Onde estão as Borboletas? - por Mirian M. de Oliveira

Onde estão as Borboletas? - por Mirian M. de Oliveira

ONDE ESTÃO AS BORBOLETAS?

(CRÔNICA A UM AMIGO)

 

Engana-se quem pensa que esta crônica é uma resenha disfarçada. É certo que já  escrevi algumas no universo acadêmico, mas confesso que não são o meu “forte”. Na verdade, gosto da liberdade das crônicas; textos que transitam entre o real e a ficção, capazes de despertar os mais diversos sentimentos. 

Temos aqui uma crônica escrita (sob medida) a um amigo, que, recentemente, lançou um livro com este mesmo título: “Onde estão as borboletas?”

Bonito, não?!

Tive o prazer de escrever o Prefácio deste livro e faço questão de transcrever excertos de meus dizeres, nesse momento:

“Por tudo que pude observar da trajetória do escritor CARLOS NOVAES, acredito que este prefácio deveria se chamar CONGRATULAÇÕES, tendo em vista o grande esforço empreendido na realização de causas nobres. Identifico-me com a “garra” do autor, que acredita em um mundo melhor... sonha... e persegue  ideais..  (...)”

O que me motivou a escrever esta crônica “sob medida”  foi toda a luta que permeou a concretização desse livro.

O autor se questiona: “O que você faria, depois dos 60 anos de idade, que não conseguiu fazer antes?” Boa pergunta... certamente, sem resposta! E mais... Carlos sinaliza, na sinopse, que se trata “de uma história real... de uma luta solitária, como o a do cavaleiro de Cervantes!”

Quantas vezes, sentimo-nos  “D.Quixote”? Falo por mim: ser que persegue moinhos de vento, ou seriam borboletas? Não sei! Possuo a insana “sanidade”, que me inspira palavras.

Talvez, com este autor, ocorra o mesmo!

Acredito que as singelas citações realizadas sejam suficientes, para o esboço dessas linhas, pois, realmente, o escritor é este ser que corre contra o tempo, ou com o tempo... possui uma história de vida, que se cruza com o fictício... é um ser de carne e osso, com cabeça nas nuvens...  Talvez o escritor seja também um ser alado... que possui uma vida efêmera, alimentando-se de ideias eternas.

Como previa, não consegui escrever uma resenha. Esta, realmente, não era minha intenção!

Na escrita desse gênero híbrido, minha única pretensão foi exaltar a luta de um ser humano alado, porém com pés fincados no chão e, sinceramente, espero que o livro “Onde estão as borboletas?” seja apenas uma batalha do Cavaleiro de Cervantes, pois viver é isso, mesmo... vencer batalhas constantes: as visíveis e as invisíveis.

Sucesso, amigo!

Por você, ao invés de encerrar o texto, com um ponto de interrogação, ou reticências, como sempre faço, terminarei com um ponto de exclamação, para firmar minha admiração por esta luta! Parabéns!

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor