Um Preservador Cultural Escritor João Leles Martins

Um Preservador Cultural Escritor João Leles Martins

 

O Cantar da Sariema – Outras Crônicas e Contos, de João Leles Martins

Um Preservador Cultural Escritor João Leles Martins

por Giuliano de Méroe

 

Os livros possuem, via de regra, uma apresentação e um prefácio; alguns possuem, ainda, sumário e posfácio. Mas, examinando o trabalho O Cantar da Sariema – Outras Crônicas e Contos, de João Leles Martins, percebi algo inédito: a feitura da obra foi iniciada com uma dignificante abertura ritualística, segundo as nobres tradições da conceituada Ordem Rosa+Cruz, evocando Saúde e Paz! Que edificante prelúdio, para uma obra de invulgar abrangência, pois além do conteúdo familiar e regional de seus curiosos “causos”, o livro inclui passagens da História Pátria, personagens destacados do Brasil, e dados importantes da genealogia familiar, que a dedicação do autor eternizou para memória dos povos. O escritor João Leles Martins é, sem dúvida, um excelente preservador cultural!

 O belo prefácio da escritora Kátia Eli Pereira ressalta a importância dessa obra, que passei a ler, então, não só como um livro, mas como uma preciosa fonte de informações e revelação. História, Geografia, Genealogia, Política, Música, Artes, de tudo ele nos ensina um pouco, com sua linguagem clara e autêntica. Recende a sinceridade de propósitos, essa bela e surpreendente obra.

Assim, na primeira parte, o leitor toma conhecimento de que as famílias Couto e Barroso, originárias de Minas Gerais, aportaram na cidade que, no futuro, passaria a chamar-se Quirinópolis, no sudoeste goiano, onde se conheceram e estabeleceram relações de amizade que evoluíram para casamentos e formação de robustos troncos familiares. Os patriarcas Miguel Martins do Couto, casado com Maria Rita do Espírito Santos, e Teófilo Barroso Neto, casado com Maria Cândida do Carmo, (avós do autor), deram origem às famílias que formaram a frondosa árvore genealógica registrada nessa obra, cujos rebentos fazem o orgulho de seus ancestrais.

Essa origem familiar histórica formou o caráter e a personalidade desse maravilhoso ser humano, qualificando-o, sobejamente, para relatar seus “causos” e externar sua imensa experiência de vida.

Na segunda parte, o escritor relembra as quase esquecidas aventuras do bandeirante Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera, no século XVII, considerado o descobridor de Goiás. No imaginário popular, esse polêmico personagem teria ameaçado atear fogo aos rios se os índios não dessem o ouro que ele queria, e para “provar” seus poderes, teria ateado fogo em um prato com aguardente. Os índios se impressionaram com essa “mágica” e o apelidaram de Anhanguera, que que significa “Espírito Maligno” ou “Diabo Velho”, em tupi. 

 

A par com as anotações “sérias”, históricas, o leitor pode divertir-se com os episódios cotidianos, narrados, por exemplo, no item “Experiências com Galinhas”, que contém curiosidades sobre a lida com as ovíparas. Ou ainda, a piada da pessoa que fez uma desastrada compra na farmácia, contada no programa Frutos da Terra, pelos inesquecíveis Nilton Pinto e Tom Carvalho.

Nomes conhecidos nas artes e música popular mereceram acolhida nesse livro de muitas facetas. Personagens como Chacrinha, Inezita Barroso, Almir Sater, Silvio Santos e muitos outros, passeiam por suas páginas, enriquecendo-as.

 A terceira parte do livro contém importantes dados sobre a cidade de Quirinópolis, desde a entrada dos primeiros desbravadores, em 1832, sua elevação à categoria de Freguesia, como o nome de Nossa Senhora D’Abadia ou Capelinha, distrito de Rio Verde; posteriormente, recebendo o nome de Quirinópolis, elevada à categoria de cidade em 1943.  Quirinópolis está localizada na região sudoeste do Estado de Goiás.

A leitura de O Cantar da Sariema é apaixonante, pelas inúmeras faces da cultura que o autor registra. Ao término da obra, Leles faz o encerramento ritualístico, renovando os votos de Paz à toda a Humanidade.  Cabem aqui, as comoventes palavras de Camões :  

......................................

Mais servira, se não fora

Para tão longo amor tão curta a vida!

(Poema “Raquel” Luiz Vaz de Camões)

 

Clique aqui para compra

 

Resenhas Profissionais Divulga Escritor - Resenhe conosco

Contato: divulga@divulgaescritor.com

 

 



 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor