Pipa - por Ione Kadlec

Pipa  - por Ione Kadlec

PIPA

 

Sou feito bicho esquisito

Criado na selva de pedra

Circulando entre multidões

Sempre cheia de “solidões”

Vazios que habitam cada canto do meu vasto ser

Repleto de almas mortas

Que um dia aqui passaram

Adornadas de almas vivas

Cujos beijos são doces expectativas.

Andarilhos de nós mesmos

Nas esquinas, faróis, avenidas.

Para além do alcance se esconder.

Converso com o tempo.

Pergunto por vocês

Responde-me, apenas, a pipa

Presa entre as mãos dos meninos palafitas

Rabiola de fitas

Olhos miúdos de tanto sofrer

Lá vai a pipa tocando a nuvem

Tão distante parece estar

Presa por um fio.

Balançada para nada fazer.

No ar, a pipa

Eu no chão

Cheia de parafina, sem nenhum pires para me esconder

Acesa em cordão

Queimando em ruas estreitas de paralelepípedos

Sob a áurea luz de uma lamparina da rua.

 

Foto:  Meninos soltando Pipas (Cândido Portinari)

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

        

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor