Portalegre: um paraíso desperdiçado - por Lucia Gonçalves

Portalegre: um paraíso desperdiçado - por Lucia Gonçalves

 

Portalegre: um paraíso desperdiçado

 

Com a desculpa de ter de ir comprar uma garrafinha “Botica” de licor de tangerina e pinhão, que só em pensar no sabor do líquido docemente amarelo-reluzente fico com a boca feita em água, dou por mim a estacionar o carro no Largo do Palácio Amarelo.

Enquanto faço a manobra sou assaltada, como sempre, pela lamentação de ver tão bela e rica construção votada ao abandono. Ver assim reduzida a nobre arquitectura burguesa a um mal arrumado armazém mirra-me a alma e para me reconfortar dialogo com a minha imaginação. “Mal sabem os portalegrenses do enredo que já corre nas minhas páginas dentro daquele palácio branco e amarelo…”.

Absorvida pelas ideias que saltam da fértil veia romântica digiro-me contrariada para o parquímetro sempre maldizendo a inércia de quem ainda não conseguiu libertar a zona histórica/comercial da cidade de Portalegre daquelas máquinas infernais comedoras de moedas e afugentadoras de clientela.

Dobro a esquina da Igreja da Misericórdia, actual Escola de Artes do Norte Alentejano e entristeço-me por ver vazias as escadarias, que há menos de meia dúzia de anos (nem tanto), eram o ponto de encontro de dezenas de jovens que ali se deslocavam para alimentarem ou aperfeiçoarem o seu gosto pela música. Os jovens com o seu frenesim que lhe é saudavelmente habitual davam alma àquela zona da urbe com suas conversas, risadas e acordes musicais mais ou menos afinados. “Até a arte nos sugam por uma palheta tão singela que, encantados que andamos por ainda conseguirmos ter a cabeça fora de água, não nos apercebemos que o corpo submerso está mirrado até ao tutano”.

Dou meia dúzia de passos e todas as ideias românticas que pudessem brotar ao pisar a calçada portuguesa que serpenteia suavemente rua a baixo desvanecem-se pela ausência de transeuntes e pelo número de portas fechadas que em tempos, não muito idos, eram a entrada de uma e outra loja. Agora amontoa-se o pó nas vitrines.

Umas portas mais a baixo entro num espaço comercial mais uma vez reinventado. Agora numa típica mercearia, onde uma simpática senhora me faz uma apresentação dos produtos que tem à venda, demorando-se orgulhosamente naqueles que são o fruto do empenho de uns tantos portalegrenses que optam (numa luta diária) por oferecer à terra natal todo o seu talento. Finjo desconhecer os artigos pois deleito-me com as palavras sábias da lojista que de forma empenhada defende o princípio de que o que é “portalegrense é BOM.” Retribuo sorrisos e elogios aos nossos produtos regionais que tanto sucesso têm além fronteiras alentejanas. Acabo por adquirir não só a “Botica” como também umas deliciosas amêndoas de Portalegre, cujo desfazer lento do sabor a chocolate se mistura graciosamente com o estalar da amêndoa torrada.

Como ainda me sobra o meu bem mais valioso, o tempo, decido continuar a descer a Rua do Comércio, que infelizmente pouco jus faz ao nome. Mudamente congratulo todos os que corajosamente insistem em manterem o comércio aberto daquela rua tão pouco movimentada e que periodicamente se desdobram em eventos para que os portalegrenses a visitem e valorizem. Penitenciou-me pelo mesmo pecado.

Já perto das Portas da Devesa, ali mesmo, sobre as pedras centenárias tenho a ideia de fazer o caminho de volta pela Rua 1º de Maio.

A uns tantos passos olho para a recente construção que ocupa o espaço da defunta Moagem de Portalegre e lembro-me das vezes que ali fora ao final de tarde comprar a tão saborosa boleima ou as línguas de sogra. A saudade invade-me. Questiono as opções urbanísticas que vão esvaziando a cidade do seu património edificado que a tornavam ela própria e não uma cópia de outras e tantas outras cidades. “Não será a individualidade dos locais um atrativo turístico?”

Quando as construções urbanas deixam a descoberto a serra da Penha e a sua cruz altaneira supostamente protectora dos portalegrenses, os olhos descem até à brancura da ermida e vá-se lá saber porquê recordo os versos de José Régio na Toada a Portalegre “ Em Portalegre, cidade do Alto Alentejo, cercada de serras, ventos, penhascos, oliveiras e sobreiros…”

Vou caminhando, com os olhos postos na imensidão da paisagem que se estende para lá do IC13. Pela enésima vez apaixono-me por tudo o que a vista e a memória conseguem alcançar. O coração bate forte por mais uma vez se encantar com a imensidão do azul ciano, com a variedade de tons de verde, com os amarelos das giestas, com a transparência das poças de água que se juntaram com as últimas chuvas e que aqui e ali cintilam por entre o arvoredo e as quintas que se estendem para lá da Fonte dos Fornos. Por instantes viro às costas à paisagem tentando focar as torres da Igreja da Sé à procura das tão emblemáticas cegonhas e do som oco do bater dos bicos, o matraquear.

 Retomo a minha caminhada. Como uma adolescente que reconhece o primeiro grande amor (pois nessa idade todos os amores são o primeiro e grandes), atravesso a estrada, para de costas para a estátua do eterno semeador de plantas ou de sonhos, emocionada por me deixar guiar pelas cores, pelos aromas e pelos sons humidamente doces da primavera. Ergo os olhos como que agradecendo à providência divina a graça de ter dotado esta terra com uma luminosidade inigualável.

Mesmo ali à minha frente o sol vai aos poucos despedindo-se da terra deixando no arco do horizonte um rasto vermelho alaranjado. As nuvens cinza escuro tornam a paisagem ainda mais romântica. Inspiro e expiro, melancolicamente apaixonada.

E apesar da minha fraca devoção pergunto a Deus: “O que fazer para todos convencer que este é o melhor lugar do mundo para se viver? Com este êxodo forçado dos fertilmente jovens quem ficará, depois de a tormenta passar, para rejuvenescer e encher de vida a nossa terra? Pode ser… pode ser… que depois da tempestade venha a abonança!”

Com desalento encolho os ombros. Não em sinal de resignação. Mas por saber que temos pela frente um hercúleo desafio.

Lúcia Papafina (abril de 2014)

 

Página de nossa colunista Lúcia Papafina

http://www.divulgaescritor.com/products/lucia-papafina-colunista/

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor