Sorria sempre, exceto... - por Fernando Jacques - JAX

Sorria sempre, exceto... - por Fernando Jacques - JAX

SORRIA SEMPRE, EXCETO...

Jax

            Ah, a alegria e a beleza de um sorriso! Já imaginaram que coisa linda seria o trajeto cotidiano iluminado de sorrisos? Todo mundo com ar de idiota, a achar graça não se sabe em quê. E as gargalhadas, então? Sempre no momento ou no local errado. O importante, porém, é transmitir alegria e diversão ao seu redor. Assim sendo, a regra de ouro da boa convivência humana consiste em sorrir sempre, exceto em casos muito especiais, como os que seguem:

- quando alguém pisar seu calo de estimação, o que naturalmente abalará suas “bases”, fazendo o “cume” (cabeça) estremecer por meio de um sistema de radiações nervosas, culminando em sonoro vocábulo de baixo calão;

- quando sofrer outros danos físicos, resultantes, dentre outras possibilidades, de martelar o próprio dedo, ser mordido pelo cãozinho nada simpático da vizinha supersimpática, levar uma canelada do sobrinho encantador, enfiar um anzol no dedo (ou em outra parte corporal ainda pior), cair da escada ou prender o dedo na porta;

- quando tiver de pagar as contas, cada vez maiores, após receber o salário, cada vez menor;

- quando estiver doente, sem poder ir à praia;

- quando estiver com saúde, sendo obrigado a assistir à aula ou a trabalhar;

- quando não puder sair de carro com a família no fim-de-semana porque chove;

- quando puder sair e terminar o dia de saco cheio, do trânsito, ou da família;

- quando não conseguir comunicar-se com a namorada por uma falha da internet;

- quando conseguir comunicar-se com a namorada pela internet e receber a resposta automática de que ela já está com outro internauta;

- quando o Fluminense vence o jogo que você deixou de ver;

- quando você assiste a uma derrota do Fluminense e ainda tem de aguentar a gozação dos “amigos”;

- quando sua mãe não é e for insultada injustamente;

- quando sua mãe é e você tem de ouvir umas verdades;

- quando estiver devendo dinheiro a alguém ou vice-versa;

- quando fizer algo espetacular e ninguém souber ou elogiar;

- quando fizer algo de ruim, pois todo mundo saberá e criticará;

- quando morrer alguém de quem você gosta ou continuar vivo algum desafeto;

- quando vai de férias a Arraial do Cabo e chove o tempo todo;

- quando vai de férias a Arraial do Cabo, faz um baita sol e você se queima todo logo no primeiro dia;

- quando quer fazer algo, mas não pode;

- quando não quer, mas tem de fazer;

- quando, finalmente, aprende que é preciso fazer mesmo aquilo de que não gosta e aí faz o que não deve;

- quando tiver de votar, ir ao dentista ou praticar qualquer outra atividade temerária.

            Enfim, fora estes e alguns outros “poucos” casos, todos deveriam falar sorrindo para ter um mundo alegre e melhor.

 

FJMP

Texto original de ../../69, modificado.

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

         

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor