Outono - por Conceição Oliveira

Outono - por Conceição Oliveira

OUTONO

 

Morro.
Dentro da casca de uma árvore que se despe ao Outono.
Dentro das palavras inquietas
cozinhadas em lume brando
surgido o tempo da podridão.

Longas as noites.
Morro.

Morro
sempre,
nas palavras de Novembro
sombras de mortos
intenso cheiro a pólen.
Crisântemos.

Morro em casa
um pequeno mar
à beira do rio por onde os pássaros se distraem
e recolhem danças esperando a primavera.

A chuva
às vezes cai
no quintal do meu vizinho
o mais próximo
que é o Outono.
Bebemos um copo e damo-nos bem
apesar da morte.

Não posso queixar-me dele porque me oferece ouriços
e as castanhas dentro.

Depois, gumes afiados
despedaçam carpos
cortam romãs e uvas.

Sorvemos o sumo.

Por vezes, saciamo-nos no sol
ou no fogo.
Fogo vespertino e fumo carumado
anunciam o próximo vizinho.

Enquanto eu morro.

Conceição Oliveira
in Revista Cultural Licungo (nº4) CEMD EDIÇÕES 2016

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor