Sonia Maria dos Santos Araújo - Entrevistada

Sonia Maria dos Santos Araújo - Entrevistada

Por Shirley M. Cavalcante (SMC)

Sônia Maria dos Santos Araújo é bibliotecária, especialista em gestão de pessoas e mestre em ciências da educação com o tema cyberbullying. Reside em Palmas, Tocantins, e atua como palestrante e no desenvolvimento de projetos com o referido tema. Escreve no Recanto das Letras e no seu blog empatianacuca.com.br.

Dentre as diversas palestras ministradas, destacam-se aquelas do Colégio Militar de Palmas e do IFTO – Campus Palmas e Campus Gurupi (TO).

Não menos interessantes são seus artigos publicados no Blog da Roberta Tum e Conexão.to.

Seus principais passatempos são a leitura, a música (Belchior, Elis Regina, Mercedes Sousa), bem como as caminhadas diárias, as aulas de pilates e ver as araras.

 

“Decidi que, como educadora, precisava atuar no sentido de coibir tais atitudes, pois o sofrimento da vítima é muito grande.

 

Boa Leitura!

 

Escritora Sônia Maria, é um prazer contarmos com a sua participação na Revista Divulga Escritor. Conte-nos, o que é cyberbullying?

Sônia Maria - O cyberbullying começa com um boato nas redes sociais até chegar a uma perseguição que ultrapassa o mundo dos teclados e vai para o universo físico, numa perseguição sem fim. A vítima tem sua imagem denegrida, via comentários dos autores e espectadores, nas 24horas do dia e nos 7 dias da semana. Essa prática não se restringe ao ambiente escolar e causa muito medo, pois a vítima não sabe como, quando ou de quem se defender.

É uma evolução das antigas pichações, feitas nas paredes das escolas, que após lidas, causavam risos e comentários entre os estudantes, mas o acontecido ficava entre eles e logo caía no esquecimento. Hoje, não! Qualquer acontecimento é filmado, alterado e postado na internet e redes sociais. Dentre as modalidade de cyberbullying existem o happyslapping (bofetada feliz); o sexting (sexo + texto), que acontece quando uma relação amorosa termina; e o cyberstalking (ciberperseguição) no qual o autor cria perfis falsos para perseguir a vítima via difamação, ameaças e falsas acusações. O cyberbullying é muito cruel, pois ataca o que há de mais importante na vida do adolescente: a sua imagem.

 

O que a motivou a escrever o livro “Cyberbullying: palavras e imagens que trazem sofrimento!”?

Sônia Maria - O principal motivo foi quando conheci uma vítima de cyberbullying. Era um adolescente que trabalhava comigo como bolsista. Ele sempre contava algo da escola, mas não naquela tarde. Percebi que seus olhos estavam avermelhados, era visível que havia chorado. No final do expediente, perguntei a ele se estava tudo bem. Então ele me falou dos problemas familiares e disse que os colegas haviam ampliado e divulgado sua foto ressaltando as espinhas de seu rosto. Certamente que os problemas familiares o incomodavam, mas a grande preocupação ou tristeza era ser uma vítima de cyberbullying. Sua maior dor estava na atitude dos colegas. Decidi que, como educadora, precisava atuar no sentido de coibir tais atitudes, pois o sofrimento da vítima é muito grande.

 

Quais temáticas estão sendo abordadas nesta obra literária?

Sônia Maria - O livro aborda a comunicação, a família, primeira referência social do indivíduo. É na família que são construídos os valores a serem seguidos na vida adulta. Aborda a escola, responsável por dar prosseguimento a esses valores, bem como os diversos papéis que ela necessitou “abraçar”. Isto porque o “educar” dos tempos atuais exige bem mais do que ensinar números e letras. Aborda a multidisciplinaridade, o pertencimento e também a resiliência, necessária não só aos adolescentes, mas a todos nós. Sugere as artes (teatro, música, filme, poesia) como uma forma prazerosa de se trabalhar essa problemática, além de um Programa Antibullying, necessário em toda e qualquer escola.

 

Poderia citar um exemplo, por meio de uma das passagens do livro?

Sônia Maria - Quando ele aborda o papel da família, a chamativa que faz em relação às frases que os pais dizem aos filhos. Algumas os levam a perceber o apoio dos pais ao ouvir frases carinhosas, que demonstram compreensão, paciência e amor.

 

– Calma, tudo vai dar certo!

– Não tem problema, todo mundo erra!

– Você consegue!

– Vamos tentar novamente!

– Na sua idade eu também fazia assim!

– Fique tranquilo, estou sempre ao seu lado!

 

Noutras vezes, elas demonstram frustrações, exigências, anseios e a falta de respeito dos pais e fazem os adolescentes se sentirem perdidos diante de frases “corriqueiras” como:

 

– Será que você nunca vai aprender?

– Você me mata de vergonha!

– Não sei mais o que fazer com você!

– Você não é mais uma criança!

– Eu já lhe falei mil vezes para não fazer assim!

– Não aguento mais você!

Estas palavras ditas “sem pensar” causam transtornos e grandes consequências na vida do adolescente, pois toda e qualquer palavra provoca transformação.

 

A quem você indica a leitura?

Sônia Maria - O livro é direcionado aos pais, professores e demais educadores. Por ser um livro didático que aborda um problema mundial, o ideal é que eles façam a leitura para posterior discussão com os adolescentes ou que leiam o livro juntos, explicando e discutindo cada passagem que despertar maior atenção.

 

Onde podemos comprar seu livro?

 

OLX

https://to.olx.com.br/tocantins/livros-e-revistas/cyberbullying-palavras-e-imagens-que-trazem-sofrimento-376238233

 

Portal dos Livreiros: https://www.portaldoslivreiros.com.br/livro.asp?codigo=85705&titulo=CYBERBULLYING:_palavras_e_imagens_que_trazem_sofrimento!

 

ABC LIVRARIA Palmas – TO – telefones(63) 3028-0110 e (63) 3225-0002.

 

Livraria Leitura de Palmas – telefones (63) 3215-6521 e (63) 3215-6531

 

Diretamente com a autora: soniainformacao@gmail.com ou pelo telefone (63) 9 8121 0551 (fone e whatsApp)

 

Quais os seus principais objetivos como escritora?

Sônia Maria - Informar e conscientizar a sociedade dos males causados pelo cyberbullying. Faz-se necessário que abracem essa problemática, se sintam responsáveis e que atuem no sentido de coibir tal prática; percebam que não se trata de uma brincadeira, mas de um mal que deixa imensas sequelas; isso quando não tira a vida do adolescente. Pretendo trabalhar a empatia nos adolescentes, para isso tenho meu Blog empatianacuca.com.br no qual falo do cyberbullying, adolescência, família, resiliência, pertencimento, escola e das mídias digitais. Tão logo estiver com uma base mais sólida, com os usuários já conscientes do mal causado pelo cyberbullying, será dada maior ênfase ao nicho empatia. Isto porque a empatia é um canal condutor, ela faz os indivíduos perceberem melhor o resultado de suas atitudes em relação aos outros.

 

Você comenta em sua ficha técnica que gosta de conversar com os adolescentes, como uma forma de conhecer as diferenças do mundo deles para o mundo adulto. Conte-nos, quais as principais observações identificadas?

 

a)        Os sentimentos dos adolescentes (alegria, prazer, dor, angústia, tristeza, raiva, medo)são sempre verdadeiros e profundos, não há o famoso “faz de conta”.

b)       O pertencimento, isto é, a dor ao ter que decidir pela companhia dos amigos e não dos familiares. O adolescente sente-se perdido entre a necessidade de pertencer a um grupo e o distanciar de sua família.

c)        O ficar: o adolescente não namora, ele “fica”. Esse “ficar” transmite a ideia de um relacionamento descompromissado ou sem valor. Mas cometemos um grande engano ao pensar assim. Os sentimentos do adolescente podem ser de curta duração, passageiros; mas enquanto durarem, são o que há de mais verdadeiro e importante na sua vida.

d)       Conectado: sempre conectado com o mundo, via redes sociais e internet, o adolescente é capaz de conversar com inúmeros “amigos” ao mesmo tempo ou navegar por diversas telas, o que vários adultos não conseguem fazer.

 

Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista. Muito bom conhecer melhor a escritora Sônia Maria. Agradecemos sua participação na Revista Divulga Escritor. Que mensagem você deixa para nossos leitores?

Sônia Maria - Peço a todos que respeitem os sentimentos dos adolescentes. Eles estão vivendo uma fase de mudança, pertencimento e afirmação. Aos pais, que estejam ao lado, sejam amigos, façam menos cobranças e conheçam bem seus filhos. À escola, que se atualize e trabalhe o cyberbullying em sala de aula e com a família. Da sociedade, espero que consiga ver o cyberbullying como um problema social, portanto diz respeito a todos. Esse tripé, família-escola-sociedade de mãos dadas, encontrará solução para essa prática que traz tanto mal.

 

Agradeço à Revista Divulga Escritora oportunidade e o profissionalismo.

 

Grande abraço.

Sônia Maria – Mestre em Educação

O respeitar faz bem!

 

 

Divulga Escritor, unindo você ao mundo através da Literatura

https://www.facebook.com/DivulgaEscritor

Contato: divulga@divulgaescritor.com

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

         

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor