Laplace Cavalcanti - Entrevistado

Laplace Cavalcanti - Entrevistado

por Shirley M. Cavalcante (SMC)

 

Nascido em 1989 em João Pessoa - PB, Laplace Cavalcanti escreveu sua primeira história aos 8 anos, não tendo parado desde então. Aos 13 anos foi um dos agraciados pelo Prêmio Jovens Autores do Pio XI Bessa, colégio onde estudava. É o autor dos livros A PÁGINA CERTA e PASSOS DE UM UNIVERSITÁRIO, do conto MESTRE DE MARIONETES, e contista nas antologias AMORES IMPOSSÍVEIS e SEGREDOS DE FAMÍLIA do Ases da Literatura.

 

“A Bienal de SP foi um grande amadurecimento. Acredito que não importa o quanto você já fez como escritor, nada se compara a uma Bienal. Nela temos uma noção do quão vasto é esse universo literário. Mais do que venda de livros, a Bienal é um local para fazer contatos.”

 

Boa Leitura!

 

SMC - Escritor Laplace Cavalcanti, é um prazer contarmos com a sua participação no projeto Divulga Escritor, você começou a escrever aos 8 anos, conte-nos o que o motivou a ter gosto pela escrita?

Laplace - O que me motivou foram os inúmeros universos que eu poderia criar. Eu gostava de criar histórias, até quando brincava eu ocupava toda a sala ou mesa de jantar preparando todo o cenário para me divertir com meus brinquedos. E eu gostava de desenhar, apesar de ser péssimo nisso. Inicialmente eu criava histórias como se fosse uma revista em quadrinhos, até que me dei conta que eu não sabia desenhar e passei apenas a escrever. E fui evoluindo de algo que pareciam os resumos de novelas que vemos nos jornais para os livros de fato.

 

SMC - Em que momento pensou em escrever o seu livro “Passos de um Universitário – Construindo uma Carreira Universitária de Sucesso”?

Laplace - Quando eu ainda estava na faculdade, por volta do 5º ao 7º período (algo entre 2010 e 2011). Mas foi só em 2012, quando estava para acabar o curso, que realmente passei a me dedicar para torná-lo real.

 

SMC - Que temas você aborda nesta obra literária?

Laplace - Eu falo de tudo um pouco sobre a experiência de um universitário. Meu objetivo é, principalmente, orientar as pessoas que ingressam na faculdade vindas direto do colégio, como foi o meu caso. Quem já tem bagagem também pode ler o livro, mas o meu foco é ajudar quem não tem nenhum contato com o mundo. O universo universitário pode ser assustador para quem não vivenciou o mercado de trabalho, e desde o primeiro dia você é bombardeado com tanta informação sobre essa nova etapa da vida, que eu não me surpreenderia se alguém saísse correndo. Então eu procurei orientar esse pessoal, ajudá-los a se adaptar a esse novo mundo, a criarem um horário de estudo, crescerem dentro da faculdade, formarem uma rede de contatos, desenvolverem novas habilidades, ajudarem outros colegas, entre outras coisas.

 

SMC - Como foi a construção do enredo e personagens do seu livro, que foi sucesso na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, “A Página Certa”?

Laplace - Nós sempre vemos romances onde um casal se apaixona perdidamente e se tornam o ar que o outro respira. Eu não queria isso. Procurei fazer algo que, ao meu ver, fosse mais real, porque o amor nem sempre explode a primeira vista. Busquei fazer o mesmo com os personagens, não há ninguém perfeito em A Página Certa. Todos possuem defeitos e manias como nós. Cláudia, a protagonista, é o reflexo dos novos escritores que lutam para conquistarem seu lugar no mercado, e nos mostra como nós não devemos fazer para crescer nesse meio. Já o Renato eu construí reunindo o máximo dos meus defeitos e de outras pessoas e multiplicando-os por 100. Desde o começo eu sabia onde queria chegar com esses personagens e fui construindo a trama buscando atingir esse objetivo e fazendo ajustes que fossem necessários no caminho.

 

SMC - Como foi a escolha do Titulo?

Laplace - Eu não queria um desses títulos românticos de histórias dos casais perfeitos. Até porque A Página Certa não é um desses livros profundamente românticos, ele é um chick-lit, então acho que não combinaria. Não lembro ao certo em que momento criei o título, se foi antes ou durante a escrita da obra. Só lembro que para mim casou bem. Ele liga a profissão da protagonista, que é escritora, ao objetivo da trama. Como eu disse, a obra não se trata de um livro profundamente romântico, mas ainda assim, fala sobre a missão de Cláudia em ajudar o Renato a encontrar uma mulher para casar. O título é uma metáfora sobre a página certa para um escritor começar um livro, que seria a mesma de você encontrar a pessoa certa para começar a construir a sua história.

 

SMC - Que experiência você traz ao participar da maior feira literária que temos no Brasil, a Bienal Internacional do livro de São Paulo?

Laplace - A Bienal de SP foi um grande amadurecimento. Acredito que não importa o quanto você já fez como escritor, nada se compara a uma Bienal. Nela temos uma noção do quão vasto é esse universo literário. Mais do que venda de livros, a Bienal é um local para fazer contatos. É onde melhor você mostra ao mundo que também existe. Reencontrei amigos lá e conheci vários autores nacionais que me deram valiosas dicas, assim como o autor norte-americano Hugh Howey, que também me ajudou. Conheci também funcionários de algumas editoras e blogueiros como Leonardo Amarante, Carolina Durães, Mirelle Candeloro e Dany Horta (essas duas últimas me ajudaram bastante por lá). Foi minha primeira Bienal na vida e a experiência é adoravelmente louca.

 

SMC - Onde podemos comprar os seus livros?

Laplace - Meus livros podem ser adquiridos no meu site: www.laplacecavalcanti.com

Ou no site do Ases da Literatura: www.asesdaliteratura.com

O meu livro dos universitários pode ser adquirido direto no site da Amazon também. E eu tenho um conto gratuito no site Widbook chamado Mestre de Marionetes.

 

SMC - Pensas em publicar novos livros?

Laplace - Com certeza! Agora que comecei não pretendo parar (risos). Em 2014 não publicarei mais nada, mas para 2015 pretendo publicar o primeiro volume de uma trilogia distópica que estou escrevendo ansiosamente, e da qual tudo que posso adiantar agora é que também se passará na minha cidade.

 

SMC - Como você se vê no mercado literário Nacional?

Laplace - Ainda como um iniciante. Sempre quando converso com escritores que farão sua primeira publicação e me procuram ansiosos querendo saber sobre qual é a sensação e o que vem depois, eu respondo: antes de publicar um livro ou um conto você é um total desconhecido no meio literário. Após sua primeira publicação você se torna a penúltima pessoa antes de um total desconhecido no meio literário (risos). Essa é uma jornada passo a passo. Alguns estouram em sua primeira publicação, é verdade, mas independente disso, todos temos que nos empenhar diariamente para crescermos e vamos conquistando nosso lugar com esforço e tempo.

 

SMC - Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista, agradecemos sua participação no projeto Divulga Escritor, muito bom conhecer melhor o Escritor Laplace Cavalcanti, que mensagem você deixa para nossos leitores?

Laplace - Antes de tudo gostaria de agradecer a oportunidade de estar aqui e parabenizar a equipe do Divulga Escritor por esse projeto maravilhoso. E para os leitores deixarei uma frase que coloquei no meu livro A Página Certa: Dizem-nos para desistirmos de nossos sonhos, pois são poucos os que os alcançam, mas não nos dizem que os que conseguiram foram aqueles que nunca pararam de lutar por isso.

 

 

Participe do projeto Divulga Escritor

https://www.facebook.com/DivulgaEscritor

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor