Um procedimento rápido - por Christina Hernandes

Um procedimento rápido - por Christina Hernandes

Um procedimento rápido

 

Ela chegou cedinho para se internar num hospital moderno, daqueles cujos equipamentos, conhecimentos e organização são de última geração. O prédio, de arquitetura moderníssima, com porta de vidro com uma faixa colorida no centro, que mal  dá  para ver e que muita gente se arrebenta nela, recepção com ar condicionado, mesa de café disponível... essas coisas.

- Bom dia! Vim para me internar.

- Bom dia. Qual o nome da senhora, disse a recepcionista, elegantemente.

- Ana  Outeiro.

- Perfeitamente D. Ana, vou chamar a enfermeira que irá acompanhá-la ao quarto.

- Ao quarto, disse Ana, mas meu médico disse que seria um procedimento rápido.

- Aguarde, a enfermeira conversará com a senhora.

- Bom dia D. Ana, disse a simpática enfermeira, me acompanhe.]

- Enfermeira, esse procedimento é rápido, não é?

- É sim, mas a senhora deverá esperar no quarto, ficará mais confortável.

Chegaram ao quarto, Ana muito ansiosa  perguntou:

- Onde está o Dr. Andrew?

- Ele já virá, agora quem virá é o médico anestesista.

- Como anestesista? O procedimento é rápido...

- Bom dia D.Ana, uma voz forte ecoou pelo quarto, sou o Dr. Benedito, anestesista,  vou fazer-lhe algumas perguntas...

- Pois não.

Após todas as perguntas...

- Mas por que tudo isto?

- Você vai fazer uma biópsia.

Neste momento entra no quarto, Tereza, empregada doméstica de Ana, pega somente o final da última palavra, ou seja  opsia deduziu:

- Uma autopsia? Perguntou assustada Tereza.

Ana que já estava subindo pelas tamancas, virou-se para Tereza furiosa...

- Não é autopsia, eu não morri, espero sair deste hospital do mesmo jeito que entrei, em pé!

- Desculpe D. Ana. Tereza saiu de fininho, conhecia bem sua patroa.

Tereza,senhora vinda dos cafundós, não fazia a menor idéia do que seria uma biopsia

- Calma, calma D.Ana, a biopsia é feita com anestesia geral, porém, bem fraquinha.

- De maneira nenhuma! Falei para meu médico: não posso ficar muito tempo  no hospital, meus filhos são pequenos, estudam à tarde, e depois ... preciso trabalhar.

- D. Ana  disse Dr.Benedito pausadamente, aguarde aqui no quarto, logo, logo, Dr. Andrew virá.

As horas foram passando, o nervosismo aumentando, o ponteiro do relógio insistindo em não sair do lugar, e para piorar a situação ninguém aparecia naquele quarto para dizer o que estava acontecendo, completamente sem controle,

-Prinprinprinprinprinprin

Apertou a campainha para chamar a enfermeira com tanta força que esta  disparou.

Continuou falando com seus botões...

- Caramba! Essa encrenca disparou. Vai encher de enfermeiros no quarto, com certeza não serão tão amistosos.

De repente...

- Nossa quanta gente? Ironizou Ana

Realmente tinham mais enfermeiros no quarto  do que os que estavam de plantão no andar.

- Pois não senhora! A enfermeira, entrou no quarto igual a um furacão.

- O que está acontecendo, são 13h00, minha pequena cirurgia era para as 7h00! Estou morrendo de fome!.

- Surgiu um problema, as cirurgias estão todas atrasadas. Respondeu a enfermeira.

- E eu com isto! Quero falar com o Dr. Andrew agora mesmo!.

Neste momento....

- Vamos D.Ana, está na hora da sua cirurgia.

Entraram no quarto; duas técnicas de enfermagem e um enfermeiro.

- Venha, isso, para esta  maca, com cuidado. Está tudo bem? Agora vamos levá-la ao elevador que nos conduzirá ao centro cirúrgico. Mas para complicar a situação o elevador de pacientes estava quebrado, entraram no elevador social.

Sintam o drama... Ela de olhos fechados, sem suas peças íntimas, somente com aquela roupa indecente e horrorosa do centro cirúrgico, uma touca ridícula na cabeça e uma coisa, igualmente estranha nos pés, que eles chamam de sapatos, e para piorar a situação, um lençol branco por cima, muito suspeito.

Cansou de ficar com os olhos fechados abriu-os para espiar  ao redor. Todos que estavam no elevador a olhavam com curiosidade mas não estavam nem aí pra ela, falavam, riam... sentiu-se ridícula, deu um sorriso amarelo, pensou “Que alternativa”!

Na porta do centro cirúrgico...

- Onde está o Dr. Andrew, perguntou Ana,  ao chegar.

- Logo ele virá, agora vou lhe dar a anestesia e tudo ficará bem.

- Bem uma ova! Sentou-se na maca decidida. Se o Dr. Andrew não aparecer agora mesmo, vou embora daqui! Desse procedimento rápido! Ironizou.

Dali a pouco...

- Então é a senhora que  está causando este tumulto no centro cirúrgico? Brincou Dr. Andrew

- E não é para fazer? Que procedimento rápido este, não é.  Falou muito irritada com o médico.

- Prometo que não irá  demorar, mais nada. Deite, vamos começar.

Pensei

“ Como? Se aqui parece que vai acontecer uma festa”.

Todos no centro cirúrgico na maior conversaiada (algazarra), de repente...fui ficando cada vez mais zonza; as vozes das pessoas  cada vez mais distantes...

Adormeci com todos os ruídos do meu tempo, para aquele procedimento rápido.

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor