Carta a Dona Clotildes Dias de Jesus - por Marta Maria Niemeyer

Carta a Dona Clotildes Dias de Jesus - por Marta Maria Niemeyer
Rio de Janeiro,12 de junho de 2018.
 
     À
 
     Dona Clotildes Dias de Jesus.
 
Com o coração transbordando de saudade, pego caneta e papel para enviar estas mal traçadas linhas.
 
Foi assim que iniciei, escrevendo cartas em seu nome.
 
A senhora não sabia ler nem escrever, e então me pedia para escrevê - las para que fossem enviadas ao meu irmão José; ele encontrava - se em São Paulo e nós, em Senador Firmino, Minas Gerais.
 
Eu era apenas uma criança dando os primeiros passas na caminhada rumo à alfabetização na terceira séria (sic) primária: era assim que a gente pronunciava.
 
Nas primeiras cartas eu copiava a introdução das outras que encontrava por perto, escritas por outras pessoas; acho até que era  a Graça, minha prima, quem escrevia. Hoje está aí junto à legião de anjos...
 
Era uma grande felicidade que explodia do meu peito poder ajudar a pessoa que eu mais amava naquele mundo cheio de limitações,também por estar desenvolvendo meus pensamentos com caneta e pepel.
 
Enquanto escrevia, uma chuva de lágrimas jorrava dos meus olhos por tão grande emoção.
 
Pelos caminhos da vida encontrei outras pessoas que me deram oportunidades de, por intermédios delas, fazer o mesmo; todavia nunca com a mesma felicidade e intensidade.
 
Hoje parei para escrever estas mal traçadas linhas  para a senhora.
 
Minha amiga Fátima está aí no céu, pertinho, ao seu lado; ela é muito especial e vai lê - la  para a senhora. Sua voz é doce, meiga, sublime e transborda de amor.
 
Receba meu abraço energizado de saudades.
 
Se a Fátima retornar- me esta, peça - lhe para mandar notícias do papai Senhor Sebastião.
 
Morro de saudades dele também.
 
Um abração para vocês três!                   
 
 
Marta Maria Niemeyer
 
 
 
Rio de Janeiro,12 de junho de 2018.
 
     À
 
     Dona Clotildes Dias de Jesus.
 
                 Com o coração transbordando de saudade, pego caneta e papel para enviar estas mal traçadas linhas.
 
Foi assim que iniciei, escrevendo cartas em seu nome.
 
A senhora não sabia ler nem escrever, e então me pedia para escrevê - las para que fossem enviadas ao meu irmão José; ele encontrava - se em São Paulo e nós, em Senador Firmino, Minas Gerais.
 
Eu era apenas uma criança dando os primeiros passas na caminhada rumo à alfabetização na terceira séria (sic) primária: era assim que a gente pronunciava.
 
Nas primeiras cartas eu copiava a introdução das outras que encontrava por perto, escritas por outras pessoas; acho até que era  a Graça, minha prima, quem escrevia. Hoje está aí junto à legião de anjos...
 
Era uma grande felicidade que explodia do meu peito poder ajudar a pessoa que eu mais amava naquele mundo cheio de limitações,também por estar desenvolvendo meus pensamentos com caneta e pepel.
 
Enquanto escrevia, uma chuva de lágrimas jorrava dos meus olhos por tão grande emoção.
 
Pelos caminhos da vida encontrei outras pessoas que me deram oportunidades de, por intermédios delas, fazer o mesmo; todavia nunca com a mesma felicidade e intensidade.
 
Hoje parei para escrever estas mal traçadas linhas  para a senhora.
 
Minha amiga Fátima está aí no céu, pertinho, ao seu lado; ela é muito especial e vai lê - la  para a senhora. Sua voz é doce, meiga, sublime e transborda de amor.
 
Receba meu abraço energizado de saudades.
 
Se a Fátima retornar- me esta, peça - lhe para mandar notícias do papai Senhor Sebastião.
 
Morro de saudades dele também.
 
Um abração para vocês três!                   
 
 
Marta Maria Niemeyer

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

         

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor