O jantar à meia idade - por Lígia Beltrão

 O jantar à meia idade - por Lígia Beltrão

O jantar à meia idade

 

   Ela prepara a mesa com esmero. Usa a melhor louça, taças de cristal, talheres de prata de um antigo faqueiro herdado da avó, tudo perfeitamente disposto, sobre a branca toalha de linho bordado. Um arranjo de orquídeas alegra o ambiente. Olha com alegria e constata que está tudo em ordem. Vai agora arrumar-se para esperá-lo. Seu coração dá cambalhotas dentro do peito. Oh, danado bobo... Será que nunca sabe conter-se? Os dois fazem aniversário no mesmo dia e mês, por isso a comemoração. Era aniversário deles.

    Escolhe um vestido vermelho, provocante, sabe que ele adora vermelho. Uma sandália delicada, dourada, faz a maquiagem com cuidado, sem exageros. Espera-o impaciente. Olha o relógio a cada minuto até que soa a campainha da porta. Abre-a e recebe-o com um beijo amoroso e demorado. Ele elogia sua elegância. Sempre fala de como a acha bonita. Ela se sente amada. Ele lhe traz flores. Ela coloca num vaso. A música romântica invade o ambiente. Ele abre a garrafa de vinho e serve. Conversam.  Riem, dançam agarradinhos... Ele sussurra ao seu ouvido, fazendo-a arrepiar-se. Descobrem-se metades um do outro. O clima a meia luz...

    Acende as velas dos candelabros sobre a mesa e se prepara para servir o jantar. Desespera-se. O pernil que deixara no forno queimou, e ele adora pernil. Estava tão deliciosamente envolvida no clima, tão encantada, que se esquecera de desligar o forno. Ele como sempre, calmo, começou a rir e abraçou-a. – “Não faz mal” – disse ele tirando do bolso uma caixinha e lhe entregando. – “Abra”-, falou emocionado.

    Abriu a caixinha de veludo vermelho onde cintilavam duas alianças, que selariam, a partir de agora, a união dos dois. Beijaram-se. Teriam os restos das suas vidas para assarem outros pernis. Estavam felizes demais para pensarem nisso. Comemoravam juntos, sabe-se lá que idade... Não importava quantos anos faziam ou quanto tempo de namoro. Amavam-se. Era o bastante. O cheiro de queimado invadia a casa, quem se preocupava com isso? Eles precisavam comemorar seu amor, que era o mais importante em suas vidas. Teriam sido prometidos um ao outro? Vai-se saber...

 

Lígia Beltrão

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

       

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor