O coletivo, as flores da praça e o destino - por Maria Dilmar

O coletivo, as flores da praça e o destino - por Maria Dilmar

   O coletivo, as flores da praça e o destino

 

  Aprendi que o destino é uma estrada única que vem para cada pessoa com o mapa de tudo que teremos e seremos.

  Aprendi também que nessa trajetória costumamos ziguezaguear, alterar a rota e criar labirintos. Dizem os sensitivos e estudiosos da alma, que trazemos dentro de nós, uma luz magica, que acende sempre que necessário quando quer nos alertar ou nos ajudar a decidir ou prevenir. Chama-se: intuição.

  Sei de muita gente que sequer lhe dá ouvidos! E muitos nem acreditam que funcione mesmo.

  Eu sempre fiquei tentada em contrariá-la. Sempre que ajo dessa forma, me dou mal, me arrependo e as vezes pago caro e fico com marcas e sequelas para a vida inteira.

  Era manhã, chovia e eu apressada, atrasada nem sequer sorria. O ônibus enchia como de costume. E o empurra pra lá e pra cá começara. De repente, eu sentada tomo um susto! Aquele homem lindo caiu no meu colo. Preocupado e rápido, enquanto tentava se recompor, já me pedia desculpas culpando o tumulto e as pessoas. Entendi e acenei demonstrando entender a situação e até aproveitei para pedir para segurar sua maleta preta. Ele riu um pouco sem jeito mas concordou.

  Fez-se um silencio. Eu sentada, ele em pé bem ali ao meu lado. De repente como nem porque nossos olhares se encontraram de novo. E dessa vez um raio se estabeleceu num “clic” e ficamos como que paralisados. Não lembro mais quem começou a conversa. Sei que se chamava Igor, que era vendedor numa sapataria chique. Usava um perfume gostoso com sabor de limão. Tinha um beijo maravilhoso. E sabia como ninguém seduzir uma mulher.

  Gostava de poesia, de cantarolar sussurrando ao pé do ouvido e de oferecer flores lindas dos jardins das praças. Moreno claro, alto, mãos suaves abraçava como se beijasse.

  Acho que nos apaixonamos. Senti até que ele podia ser a parte da minha metade.

  Mas havia uma estrada a minha frente. Um monte de sonhos me acenando e uma inquieta estimulante sensação de que havia mais, muito mais coisas belas e interessantes me esperando.

  Com um aperto no peito e uma sensação de vazio me despedi dos beijos nos intervalos do almoço, dos abraços no começo da noite a caminho do ponto de ônibus e das promessas de para sempre.

  Os anos passaram como raios, relâmpagos e trovões e eu, esqueci de apagar as lembranças. Até mesmo aquela lusinha azul que insinuava calmaria, sinos tocando e pássaros cantando quando ficávamos juntos.

  Será minha intuição só queria ziguezaguear? Com quem será que ele anda hoje de mãos dadas?  Ah destino!

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor