Incomunicabilidade - por Mauricio Duarte

Incomunicabilidade - por Mauricio Duarte

Incomunicabilidade

 

Segundo o dicionário, incomunicabilidade é a qualidade ou o estado do que é ou está incomunicável.  Mas, hoje em dia, é muito mais do que isso. Temos TVs, rádios, celulares, computadores, redes de internet, temos tudo isso, mas não nos entendemos, não nos compreendemos.  Essa incapacidade de se comunicar é tão grande que existem os filmes franceses da incomunicabilidade, cuja temática aborda, em grande parte, essa questão.

Numa conversa, menos de 50% da comunicação se dá por palavras.  Isso significa que linguagem corporal, pausas, silêncios, troca de olhares, apertos de mão e abraços correspondem à maior parcela do que o outro apreende daquela nossa tentativa de passar uma mensagem.  Por que é assim?  Porque cada pessoa, segundo São Tomás, é uma substância individual e por esta razão, incomunicável.  Este conceito não nega comunicações intelectivas, volitivas e afetivas, não se referindo às comunicações afetivas, verbais e espirituais, mas sim, à comunicação ontológica.  Ninguém pode privar-se do ato de ser; o ato de ser é incomunicável.  Cada ser humano é único e irrepetível. A alma é incorruptível e portanto imortal.  Isso é bem verdade e expressa o grande amor de Deus para conosco.

A incomunicabilidade dos nossos tempos, no entanto, configura-se como uma grande separação de cada um para com todos.  Uma pseudo-individualidade que torna cada  pessoa um universo fechado e enredado pelas teias do capital, moldando-nos como consumidores de produtos e serviços, não mais do que isso.

Enquanto cidadãos temos direitos e deveres.  Mas nossos direitos só são respeitados e efetivados quando interessa ao sistema que assim sejam.  Porém, ao contrário, todos os nossos deveres são amplamente cobrados e estabelecidos como norma pelo status quo.  E porque as utopias todas fracassaram, não há mais movimentos populares legitimados por uma maioria que possam solicitar, protestar e/ou reinvidicar melhorias nas condições de vida.

A incomunicabilidade vai além, nos tornando “homo virtualis”, verdadeiros portadores de universos virtuais que nos identificam, nos rotulam e nos classificam em todas as instâncias e níveis. Isso pode até soar como paranoia ou teoria da conspiração, mas relembre os casos de Assange e Snowden e verá que nosso mundo capitalista não respeita os próprios ideais de liberdade, igualdade e fraternidade que finge defender.

A própria palavra incomunicável mudou de sentido na informalidade.  Ser ou estar incomunicável, atualmente, significa estar sem telefone, internet e todos os outros gagedts e aparelhos eletro-eletrônicos e digitais.  E não estar impossibilitado de dialogar com alguém ao vivo e a cores.

Não preconizo, de forma nenhuma, uma volta aos tempos pré-digitais ou o que quer que seja nesse sentido não.  Busco sim, uma reflexão sobre o valor do indivíduo e sua autonomia frente ao mar de incomunicabilidade que a contemporaneidade nos trouxe.  Paz e luz.

Mauricio Duarte

 

Referências eletrônicas:

https://gilvas.wordpress.com/2011/05/23/a-incomunicabilidade/

http://www.institutosapientia.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=1149:valor-irredutivel-da-pessoa-humana-2&catid=31:artigos-filosoficos&Itemid=111

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor