Maria Fernanda Comenda - Entrevistada

Maria Fernanda Comenda - Entrevistada

Por João Paulo Bernardino – Escritor

 

Sou uma mulher que sei o que quero, tive e tenho sempre projetos na minha vida. Não desanimo com facilidade e se desanimar , reflito e consigo seguir em frente. Considero-me uma pessoa como tantas outras que lutam com trabalho e persistência pelo seu presente e futuro. Gosto de sonhar, viajar e escrever. A escrita é um meio de deixar o meu mundo interior saltar cá para fora, é, por outro lado, uma forma de criar realidades, mundos, de ressuscitar pessoas (personagens) de eternizar as suas vivências e pensamentos.

 

“Escrever não é um acto estático, é dinâmico, todo o nosso ser se concentra, ao escrevermos estamos a vivenciar a história: os acontecimentos, as emoções, encarnamos as personagens. Posso, portanto, dizer-lhe que nunca me sentirei realizada como escritora, faltar-me-á sempre algo.”

 

Boa Leitura! 

 

JPB – Gostaria por lhe agradecer a amabilidade em aceitar o convite da DIVULGA ESCRITOR para que possamos conhecer um pouco mais quem é a Maria Fernanda Comenda. O escritor Carlos Drummond de Andrade afirmou um dia de que “perder tempo em aprender coisas que não interessam, priva-nos de descobrir coisas interessantes”. Sendo a Maria Fernanda uma mulher determinada e persistente na vida, o que considera que ainda lhe falta descobrir no mundo da literatura para se sentir verdadeiramente realizada enquanto escritora?

Maria Fernanda – Muito obrigada pela vossa amabilidade em entrevistar-me. Em relação ao mundo e à literatura estou sempre a aprender e a evoluir a cada instante. Como nos diz o filósofo grego Sócrates “Só sei que nada sei.” A cada momento estou a formar-me como pessoa e escritora. A escrita vai-se desenvolvendo consoante a vida se vai desenrolando. Quanto mais leio melhor escrevo, quanto mais escrevo melhor fluem as ideias e mais a escrita se vai aperfeiçoando. Hoje já não sou exatamente a pessoa nem a escritora de ontem…hoje há mais experiência, mais conhecimento e segurança. No entanto, há sempre algo a aperfeiçoar, a descobrir. Com o tempo, a escrita vai amadurecendo, modificando-se, tornando-se mais complexa ou mais simples, conforme o que se descreve, o que se narra, por vezes até mais “sensual”. Escrever não é um acto estático, é dinâmico, todo o nosso ser se concentra, ao escrevermos estamos a vivenciar a história: os acontecimentos, as emoções, encarnamos as personagens. Posso, portanto, dizer-lhe que nunca me sentirei realizada como escritora, faltar-me-á sempre algo. 

 

JPB - Quando o escritor Oscar Wilde comentou que “A maioria das pessoas é outra pessoa. Seus pensamentos são as opiniões de outra pessoa, suas vidas uma mímica, suas paixões uma citação”, pensa que estaria a referir-se a escritores como a Maria Fernanda que, ao escreverem as suas personagens e os seus enredos, se transformam num outro “eu”?

Maria Fernanda - Penso que Oscar Wilde estava a referir-se às pessoas em geral que castram os seus próprios pensamentos, que se movimentam na vida como a sociedade exige, que não demonstram amar quem realmente amam, ou seja, que vivem a vida que os outros querem e não os seus próprios desejos e sonhos. Vivem uma vida de mentira. É claro que também poderá abranger os escritores como eu que criam personagens como se fossem os seus vários “eus”, no entanto, a ficção neste caso está presente, faz parte do imaginário e não da realidade. O escritor cria através da sua escrita situações, personagens, deixa transparecer sentimentos, emoções, palavras, olhares que no mundo em que estão inseridos são verdadeiros, reais. O escritor sente-os porque ele é como um deus que cria o seu próprio universo, que maneja as suas marionetas, criando-lhes o seu próprio destino. No entanto, na maioria das obras não são os verdadeiros sentimentos do escritor, esses pertencem ao escritor e não às suas personagens.

 

JPB – “O oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença” (frase do escritor Érico Veríssimo). Acha que as editoras em Portugal são hoje indiferentes para com os escritores que, tal como a Maria Fernanda, se quiserem ver as suas obras publicadas terão de pagar antecipadamente para que, dessa forma, não venham a ter riscos com a edição?

Maria Fernanda - As editoras em Portugal são, naturalmente, o que podem ser, tendo em conta a conjetura em que todos nós estamos inseridos.

 

JPB - Sendo a Maria Fernanda uma mulher emotiva, em que cada texto seu demonstra fielmente o espelho dos seus sentimentos, nota-se que cada dia que passa entende que na vida não existe sorte e nem destino, mas sim determinação e fé. De que forma isso a ajuda na sua escrita e na sua vida?

Maria Fernanda - Eu acredito em Deus/Universo portanto acredito que se tivermos Fé e confiarmos na sua ajuda e em nós próprios, conseguimos atingir os nossos objetivos. Claro que, muitas vezes, temos de trabalhar muito e esperar bastante tempo pelo que desejamos, outras não conseguimos, no entanto, nunca devemos baixar os braços. O trabalho, a persistência e o acreditar ajudam-nos a viver e a ser. Acredito no livre arbítrio. Acredito que existem vários caminhos. Nós estamos numa encruzilhada e somos livres de escolher e seguir pelo caminho que nos parece mais plausível. Este pensamento e portanto esta fé dá-me força e coragem para ir em frente em todas as situações da minha vida e superar todos os obstáculos com que me deparo. Sinto-me protegida porque sei que não estou só, tenho Deus/Universo a acompanhar-me e a apoiar-me.

 

JPB - Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É por isso que gosta de escrever para saltar cá para fora os seus sonhos, de criar novas realidades que captem a atenção dos seus leitores?

Maria Fernanda - Eu gosto de escrever porque me faz sentir bem, porque faz parte da minha maneira de ser, de viver. Escrever não é “abandonar roupas usadas que têm a forma do nosso corpo nem esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares”, escrever é abrir novos caminhos que nos levam a lugares novos, é confecionar novas roupas que nos assentem bem, a partir das existentes, é muitas vezes reciclar o que já existia. O “velho” dá-me a experiência e abre-me novos horizontes, criando novas obras. Escrevo para os meus leitores, a fim de os levar em “viagens”, de os envolver nos acontecimentos, de sentirem as personagens, de chorarem e rirem com elas. Por outro lado, escrevo também para mim, porque escrever, criar novas realidades, é uma necessidade como respirar, beber, comer, andar e dormir. Preciso da escrita para me sentir totalmente viva. A escrita é também um acto de amor que dou a mim própria e aos outros. 

 

JPB - Os momentos bons da vida nunca se apagam. Eles ficam apenas guardados num lugar a que vulgarmente chamamos de memória. É por isso que a Maria Fernanda tenta também preservar as suas vivências e os pensamentos mais emblemáticos da sua vida escrevendo em antologias/colectâneas para que, assim, fiquem eternizados?

Maria Fernanda - Toda a obra de um escritor é, segundo a minha opinião, para ser lida e eternizada, caso contrário é uma obra morta, por isso, tenho publicado os meus textos de prosa em coletâneas/antologias por estas aparecerem no meu caminho como um meio de dar a conhecer o meu trabalho. São oportunidades que me vão surgindo e empurrando para o mundo literário. Estas coletâneas/antologias são compilações de textos selecionados de vários autores, cujos textos são subordinados a temas específicos, o que nos leva, a nós escritores, a desenvolvermos a nossa escrita, imaginação e portanto a revelar o nosso talento e capacidade, eternizando os nossos contos, ou pelo menos dando-os a conhecer ao leitor actual. As antologias de poesia já são diferentes, pois não restringe o tema. Os nossos poemas revelam, no meu caso, a minha essência, a mais genuína e pura.

 

JPB - Na sua prosa gosta de retratar convenientemente assuntos da vida quotidiana, do sofrimento, da felicidade e do amor. Dizem que as mais lindas frases de amor são ditas no silêncio de um olhar. O que representa para si o amor e de que forma o descreve nos seus livros para que os seus leitores o entendam verdadeiramente?

Maria Fernanda - O amor é um dos sentimentos mais fortes, e para mim, o mais valioso e o mais rico, por isso nos meus textos ele está presente como a força, a energia que faz o mundo girar positivamente em oposição ao ódio que faz o mundo avançar para a desgraça. Na minha obra as várias espécies de amor: romântico, social e humano estão presentes, sendo eles as armas das minhas personagens para transformarem o mundo e a sua própria vida. O amor, na minha prosa, é real, verdadeiro, ele é descrito ao pormenor, materializado através dos gestos, do olhar, das palavras. O leitor pode senti-lo arrebatador, intenso, de uma forma crescente ou decrescente, consoante a situação, consoante as palavras saírem da boca das personagens, consoante os beijos, o brilho do olhar e a linguagem corporal desfilarem na leitura, perante os olhos do leitor que, na minha opinião, tornar-se-á espetador. Nos poemas, apenas o amor ou o amor em oposição ao ódio, ou a beleza de uma paisagem fazem-se sentir através de imagens levando o leitor ao sentir e contemplar transmitido.

 

JPB – Li um dia uma frase no seu mural de Facebook de que “Os medíocres é que singram por todo o lado!”. Replicando-a para a área da literatura e essencialmente dos livros, considera que em Portugal só publica quem tem dinheiro (e aí os medíocres têm tendência a singrar mais, me desculpem a observação) ou, na verdade, a nossa literatura está bem entregue e é apenas uma observação despropositada?

Maria Fernanda - Na verdade apenas comentei uma frase de um filósofo num post que partilhei no Facebook. Sou adepta da frase “O bem e o amor devem singrar por todo o lado!”. Não me cabe a mim, nesta entrevista falar da literatura em geral. No entanto, posso dizer-lhe que toda a escrita só será verdadeiramente literatura (literatura viva) se perpetuar no tempo, caso contrário morrerá.

 

JPB - Há bem pouco tempo escreveu que “O que me apetecia era saltar de um mundo para outro, era sobrevoar os países em guerra e acalmá-los e dizer-lhes que Deus não está decerto feliz…e que nenhum ser humano merece o que se está a passar… Apetecia-me agarrar em todas as crianças que estão a morrer de fome, sede e miséria e levá-las para um futuro risonho”. Acha que esse mundo de que fala apenas poderá existir na cabeça dos escritores/poetas ou tem esperança de que, quem sabe se com as mensagens dos seus livros, possa haver esperança nesta vida e neste nosso mundo?

Maria Fernanda - Gostaria que fosse verdade, que as mensagens dos meus livros ajudassem a humanidade, o mundo, mas sei que os meus pensamentos, os meus desejos são simples e pequenas gotas na imensidão de um oceano. Quiçá, se as minhas pequenas gotas com as gotas de outros autores farão a diferença? Só o tempo o dirá!...

No entanto, não vou desmoralizar e as mensagens de amor continuarei a escrever, porque mesmo que não transforme o mundo na totalidade, poderei abrir caminho e largar sementes que a pouco e pouco poderão germinar e tornar o mundo um pouco melhor, nem que seja o de algumas pessoas.

 

JPB - A nossa entrevista chegou ao fim e agradeço-lhe profundamente a sua consideração. E deixei para o fim esta pergunta propositadamente. A 26.10.2014 vai ser lançado o seu 1º livro com o título “MATILDE LIBÂNIA DOROTEIA”, no Palácio do Sobralinho, local lindíssimo para o lançamento de qualquer livro. Com uma capa especialmente desenhada por uma amiga sua e com um Palácio lindo para a sua apresentação, só poderá ser um sucesso. Fale-nos um pouco da história deste romance e a que se deve esse título?

Maria Fernanda - Em primeiro lugar agradeço-lhe os seus votos de sucesso. Em segundo, tenho o prazer de lhe dizer que o meu livro é muito especial, não só porque é o meu primeiro romance mas também porque é uma forma de honrar a personagem que deu nome ao livro, uma mulher, mãe de família que vive uma vida de amor e sofrimento para criar os seus filhos e dedicar-se ao seu marido de corpo e alma. Matilde é a grande mulher por detrás de um grande homem. É um romance baseado na história verídica de uma família do século XIX que se movimenta no espaço real de uma aldeia, Aveiras de Cima, e na capital do nosso Portugal, Lisboa. Esta família deu muito de si à sociedade da época. É uma história repleta de sensações e emoção. Dedico este romance a todas as mulheres que abdicaram de si próprias para criarem uma família honesta e educada. A capa do livro é maravilhosa, uma pintura exclusiva da pintora Maria Augusta Loureiro (Margusta) e a editora Pastelaria livros.

 

Contato com o entrevistador João Paulo Bernardino (JPB)

https://www.facebook.com/pages/Jo%C3%A3o-Paulo-Bernardino-Escritor/714362628587284

 

Participe do projeto Divulga Escritor

https://www.facebook.com/DivulgaEscritor

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor