Renata Ventura - Entrevista

Renata Ventura - Entrevista

Por Davi Medeiros

Acompanhamento Shirley M. Cavalcante (SMC)

 

Leitora voraz desde a infância, Renata Pacheco Ventura sempre soube que seria escritora. Nascida no Rio de Janeiro, em 1985, morou por quatro anos nos Estados Unidos, onde começou a cursar Comunicação Social na Universidade de Houston. Formando-se em Jornalismo pela PUC-Rio, escreveu a dissertação “100% Off – O Manual do Colonizado”, onde analisou a colonização cultural do brasileiro – tema que volta a abordar em “A Arma Escarlate”.

 Trabalhou por três anos fazendo pesquisa e roteiro para cinema documentário antes de decidir se dedicar exclusivamente a seu primeiro livro. Nesse meio tempo, implementou uma forma de interação com seus leitores, em que eles podem conversar virtualmente com alguns dos personagens do livro através de redes sociais; fazendo-lhes perguntas, batendo um papo descompromissado ou até mesmo tentando descobrir segredos da trama. Seu objetivo como escritora é contar histórias que divirtam e, ao mesmo tempo, façam o leitor refletir sobre si mesmo e sobre o mundo a sua volta.

“Eu não poderia criar uma escola de bruxaria britânica no Rio de Janeiro. A não ser que ela houvesse sido construída e fosse dirigida, até os dias de hoje, por britânicos!”

Boa Leitura!

 

Olá escritora Renata Ventura, é um prazer tê-la conosco no Projeto Divulga Escritor. Você é um verdadeiro fenômeno: são poucos os escritores que fazem sucesso tendo apenas um livro publicado. Antes de tudo, parabéns. Conte-nos, quando e como surgiu o seu gosto pela escrita?

Renata Ventura - Eu sempre quis escrever. Na verdade, sempre gostei de criar histórias; eu pensava em muitas cenas e personagens, que ficavam todos na minha cabeça, mas que eu queria colocar no papel!

Nunca gostei de escrever redação para a escola. A ideia de escrever um texto com um tema pré-escolhido pela professora, com um número determinado de páginas, em poucos minutos, nunca me agradou. Eu queria escrever livros gigantes! Com histórias super elaboradas! Haha

Sempre adorei ler, e sempre adorei ver filmes. Para mim, os dois são muito parecidos, porque o que mais importa, para mim, é a história a ser contada. O veículo em que ela chega às vezes não é importante. Como, no entanto, fazer cinema é mil vezes mais complicado, ainda mais no Brasil, eu preferi a literatura, onde a gente sempre pode colocar mais detalhes e mais reflexões do que em três horas de filme.

 

 Que temas você aborda em seu livro “A Arma Escarlate”?

Renata Ventura - Nossa, são muitos.

 Desigualdade social, abandono, analfabetismo, violência, bullying, impulsividade, arrogância, corrupção policial e política, mitologia e história brasileira, drogas, amizade, proteção dos animais, cidadania... é muita coisa.

 

Em quem você se inspirou para criar Hugo?

Renata Ventura - Ele é muito um produto do meio. Eu fui descobrindo Hugo a medida que ele ia reagindo às ameaçadas que o cercavam, com sua impulsividade, seu egoísmo, sua arrogância, sua raiva. Eu fui vendo que, sem essas características, Hugo provavelmente não teria sobrevivido até os 13 anos de idade.

 

Por que você quis criar a Korkovado tão diferente de Hogwarts? Acha mesmo que uma escola de bruxaria no Brasil seria tão diferente assim de uma na Grã-Bretanha?

Renata Ventura - Sim sim. Tão diferente quanto as nossas escolas são das escolas britânicas. Com certeza.

Nossos bruxos até tentam copiar o modo britânico de ser, porque a gente gosta de tudo que vem de fora, mas o brasileiro (inclusive o bruxo brasileiro) faz tudo meio nas coxas, não se importa muito com a qualidade, acha que vai dar certo apenas com um jeitinho, uma gambiarra, e aí fica uma coisa meio... desorganizada, sem muito planejamento.

Eu não poderia criar uma escola de bruxaria britânica no Rio de Janeiro. A não ser que ela houvesse sido construída e fosse dirigida, até os dias de hoje, por britânicos! ;-)

 

Renata, onde podemos comprar o seu livro?

Renata Ventura - Ele está à venda nas melhores livrarias, mas pode ser comprado também pelo site da Saraiva, da Submarino... (na Submarino, eles se esqueceram de mudar a foto da capa do livro, mas é a capa nova que estão vendendo!)

Também é possível comprar comigo autografado! Eu envio o livro pelo correio sem problemas! :-) É só me enviar um email: a.arma.escarlate@gmail.com  que eu passo as instruções. :-)

 

De que forma você, hoje, divulga o seu trabalho?

Renata Ventura - Sempre pelas redes sociais (nossa salvação, heheh): Skoob, Facebook, etc!

 E vou muito em eventos! Eventos literários, eventos de RPG, de Anime.... São sempre muito divertidos! Adoro conhecer todo mundo!

 

Quais seus próximos projetos literários? Ficamos sabendo que vem nova publicação, dá para nos adiantar sobre seu novo livro?

Renata Ventura - Sim sim, é a continuação de A Arma Escarlate. Irá se chamar A Comissão Chapeleira, e vai ser mais político do que o primeiro. O vilão principal da série aparece nesse e eu sou apaixonada por ele! hehe

 

A série do Hugo Escarlate será composta de quantos livros?

Renata Ventura - Serão 5 livros, com um sexto a respeito do vilão principal!

 

Quais os principais objetivos do projeto “Potter em Orfanatos”? Como fazer para conhecer melhor o projeto e participar?

Renata Ventura - O principal objetivo é incentivar o gosto pela leitura nas crianças carentes em orfanatos e casas de acolhimento. Mostrar como a leitura pode ser algo muito divertido e pode levá-las a mundos extraordinários!

Para participar, é só procurar pelo Projeto Potter em Orfanatos no facebook, e encontrar o grupo de seu estado! :-D

 

Quais as melhorias que você citaria para o mercado literário no Brasil?

Renata Ventura - Os leitores brasileiros estão aceitando melhor autores nacionais. Ainda há preconceito, especialmente porque as livrarias e as próprias editoras preferem comprar livros estrangeiros traduzidos do que apostar em novos talentos brasileiros, mas o cenário está mudando! Cada vez surgem mais jovens autores nacionais que lançam livros de fantasia, terror, romance, policial, tudo! E aquela velha noção de que “livro brasileiro” é sinônimo de “Machado de Assis” está, aos poucos, caducando. Não que Machado de Assis seja ruim, muito pelo contrário! É ótimo! Mas precisamos ver que a literatura brasileira não parou no dia em que esses autores clássicos morreram! Mesmo que a maioria das escolas insistam em dizer que sim.

 

Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista, agradecemos sua participação no projeto Divulga Escritor, muito bom conhecer melhor a Escritora Renata Ventura, que mensagem você deixa para nossos leitores?

Renata Ventura -  Leiam cada vez mais! E leiam de tudo!!!!

 

Participe do projeto Divulga Escritor

https://www.facebook.com/DivulgaEscritor

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor