Não crônica, com pretensão de ser mensagem - por Mirian M. de Oliveira

Não crônica, com pretensão de ser mensagem - por Mirian M. de Oliveira

NÃO CRÔNICA, COM PRETENSÃO DE SER MENSAGEM

 
Duas frases apenas e a essência daquele momento se consubstanciou:
_ Está pesada? Quer ajuda?
(Não! Eu não poderia acreditar!)
Estamos tão acostumados a carregar, individualmente,¨malas interiores e exteriores”, que um ato de gentileza remete-nos a grandes reflexões. Acreditem... Como qualquer ser humano,  fui e sou vítima de julgamentos equivocados, mas acredito que isso deva ser normal, em um mundo em que as pessoas parecem buscar, constantemente, seus próprios parâmetros e pinçar os defeitos alheios. Qual será a medida certa? Haverá tal medida?
Não fosse o mundo povoado por notícias ruins, talvez o gesto não causasse surpresa, mas causou e me fez navegar num mar de deslumbramentos. Quatro palavras, recheadas de suavidade, sintetizaram poemas imensos. Quatro palavras, recheadas de doçura, fizeram-me mudar o rumo dos pensamentos.
O entardecer ocorre todos os dias e nos oferece espetáculos gratuitos; pessoas amam e plantam flores; poemas nascem, como estrelas no universo, mães amamentam seus filhos; seres humanos amam, sem nada esperar em troca e, mesmo assim, nossos olhos se voltam para as tragédias e para hipóteses negativas. Realizamos constantes julgamentos sobre as situações vividas e enxergamos como cegos que apalpam partes de um elefante (Conhecem este conto de tradição oral? Se houve interesse, vão para o Google!).  No conto, os personagens realizam leituras parciais e detalhadas do corpo do animal.
_ Muito obrigada, viu?!
(Eu não sabia o que dizer!)
Na verdade, gostaria de dizer, àquele rapaz, que sua gentileza era uma pequena amostra de que o mundo é bem melhor do que parece.
Oferecer-se para carregar a ¨mala”, naquele momento, era a eternidade contida em um minuto: talvez, um planeta explodindo...
Duas frases, proferidas em um átimo, interromperam um ciclo infindo de pensamentos.
O efêmero suplantou o que parecia eterno, eternizando outro pensamento mais atraente: ¨Viver é sugar a beleza de cada segundo, preparando os sentidos para o que há de essencial!¨
Tomada por essa aura tão envolvente, restou-me formular uma verdade (se é que isso é possível): ¨Se o sofrimento é inevitável, que seja para preparar nossos sentidos para a vida: a verdadeira.¨
Queira Deus que, um dia, cada um de nós seja capaz de filtrar julgamentos, olhando para o próximo, com olhos de amor “ágape”!
Nesse dia, manchetes de jornal estamparão:
¨João da Silva, coração de menino, essência de flor... plantou um jardim, repleto de amor”!
Seria uma boa manchete?
 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor