenho uma novidade pra você. Quando chegar aqui vai ver, é uma surpresa. Falando nisso, quando você vem pra casa? Ou não vem nunca mais?”

            “Vou esse feriado.”

            “Uhhhuuuuu. Quer que a mamãe faça o que pra você comer?”

            “Não precisa fazer nada não, mãe, pode descansar.”

            “Não gosta mais da comida de sua mãe?”

            “Não é isso, é que...”

            “Vou fazer lasanha e maionese, sei que você adora.”

            “Vai ser aniversário do Jiló no sábado, então combinamos de fazer um churrasquinho aí em casa.”

            “Vai fazer um churrasquinho aqui em casa? Não vai ficar com sua mãe, só com os seus amigos? Te carreguei na barriga por nove meses e é isso que recebo em troca? Que ingratidão, meu filho!”

            “Mãe.”

            “Tudo bem, pode fazer seu churrasquinho com seus amigos, vou alugar uns filmes. Depois pode deixar que eu lavo a louça.”

            “Ah, mãe, relaxa.”

            “Relaxar? Tudo bem, até sábado então.”

            “Tchau, mãe.”

            “Um beijo, meu filho. Mamãe te ama muito, tá morrendo de saudades.”

            “Eu também.”

            “Vou ligar pra Solange.”

            Tu, tu, tu...

 

Parte II

 

            “Oi filho, que bom que ligou.”

            “Tá tudo bem aí, pai?”

            “Tudo na mais santa paz, e por aí?”

            “Tudo tranquilo também. Vou pra casa esse feriado.”

            “Que notícia boa, filhão. Bora fazer um churrasquinho?”

            “Demorô, já vou avisar a galera. É aniversário do Jiló.”

            “Ah, moleque! Combinado. Até sexta então, meu filho.”

            “Tchau, pai.”

            “Tchau, fihão.”

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor