O velejador de ilusões - por Maria Dilmar

O velejador de ilusões - por Maria Dilmar

O velejador de ilusões

 

Reconheço o meu desejo cego e minha ousadia. A falta de censo e esta vontade ardente de te beijar a força e te deixar sem fôlego.

Esse céu assim azul com estas nuvens lindas correndo em espaço aberto me faz querer sim te desnudar ao vento com a ausência de qualquer palavra ouvir apenas as batidas do teu coração arfante. E logo depois do debate dos nossos corpos, naquele sobe e desce que geme e que  beija e depois sussurra num prazer feliz indescritível.

Minha imaginação ferve enquanto te observo e me invento dona do poder do ter, do poder fazer embora saiba que nada nunca vai acontecer.

De repente chove na minha realidade e meus olhos fitam um nada que faísca.

Abraço esse nada indolente e jogo num lugar qualquer minha alegria.

Foi mais um passado que se fez visagem. Relampejou e me acendeu inteira e eu pensando que tudo era verdade quase caio de novo na armadilha.

Ainda bem que acordei em tempo de fechar minha boca e disfarçar o olhar. Encabulada desmontei o cenário, troquei a indumentária. Peguei meu tricô e me sentei tristonha. Anoiteceu tão depressa e eu não terminei a meia.

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor