FACTOTUM - O Barbeiro da Vila - Causo 8 - O Mala - por Mário de Méroe

FACTOTUM - O Barbeiro da Vila - Causo 8 - O Mala - por Mário de Méroe

FACTOTUM – O Barbeiro da Vila[1]

Coletânea de “causos” comentados no salão de um singular barbeiro, em minha Vila

.

Nota: Recomenda-se a leitura da Introdução, publicada no site do autor: www.mariodemeroe.org para inteirar-se do contexto dos “causos”.

 

Causo 8

 

O Mala

 

O nosso barbeiro da Vila transformou-se em celebridade, após a visita da jornalista Shirley Cavalcante para conhecê-lo. Foi alvo de elogiosos comentários na comunidade, tendo recebido inúmeros cumprimentos. Mas o trabalho continua! Assim, ainda saboreando a fama adquirida, recebeu festivamente um cliente tradicional, professor de Direito Civil na PUC e funcionário público aposentado do Tribunal de Justiça, que contou o seguinte “causo”:

“Há alguns anos, eu era diretor do cartório de uma Vara, no Fórum Central, lugar de muitas tradições e respeito, frequentado por famosos advogados, e por estagiários de Direito, que cumpriam essa exigência profissional em seus escritórios. Todos com postura digna, formalmente vestidos, e faziam de sua boa apresentação pessoal uma espécie de sacerdócio.

Entre eles, havia uma figura curiosa: um jovem estagiário chamado Marcos, muito simpático, tímido, que usava óculos e falava pouco. Mas o que mais chamava a atenção de todos os funcionários, era a frequência incomum com que ele examinava os autos dos processos de seu escritório. Todos os dias e várias vezes ao dia, o estagiário pedia processos para examinar, quase sempre os mesmos. A seguir, escolhia um lugar sossegado, no balcão, e debruçava-se longamente sobre os autos, tomando algumas anotações.

Os servidores da Justiça sempre o tratavam com respeito, embora, entre jovens, sempre houvesse alguma informalidade. Os funcionários se referiam a ele como “o mala”, em sua ausência. Mas às vezes se descuidavam e mencionavam “lá vem o mala”, quando ele se aproximava da porta do cartório.

O estagiário fingia não ouvir, mas notava-se uma certa tristeza em seus olhos quando isso ocorria. Entretanto, nunca reclamou nem demonstrou qualquer aborrecimento. Muitas vezes, ao aproximar-se de algum funcionário, já seu conhecido pelas inúmeras vezes que comparecia, ele dizia, com sorriso irônico:

─ Alegrem-se; chegou o mala!

Mas um dia as coisas correram diferentes....

O “mala”, elegantemente trajado, circunspecto e exibindo uma imensa dignidade, aproximou-se do balcão e pediu a todos um momento de atenção, pois tinha algo importante a dizer.

─ Comunico aos ilustres senhores que tive a honra de ser aprovado no último exame da OAB, e agora sou, oficialmente, um advogado, “indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei”, conforme artigo 133 da Constituição Federal. Ele declamou o texto constitucional destacando com a voz a alta posição que, merecidamente, conquistara.

─ Assim sendo, doravante, exijo um tratamento condigno com minha posição, afirmou, muito sério.

Os funcionários entreolharam-se, um tanto preocupados. Será que ele guardara mágoa pela troça que recebera? Mas era, afinal, uma forma de tratamento carinhoso, mas..., e hesitavam, pensando qual atitude adotar, até que o chefe tomou a iniciativa e perguntou:

─ Pois não, doutor. Parabéns pela aprovação nos exames da OAB. É digno de nosso maior respeito e admiração. Agora, para dirimir qualquer dúvida, poderia nos dizer como gostaria de ser chamado?

Ele permaneceu alguns momentos sério, com a testa franzida, como se meditasse sobre uma difícil decisão. Finalmente, para alívio geral, abriu um largo sorriso, e respondeu:

─ Bem, podem me chamar de Doutor Mala!

O jovem advogado foi efusivamente cumprimentado por todos os funcionários do cartório, apertos de mão, tapinhas nas costas, etc. A alegria de todos que acompanharam essa parte da carreira do ex-estagiário era sincera. Mas, diante do susto, prudentemente, passaram a cumprimentá-lo ou referir-se a ele como “o Doutor Marcos”.

 



[1] Coletânea de “causos” humorísticos, em elaboração.

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor