Símbolos Sagrados - por Antônio Eustáquio Marciano

Símbolos Sagrados - por Antônio Eustáquio Marciano

 

SÍMBOLOS SAGRADOS

 

Hoje, de manhã, eu vi em jornais

Uma notícia deveras intrigante.

Nas repartições e públicos locais

Símbolo sagrado será proibido, doravante.

 

No Brasil, falando em símbolo sagrado,

Lembra-se de cruz, imagens, medalhinhas,

Pois nosso povo com estes têm rezado.

Fazemos isto desde criancinhas.

 

Não há cidade, aldeia ou outro lugar

Que não haja algo que lembre o religioso.

Então, estes santos objetos retirar,

É, para mim, algo, no mínimo, trabalhoso.

 

E há que se resolver um problemazinho:

Pra onde irá todo esse material

Que foi feito ou comprado com carinho

Por alguém que pensou evitar o mal.

 

O Brasil, justificam isto dizendo:

É um pais multicrente e diversificado

E que estaríamos a outrem ofendendo,

Conservando ali um símbolo sagrado

 

Mas eu pergunto: tudo começou não foi assim?

Respondo eu mesmo: nossa alegria, nossa luz,

As leis, empresas, clubes, o viver tupiniquim,

Tudo nasceu sob o símbolo da cruz.

 

Os meus avós e tataravós viveram

E cresceram sob símbolos cristãos.

Quinhentos anos assim já decorreram

E agora há de acabar num supetão?

 

E o respeito às tradições, passado e história?

E a vocação cristã do nosso povo?

E a mensagem da Santa Cruz na memória?

Agoravamos começar tudo de novo?

 

Merece respeito, nosso passado,

Embora nós mesmos não o tenhamos feito!

Cometemos, sim, grande pecado.

Mas nós queremos o que for direito.

 

Respeitáveis autoridades, por favor,

Deixem na parede pendurado o Cristo.

Ninguém verá nele menos que amor,

Pois o Brasil há cinco séculos que faz isto.

 

Aqui falamos português, jogamos futebol,

Dançamos samba, maxixe, baião e xaxado.

O tango, rumba, polka e roc’nroll,

O que é diverso têm sido muito amado

 

Nós queremos de todos o respeito,

Principalmente à nossa tradição.

E a tradição é cristã, é esse o nosso jeito,

No sangue da nossa gente e na poeira do chão

 

O estado é laico, mas religioso o povo é.

Em um volante, num palco ou num balcão

Pode estar um homem ou uma mulher de fé

A respeitar aqueles que não o são

 

 

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor