Plínio Camilo

Plínio Camilo

 

Por Shirley M. Cavalcante (SMC)

Escritor Plínio Camillo, autor do livro “O Namorado do Papai Ronca” dá entrevista exclusiva para o projeto Divulga Escritor.  Ao ser solicitado a nos encaminhar uma pequena biografia o Plínio nos apresenta:

“Aos três anos descobri que as letras tinham significados. Aos cinco, a interrogação. Aos nove, não era sintético. Aos doze, quis ser metonímia. Aos quinze, conquistei a exclamação. Aos dezessete, vi os morfemas. Aos dezoito, fui liberado do tiro de guerra, virei perífrase. Aos vinte, estava no palco. Aos vinte e dois, me vi como um advérbio. Aos vinte e cinco, desenredei a Linguística. Aos vinte e sete, redescobri o eufemismo. Aos trinta, a onomatopeia. Aos trinta e dois, melhorei a minha caligrafia. Aos trinta e cinco, recebi o maior presente: aquela que me trouxe a felicidade. Aos trinta e seis, não morri, como ameaçava o anacoluto. Aos quarenta, desvendei uma ligeira maturidade e ironia.Aos quarenta e cinco, recebi o prazer de viver no adjunto adverbial de companhia. Aos quarenta e sete abreviei o meu discurso. Com um pouco mais de cinqüenta anos, uso óculos para atender telefone. Hoje tomo remédio para pressão e me divirto cometendo diversos garranchos.”

 

SMC  - Escritor Plínio Camillo, para nós é um prazer ter você conosco no projeto Divulga Escritor, conte-nos, em que momento decidiu escrever seu primeiro livro? Qual a sensação de ter seu primeiro livro em mãos?

Plínio Camillo -  Emocionante. Este é o meu primeiro livro solo. Escrever foi uma aventura, publicar, um prêmio e saber que algumas pessoas estão lendo e até gostando é muito bom!!

 

SMC - Plínio, seu livro que é um romance juvenil “O Namorado do Papai Ronca” foi escrito em quanto tempo? De que forma você aborda a Internet, as Redes Sociais em seu livro?

Plínio Camillo -  O primeiro tratamento foi feito em três meses. O segundo levou outros seis para promover os ajustes/cortes. Levei mais uns dois meses para afiná-lo, promover a sintonia fina.

Usar a internet e as redes sociais foi um modo de mostrar os personagens sem descrevê-los. Além disso, são ferramentas que fazem parte do nosso cotidiano.

 

SMC  - Como foi a escolha do Titulo? O namorado do Papai realmente Ronca?

Plínio Camillo -  Procurava um título ─ a princípio era para ser um roteiro de filme ─ que pudesse definir o personagem principal e o seu ponto de vista. “O namorado do papai ronca” foi um achado! Ele retratava perfeitamente o personagem principal: um pré-adolescente ou criança que está incomodado com o ronco ─ há incômodo maior do que o ronco? ─ do companheiro do pai. Ele sabe que o casal dorme junto, sabe a situação sexual do pai e convive bem com isto. Mas, como é um adolescente normal, não deixa de ter uma pequena ponta de ciúmes ─ a velha implicância ─ com o parceiro do pai. Definido o protagonista, os personagens de apoio e o tipo de narrador ─ primeira pessoa do presente do indicativo ─, busquei limitar um espaço geográfico, por isso escolhi uma cidade pequena do interior de São Paulo. Depois defini o espaço de tempo em que a história se desenrolaria─ seis meses enquanto a mãe faz um curso no exterior. ─ Escolhi que cada capítulo abrangeria quinze dias e neles seriam tratados: a relação Dante e a escola, Dante e a mãe ─ conversando pelo Skype ─ e Dante e o pai. Escrevi um resumo, e a planta baixa de cada capítulo com cada assunto que seria tratado. Respirei e fui escrever. Sabia por onde ia, o quanto me distanciava do caminho e, assim, ia também descobrindo novos caminhos. Depois do primeiro texto, reescrevi tudo. Limpando e tirando as gorduras.

 

SMC - Quais seus próximos projetos literários? Você pretende publicar um novo livro?

Plínio Camillo -  Sim eis alguns

“A biografia não autorizada de minha Mãe” - um romance de reminiscências

"Santas, flores e minha tia" – Contos sobre mulheres.

"Heróis, frutos e meu irmão" – contos sobre o universo do futebol.

 

SMC - O que mais lhe inspira a escrever?

Plínio Camillo -  Encontro a inspiração/transpiração no meu cotidiano, do que eu leio, das formas que vejo o mundo, no que escuto.

Há um conto meu, “Tal pai. Tal filha” (http://coletivoclaraboia.wordpress.com/2012/05/28/tal-pai-tal-filha/ )cujo gerador foi uma frase que, certamente, ouvi mal na rua: “Um dia o meu filho vai fazer com a sua filha o mesmo que você está fazendo comigo”. Esta frase não saiu de minha cabeça até que produzi algo. Escrever para mim não é um ato mediúnico e sim de muita transpiração.

 

SMC - Qual o público que você pretende atingir com o seu trabalho? Que mensagem você quer transmitir para as pessoas?

Plínio Camillo -  “O Namorado do Papai Ronca” é para criança e adolescentes. O livro é fruto de ensaios, testes e de uma vontade de discutir uma relação homoerótica sob o ponto de vista de uma criança (ou até pré-adolescente) com algumas dificuldades que ele possa ter.

 

SMC - De que forma você, hoje, divulga o seu trabalho?

Plínio Camillo -  Principalmente através de blogs parceiros e de muitas gentilezas de amigos parceiros (http://Plíniocamillo.wordpress.com/2013/06/03/o-namorado-do-papai-ronca-dizem-por-ai-2/ )

 

SMC - Onde podemos comprar o seu livro?

Plínio Camillo -

Iba - www.iba.com.br/detalhes/livro/489496/o-namorado-do-papai-ronca

Livraria Cultura: www.livrariacultura.com.br

Palavraria – Livros & Café: http://palavraria.wordpress.com/

Digital na Amazon.com.br -http://www.amazon.com.br/s/ref=nb_sb_noss?url=search-alias%3Ddigital-text&field-keywords=o+namorado+do+papai+ronca

Email de contato: pcamillo60@uol.com.br

 

SMC - Que dificuldades você encontra para a publicação de livros?

Plínio Camillo -  Publicar um livro ou eletrônico está fácil. Pode ocorrer até sem editora. O difícil é divulgá-lo, torná-lo acessível ao público.

 

SMC - Quais as melhorias que você citaria para o mercado literário no Brasil?

Plínio Camillo -  O Livro Digital e livrarias on line

 

SMC - Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista, agradecemos sua participação no projeto Divulga Escritor, muito bom conhecer melhor o Escritor Plínio Camillo, que mensagem você deixa para nossos leitores?

Plínio Camillo -  Utilizarei uma frase de Salman Rushdie: “O medo mutila a escrita”. Muito obrigado.

 

Participe do projeto Divulga Escritor

https://www.facebook.com/DivulgaEscritor

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor