Juízo Final - por Silva Neto

Juízo Final - por Silva Neto

Juízo Final

 

Falar de Mãe é tão doce que sempre represamos em amor incondicional. Por isso, apresento um texto poético de Benedito Godoy Paiva, grande poeta espírita, que me faz lembrar cenas de amor de mãe em visitas aos filhos encarcerados.

www.silvanetoesilva.com.br

 

Juízo Final  Benedito Godoy Paiva – Por Silva Neto

 

Sentado o Padre eterno em trono refulgente,
olhar severo envia a toda àquela gente!

Enquanto uns anjos cantam, outros vão levando
ante a figura austera desse Venerando
as almas que da tumba emigram assustadas,
vendo o tribunal solene, majestoso,
em que vão ser julgadas.

Dois grupos são formados,
um de cada lado:
o da direita, Céu; o da esquerda, Averno;
e Satanás, ao canto, o chifre fumegante,
espera impaciente, impávido, arrogante,
a “turma” para o inferno.

Aconchegando o filho, a alma bem-amada,
e que na terra fora algo desassisada,
uma mulher se chega e a sua prece faz,
rogando ao Padre Eterno, poupe do Inferno o pobre do rapaz!

Cofia o  Padre Eterno a longa barba branca
e o óculo ajustando à ponta do nariz,
o olhar dirige então à pobre desgraçada
e compassado diz:

os anjos vão levar-te agora ao Paraíso
e dar-te a recompensa, o teu descansa eterno.
Ali desfrutarás felicidades mil,
porém teu filho mal irá para o inferno.

Um anjo toma o moço e o leva a Satanás;
porém a pobre mãe ao ver partir o filho,
aflita, corre atrás!

E ao incorporar-se ela ás hostes infernais,
eis grita o Padre Eterno em tom assustador.
Mulher para onde vais?!!!

E o que se passou, então,
ninguém esquece mais:

Eu vou para o inferno, ao lado do meu filho,
a repartir comigo a sua desventura!
As lágrimas de mãe, as gotas do meu pranto
acalmarão no Averno a sua queimadura!

Eu deixo para ti esse teu Paraíso,
essa mansão celeste onde o amor é surdo!
Onde se goza a vida a contemplar tormento,
onde a palavra amor represa um absurdo!

Entregar esse teu Céu às mães malvadas, vis,
que os filhos já mataram para os não criar,
pois só essas megeras poderão, no Céu,
ouvir gritar seus filhos sem consternar!

Desprezo esse teu Céu! O meu amor é grande!
Imenso!Assaz sublime! E posso te afirmar
que se o não te comove o pranto lá do inferno,
e os que no Averno são todos filhos teus,
o meu amor excede o próprio amor de Deus!

E ante o estupefato olhar do Padre Eterno,
a Mãe beijou o filho... e foi para o inferno...

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor