Natal de luzes - por Anchieta Antunes

Natal de luzes - por Anchieta Antunes

N A T A L    D E    L U Z E S

 

            O carneirinho felpudo e branco pastando no campo ao lado de seus iguais, balindo sons lânguidos e preguiçosos. Uma pastagem longa e plana, verde e acalentadora, nos faz refletir sobre o milagre da vida. Se pensarmos bem, não passamos de transeuntes de uma vila em ebulição, de uma estrada que não leva a nada que não seja de nossos interesses e encantamentos. Vivemos a ilusão de um coração pulsante, de sangue nas veias nos alimentando, do outrora e de um futuro impertinente que acaba quando viramos a folha do livro dos contos de fadas.

            A época é de festividades, de alegrias, presentes entregues e recebidos, de felicidade e de muita luz nas árvores, nas casas, no calor dos lares entorpecidos pela chegada do menino Jesus.

            As donas de casas passam meses pensando nos preparativos da “CEIA DE NATAL”, com perus e chesters, com arroz temperado, saladas de verduras, farofas com passa de uva, com batatinha banhada em maionese, com amêndoas e castanhas de todos os tipos e formatos. Bolos e pudins, doces e caramelos, sorvetes e emolientes açucarados para cobrir iguarias desconhecidas da maioria dos convidados, as chamadas “surpresas natalinas”.

            Para os humanos uma expectativa que deixa água na boca, a época de tirar a barriga da miséria; para os perus e francos agigantados um futuro negro, com o brilho de facas luzentes, de azeites pipocando borbulhas de calores e fumegantes panelas besuntadas de gorduras transgênicas. Para os pobres galináceos as festas de Natal são um terror esperado e não desejado durante todo o ano em que estão engordando, sevados como porcos preparados para o abate. Um horror!!! Mas, fazer o que? Tudo em nome do capitalismo; as empresas precisam engordar seus balancetes para regar o sucesso.

            Aqueles carneiros balindo no campo verde continuam pastando e engordando para outro tipo de abate, para outras festas com direito a churrascadas e cervejadas. Cada animal com sua festa própria, programada e organizada de acordo com as necessidades humanas do momento para degustação e saturação alimentícia. Não devemos misturar frangos e perus, com carneiros e porcos, sob pena de uma miscigenação grotesca, e quem sabe numa mistura de unicórnio com medusa desastrada. Você pode correr o risco de uma petrificação indesejada, perigosa e infernal, ou uma tremenda dor de barriga, com correrias para o banheiro mais próximo.

            Por que não podemos comer o frango normal, criado no quintal de casa, à base de milho e sobras do almoço? Aquela galinha que cacareja correndo atrás de seus pintinhos fujões, como toda criança, ou mesmo do frango metido a galo, com seu canto destoado, fugindo das bicadas do chefe do terreiro galináceo?  O tempero tem gosto de Tia Maria, aquela mulher que sabe fazer uma galinha de natal como ninguém.  Ah! Que maravilha! Como gostava da comida de Tia Maria, que sempre foi um monumento à culinária da granja do primo rico, onde passávamos fins de semana e a grande Ceia de Natal. A pirralhada toda ganhava presentes do velho de barba branca, o Papai Noel.

            O chester com complexo de peru natalino continua frango, ainda que grande e gordo, pois que o seu nome importado da Escócia, não modifica sua fisiologia galinácea. Uma vez frango, sempre frango..

            Frango chester, uma via de mão única, uma mesma matéria mastigável, saborosa e com cheiro e sabor de “quero mais”. A alegria dos comensais natalinos; dos convidados, dos parentes que há muito não víamos, dos vizinhos solitários e solteiros por opção ou por ingerência divina. Alegria e muitos apertos de mãos, abraços e beijinhos nas faces coradas de emoção noturna antes da degustação de tantas iguarias, aquelas que estamos vendo sobre a mesa decorada com a toalha cheia de motivos de natal, com árvore enfeitada com bolinhas que imitam cristais de neve, com frases alusivas à data festiva, com papais noéis risonhos e festivos, distribuindo presentes para a garotada em alvoroço, alegre e feliz; ele, o Papai Noel, e elas, as crianças.

            Natal, uma festa que acontece uma vez por ano, mas que é esperada durante 365 dias do ano em curso. No ano novo costumamos fazer um balanço daquele que está terminando, para descobrirmos onde acertamos, onde erramos, o que podemos melhorar; mas deixa pra lá, ainda falta uma semana para este desenlace matemático e corrosivo.

            Afinal de contas o Natal é uma festa de alegrias, de comilanças e empanturramentos indispensáveis para a efeméride. Pra que servem os remédios? Vamos brincar, nos divertir, comer até dizer “chega”, vamos rir de nós mesmos, vamos bagunçar aquele regime que tanto nos desgasta e nos faz sofrer à vista de uma mesa farta. Chega de contenção, vamos abrir as portas das comportas da vida sem regras, sem limites, sem gramática eclesiástica. Vamos ser cumplices de nossos segredos escondidos nos recônditos de nossos desejos insatisfeitos. Gente! A vida é só uma, não pare para pensar. O Natal foi feito para correr livre, como um cavalo selvagem nos campos da colina.

            Viva nós que podemos degustar um “chester” , um peru, um pernil ou mesmo a galinha do fundo do quintal de dona Mariinha. O mais importante é mastigar com voracidade com os louvores da degustação sem freios. Vamos comemorar o Natal, mais um Natal brandindo sinos nos nossos ouvidos.

 

Anchieta Antunes –

 Gravatá – 1º de dezembro de 2015.  

 

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor