Pai, Herói ou Bandido? - por Wilson Silva

Pai, Herói ou Bandido? - por Wilson Silva

PAI, HERÓI OU BANDIDO?

 

Hoje acordei as 4:23 da manhã, não conseguia mais dormir, quando me veio aquele texto sobre o dia dos Pais...

 

Foi no início da década de 1960. Uma enorme onça que rondava aquela humilde casa feita de palmito e coberta com sapé, lá no sítio no meio da densa mata no Município De Ubiratã , interior do Paraná, que mudou a história de nossa família! Um dia contarei com mais detalhes num livro que estou preparando sobre a saga Rodrigues.

 

O que o tempo jamais apaga!

Foi apenas um lampejo...

Hoje vejo...

 

Queria mais, entretanto, a vida às vezes sorrateira, prega peças inimagináveis.

Hoje sinto...

 

Sua presença poderia ter modificado a minha vida?

Hoje já não sei...

 

Naquele orfanato, inúmeras vezes sonhei e chorei, esperando você adentrar por aquele gigante portão de madeira bruta e me levar embora...

 

Hoje apenas lembranças...

 

De mãos dadas com um ser invisível, esperava, olhando outras crianças que recebiam visitas de seus pais.

Invejava...

 

Não queria muito, desejava apenas andar de cavalinho, montado em seus ombros, pois desses lampejos meu coração conseguia recordar, quando na roça, me levava, para cuidar de mim e da sua lida diária... 

Você até me deixou apertar o gatilho da espingarda de dois canos que jamais largava, apontando para uma enorme ave que pousava numa árvore seca. O tiro foi certeiro pois o cachorro saiu correndo em busca da caça que agora não consigo lembrar o nome.

A Mata densa oferecia muitos riscos...

 

Hoje entendo que o destino quis assim, pois sei que não foi culpa sua, pois fostes para um lugar distante de suas raízes, sonhando com a sorte, na tentativa de fazer fortuna, que todos buscavam no jovem e promissor Estado do Paraná...

 

Hoje sou pai e sei o quanto um pai se preocupa com seus filhos.

 

Quando o revi rapidamente, percebi o quanto havia sofrido, pois os traços de suas rugas marcadas pelo sofrimento o fizeram chorar...

Aquele olhar de tristeza misturada à alegria de rever seus filhos o fez pensar...

O que perdi? O que deixei de contribuir? O que teria feito se juntos estivessem comigo? 

 

Não pai, você foi tão ou mais vítima do que aquela onça e sua família, pois atiraste nela para nos proteger...

 

O silencio... sua alma gritava infinitamente de forma estrondosa, apenas em seu olhar distante, certamente, martirizando uma culpa que carregou por décadas...

 

Pai, você não foi meu herói e nem meu bandido, porque eu sei o quanto sofrestes pela ausência de seus filhos.

 

Hoje eu apenas desejo seu bem e o seu perdão, porque eu não conseguia perdoar aquele que neste mundo maravilhoso me colocaste, pois eu não conhecia a sua história, que transformou a minha e a de meus irmãos...

 

Mas, como disse o Rei Davi em sua infinita sabedoria, “Quando meu pai e minha mãe me abandonar, Deus me acolherá” e Davi estava completamente certo.

 

Então pai, por onde quer que você esteja no dia de hoje, intercedo para que Deus o visite e lhe conceda um pouco de paz, um alento para sua alma, um bálsamo para as chagas que carregas em seu coração. 

 

Deus, em sua infinita graça, me concedeu muitos pais, naquele maravilhoso orfanato. Não vou enumera-los para que não cometa nenhuma injustiça...

 

Se não consigo dizer eu te amo, pelo menos posso lhe dizer, me aceite apenas como um grande amigo e meu muito obrigado, pois Deus escreve perfeitamente nas linhas tortas, que a vida nos apresenta.

 

Feliz dia dos Pais!

 

http://www.wilsonsylvah.com.br

 

 

 
PAI, HERÓI OU BANDIDO?
 
Hoje acordei as 4:23 da manhã, não conseguia mais dormir, quando me veio aquele texto sobre o dia dos Pais...
 
Foi no início da década de 1960. Uma enorme onça que rondava aquela humilde casa feita de palmito e coberta com sapé, lá no sítio no meio da densa mata no Município De Ubiratã , interior do Paraná, que mudou a história de nossa família! Um dia contarei com mais detalhes num livro que estou preparando sobre a saga Rodrigues.
 
O que o tempo jamais apaga!
Foi apenas um lampejo...
Hoje vejo...
 
Queria mais, entretanto, a vida às vezes sorrateira, prega peças inimagináveis.
Hoje sinto...
 
Sua presença poderia ter modificado a minha vida?
Hoje já não sei...
 
Naquele orfanato, inúmeras vezes sonhei e chorei, esperando você adentrar por aquele gigante portão de madeira bruta e me levar embora...
 
Hoje apenas lembranças...
 
De mãos dadas com um ser invisível, esperava, olhando outras crianças que recebiam visitas de seus pais.
Invejava...
 
Não queira muito, desejava apenas andar de cavalinho, montado em seus ombros, pois desses lampejos meu coração conseguia recordar, quando na roça, me levava, para cuidar de mim e da sua lida diária... 
Você até me deixou apertar o gatilho da espingarda de dois canos que jamais largava, apontando para uma enorme ave que pousava numa árvore seca. O tiro foi certeiro pois o cachorro saiu correndo em busca da caça que agora não consigo lembrar o nome.
A Mata densa oferecia muitos riscos...
 
Hoje entendo que o destino quis assim, pois sei que não foi culpa sua, pois fostes para um lugar distante de suas raízes, sonhando com a sorte, na tentativa de fazer fortuna, que todos buscavam no jovem e promissor Estado do Paraná...
 
Hoje sou pai e sei o quanto um pai se preocupa com seus filhos.
 
Quando o revi rapidamente, percebi o quanto havia sofrido, pois os traços de suas rugas marcadas pelo sofrimento o fizeram chorar...
Aquele olhar de tristeza misturada à alegria de rever seus filhos o fez pensar...
O que perdi? O que deixei de contribuir? O que teria feito se juntos estivessem comigo? 
 
Não pai, você foi tão ou mais vítima do que aquela onça e sua família, pois atiraste nela para nos proteger...
 
O silencio... sua alma gritava infinitamente de forma estrondosa, apenas em seu olhar distante, certamente, martirizando uma culpa que carregou por décadas...
 
Pai, você não foi meu herói e nem meu bandido, porque eu sei o quanto sofrestes pela ausência de seus filhos.
 
Hoje eu apenas desejo seu bem e o seu perdão, porque eu não conseguia perdoar aquele que neste mundo maravilhoso me colocaste, pois eu não conhecia a sua história, que transformou a minha e a de meus irmãos...
 
Mas, como disse o Rei Davi em sua infinita sabedoria, “Quando meu pai e minha mãe me abandonar, Deus me acolherá” e Davi estava completamente certo.
 
Então pai, por onde quer que você esteja no dia de hoje, intercedo para que Deus o visite e lhe conceda um pouco de paz, um alento para sua alma, um bálsamo para as chagas que carregas em seu coração. 
 
Deus, em sua infinita graça, me concedeu muitos pais, naquele maravilhoso orfanato. Não vou enumera-los para que não cometa nenhuma injustiça...
 
Se não consigo dizer eu te amo, pelo menos posso lhe dizer, me aceite apenas como um grande amigo e meu muito obrigado, pois Deus escreve perfeitamente nas linhas tortas, que a vida nos apresenta.
 
Feliz dia dos Pais!
 
http://www.wilsonsylvah.com.br

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor