Janelas - por Ione Kadlec

Janelas - por Ione Kadlec

JANELAS

 

Janelas:  casa minha, minhas casas, casas belas.

Madeiras gastas

Entre frestas vários sóis

No chão,  formas amarelas.

Dura pouco. Chega à noite.

Os sóis, moleques inquietos,  noites adentro, se escondem

Ocultos, veem as luas.

Luas! Várias nas vagas ruas

Noivas em noite de núpcias

Enfeitadas

Estrelas assanhadas resplandecem

Pisca Pisca: crianças vagalumes

Vagando sem lume

Debocha a escuridão.

Rajada de vento  mudando sóis, luas.

Mudam-se os tempos, Camões?

Fez-se noite nas casas da minha gente.

Paredes; madeiras soltas, aberturas e vãos.

Fecham-se janelas. Que escândalo!

Nesses dias não há “sóis”

Apenas escuridão.

Andarilhos, eu, criança sem ilusão

Sem rumo, sem prumo, sem orientação da lua

A procura de sóis.

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor