Servir e servir - por Antonio Montes

SERVIR E SERVIR

 

Eu queria que os teus olhos,
não me vissem preto
Mas sou negro... E nada posso fazer
Para que você me veja vermelho...
Vermelho, assim como a cor do seu sangue
Eu sei que tu sabe que você nasceu...
Tal qual como eu: 
Pelado frágil e também chorou...
E que o teu sangue é como o meu... Vermelho
Você chorou bem na hora em que nasceu
Sim, sim! Eu também chorei... Mas,
tem uma coisa que você se esqueceu
Mas eu nunca me esqueci
Você sabe que a sua ama de leite...
É a minha verdadeira mãe biológica?
Sim, sim... É bem aquela velhinha que...
Você amarrou no mourão 
E mandou chicotear ate parar o coração
É eu também sei, e vi... Mas nada pude fazer 
Pois escravo como sou, não posso si quer falar
O que posso é...
Molhar o meu coração magoado de tanto chorar
Eu não posso opinar nem pedir
Pois o único direito que eu tenho nessa vida
É o direito de servir e servir...
Servir até o dia em que eu existir.

Antonio Montes 01/10/14

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor