Oitava Noite - por Francisco Luis Fontinha

Oitava Noite - por Francisco Luis Fontinha

OITAVA NOITE

 

Se chove, não a sinto, se chove, se chove... que fará a chuva a um corpo nu, despido, vagueando entre dedos, vagueando entre fotões, electrões, se chove... não a sinto mas oiço-a na minha pele como pequenos pontos de luz, como... imagino-a sobre o piano, imagino-a enrolada ao cortinado carmim da janela da biblioteca, entre mortas personagens e vivas paixões de areia, o mar, nua, sinto-a como a se fosse filha da chuva e mergulhada nas sandálias da manhã por acabar, sinto-a vaguear nas sílabas do meu corpo, e depois

Não percebi, não percebo porque chove em ti,

Depois, qualquer coisa de estranho na tua voz, um simples e medíocre círculo com olhos verdes, e escrevi-o sem saber porque o fiz, ou se vivesse eternamente, acreditava na morte dele depois de o escrever, e não percebi e não percebo que ainda vive em mim e só morrerá quando eu morrer, quando as minhas mãos deixarem de escrever e o espelho

Não percebi...

E o espelho vestido de grená espera-me

Roubas-me o sono, os sonhos, a vida de um miserável caminheiro, roubas-me as mãos e as palavras de pergaminho que o meu querido avô deixou ficar em cima da mesa na sala de jantar, gritavas comigo, roubaste-me as sanduíches de atum que estavam embrulhadas em papel de alumínio, a nota de cem escudos transformada em tubo com acesso ao centro da terra, roubaste-me

Roubas-me a clareza das imagens a preto e branco, pego nos óculos, abro-o e cessa em mim a transpiração, deixo de ter voz, deixo de ter cabeça com cabelos castanhos, deixo de ter olhos verdes, roubaste-me o sono, os sonhos, as imagens,

Um livro de atum,

E começava a pingar um líquido castanho, espesso,

Ouvia as tuas garras de aranha nos meus braços de arame quando o esqueleto da morte rondava a janela da sala de jantar, pegava nas sanduíches de atum, retirava-lhes religiosamente o papel de alumínio, e começava a pingar um líquido castanho, espesso, frio, vómitos, cansaços muitos, poucos, espesso

As imagens de ti,

Roubaste-me e roubas-me o sono, os sonhos, a vida, roubaste-me o jardim onde ela ao final da tarde se sentava, pegava num livro, folheava-o e estava ali até que caísse a noite, acordassem as estrelas, e todos os sorrisos da aldeia,

O nosso querido avô deixou ficar em cima da mesa na sala de jantar, gritavam connosco, roubaram-nos as sanduíches de atum que estavam embrulhadas em papel de alumínio, a nota de cem escudos transformada em tubo com acesso ao centro da terra, roubaram-nos

Os livros com sabor a uvas Moscatel,

As imagens de ti,

Espesso, áspero, cinzento, e notava-se uma saliência esquelética

Um livro de atum,

Nas pálpebras da lua, roubaste-me e roubas-me o sono, os sonhos, a vida, roubaste-me o jardim onde ele ao final da tarde se sentava, pegava num cigarro, acendia-o e estava ali até que caísse a noite, acordassem as estrelas, e todos os sorrisos da aldeia,

Amo-te sabes?

E nunca soube que os livros de atum eram embrulhados em papel de alumínio, espesso, castanho, pingava, ao cair a noite sobre nós, abríamos todas as janelas do jardim, sentíamos os plátanos de braços abertos à procura dos tentáculos de xisto com pequenas rosas encarnadas, roubei rosas para ti, escondeste-as

Dentro do livro de atum, era tarde, descias as escadas do sonhos, e tinhas acabado de perder o sono nos rochedos junto aos correios, pegavas-me na mão e

Gosto de ti sabes?

Nunca soube, espesso, castanho, a nota de cem escudos transformada em periscópio, e percebi que era isto o verdadeiro amor, transformada em tubo com acesso ao centro da terra, roubaste-me

Os livros com sabor a uvas Moscatel,

As imagens de ti,

Espesso, áspero, cinzento, e notava-se uma saliência esquelética

Um livro de atum, que deus o tenha, Amo-te sabes? Gosto de ti sabes?

Um livro de atum,

E começava a pingar um líquido castanho, espesso, e juro que não sabia, e juro que deixei de acreditar nas palavras embriagadas, deixei de acreditar nas sanduíches de atum que o nosso avô deixava ficar na sala de jantar em cima da mesa de vidro, um homem gordo dentro de uma caixa de madeira sorria-nos, tu

Tenho medo,

Amo-te sabias?

Nas pálpebras da lua, roubaste-me e roubas-me o sono, os sonhos, a vida, roubaste-me o jardim onde ele ao final da tarde se sentava, pegava num cigarro, acendia-o e estava ali até que caísse a noite, acordassem as estrelas, e todos os sorrisos da aldeia,

Amo-te sabes?

Espesso, áspero, cinzento, e notava-se uma saliência esquelética

Nas faces da lua,

Deixei de ser eu quando a chuva me roubou os sonhos de papel que e guardava religiosamente no meu peito, deixei de ser eu, e mesmo assim, corria devagar para adormecer nos teus braços de aço, âncora mórbida, só, sentada no Cais das Colunas, só como as nuvens quando desciam as escadas dos velhos e rabugentos guindastes e entravam no teu sorriso, embebias-te em algodão e açúcar refinado, e tão finas que eram as noites em ti que deixei de existir, deixei de ser

Eu?

Tu?

Eras mármore gratificado nas doces tristes algas da solidão, havíamos de terminar a noite entre resmas de papel, cinzeiro recheado de beatas, neblina ensurdecedora que os cigarros vomitavam sobre a mesa decorada com objectos insignificantes, eras mármore sobre um piano coberto por um cobertor de areia, regressavam no final do dia...

Pombas, gaivotas e barcos enjoados devido à forte ondulação que as horas incompletas e mortas, pelas finas espumas que os marinheiros traziam no pulmão alcatroado por um empreiteiro de algibeiras encurraladas das tempestades que o medo, de vez em quando, deixava cair sobre o silêncio, os olhos, os olhos

Procuro as mimosas encantadas dos teus olhos de ontem, havia luz ensonada que voava sobre os teus dezoito anos de ontem, passeavas vestida de vermelho, e tínhamos acabado de construir um rio, duas pontes e uma casa de poiso, tínhamos uma montanha só nossa, havia árvores no quintal da casa que construímos, e havia pássaros que dormiam nas árvores que viviam no quintal da casa de poiso, que construímos

No nosso quintal,

Uma pista de gelo flutuava na cave do edifício em ruínas, três vezes ao dia, ao pequeno-almoço, almoço e jantar, as drageias da loucura, ele sentava-se numa cadeira de lona, cruzava as pernas, puxava de um cigarro, e não o acendia, observava-o na escuridão das noites, e cruzava os braços, e

Num toque subtil e silencioso,

Ligava o interruptor dos sonhos, no ecrã havia quatro sonhos disponíveis; “das noites sem dormir”, “as madames envernizadas com pincéis de areia”, “de nome sonho” e “as janelas com vidros de cartão”, hesitou

Escolhi “as madames envernizadas com pincéis de areia”, e imaginava homens vestidos de preto, perdidos na noite preta, escuridão entre as palmas afamadas dos barcos pretos, sentados nas esplanadas

Pretas, negras, e mordedelas de caninos chateados com o tédio das pequenas surpresas que o dia inventava, marés de vidro, telhados de xisto, ardósias engasgadas no cu da serra, a montanha em vómitos desassossegados, diarreia e dores de barriga, até mergulharem-se-lhes nos ombros platinados o rio Doirado com sabor a saudade,

Hesitou

No nosso quintal? Tens a certeza? Claro que sim, pensas que sou louca, pensas que vivo dentro de um cubo com faces

Negras?

 

In “Noites de Mim” Livro em Projecto de Francisco Luís Fontinha - Alijó

 

Página de nosso colunista Francisco Luis Fontinha

http://www.divulgaescritor.com/products/francisco-luis-fontinha-colunista/

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor