Incompletude - por Mauricio Duarte

Incompletude - por Mauricio Duarte

Incompletude

 

A incompletude como característica de desordem psíquica e/ou espiritual esteve presente em todas as épocas da humanidade.  Mas o sentimento de que falta algo em nossas vidas é muito comum no século XXI.  Talvez comum demais.  Atinge pessoas de todas as esferas sociais, faixas etárias e formações.

O ego como gestor de nossos corpos, almas e, mais preci-samente, de nossas próprias existências, tem papel pre-ponderante nisso. Nunca um pseudo-individualismo esteve tão em alta como na contemporaneidade.  Eu sou individualista e acredito que não há democracia e nem mesmo cidadania sem esse composto básico dos direitos humanos.  Mas o que se vê hoje em dia é a face mais cruel e violenta da satisfação de desejos pueris, infantis e superficiais para aplacar a angústia existencial, talvez, que se teve notícia em todos os tempos.

Podemos fazer uso de terapias alternativas, homeopáticas, alopáticas, hipnóticas e florais em sistemas de ressignificação, reprogramação, regressão, reelaboração e relaxamento, tantas quantas existirem, sem sucesso, se não estivermos centrados em nosso Eu Superior.  O Eu Superior não é o ego que nos leva de um lado para outro ao seu bel-prazer com a única intenção de se tornar mais forte e poderoso nas nossas vidas, dando em troca mais e mais caraminholas na mente.  O Eu Superior também não é a personalidade, essa máscara que utilizamos para a “boa convivência” em sociedade.

A incompletude e a impermanência são, a um só tempo, manipuladoras e destruidoras do nosso cotidiano na medida em que não as compreendemos.  O Eu Superior, o Eu Verdadeiro ou Atman nos mostra que tais fenômenos são naturais e fazem parte do caráter do Universo onde tudo se cria e recria ao mesmo tempo e todo o tempo.

O homem que sofre, na atualidade, sofre tanto, que se apega até mesmo a esse sofrimento.  “Pelo menos tenho isso de meu: o sofrimento.” Esse pensamento pode não ser elaborado nem racionalizado na mente mas é inconscientemente cultuado por muitas pessoas.

O certo é que a consciência plena só chega para quem desenvolve sua espiritualidade de forma sadia, o que não é pouco, diga-se de passagem.  Fascinado com as imensas possibilidades da tecnologia e com as facilidades que ela proporciona, o homem esquece que olhar para dentro é a sua única saída como ser humano que anseia alcançar a felicidade real.

Quando abdicamos dos desejos – materiais ou espirituais – estamos dando um grande passo para a realização pessoal verdadeira que pode trazer harmonia em nossa vida se assim permitirmos.  Paz e luz.

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor