Travestis Brasileiras em Portugal

Travestis Brasileiras em Portugal

Travestis Brasileiras em Portugal

Os séculos XX e XXI corresponderam ao agudizar de processos globalizantes potenciados pelas novas tecnologias, quer no âmbito comunicacional, quer industrial, sublinhando dinâmicas de desruralização e de construção de tecidos urbanos densos onde o anonimato se tornou possível na vivência de experiências, outrora reconduzidas ao silêncio do sujeito socialmente isolado. 

A diferença, enquanto experiência vivida, tornou-se comunitariamente possível, surgindo grupos que delimitam geograficamente determinadas áreas urbanas a que correspondem afinidades eróticas ou de práticas sexuais, inicialmente de gays e lésbicas. Quebra-se na prática a uni-direccionalidade entre sexo e género, entre sexo e sexualidade, questionando-se esquemas de relações assimétricas e modelos de pensamento enraizados (heterossexualidade, patriarcado, machismo, feminismo, etc.). Rubin (1975 in Lewin 2006, in Vance, 1984) propõe a existência de dois sistemas diferenciados de sexo e género que tornam plausível, sob o ponto de vista analítico, a não correspondência entre sexo, género e sexualidade. 

O paradigma máximo desta autonomia sistémica alcança-se na construção de uma identidade travesti. Esta identidade mutante, mutável e instável parece acompanhar um mundo de fluxos intensos e interdependências múltiplas. É na sociedade global que as travestis encontram espaço para a vivência comunitária da sua experiência, constituindo-se como um grupo com práticas transnacionais, marcado pela mobilidade de género e geográfica, primeiramente dentro das fronteiras brasileiras e depois para a Europa. Cidade, prostituição e migração surgem como fatores chave da disseminação geográfica e identitária desta comunidade. Este projeto tomado sob uma perspetiva global mantêm ou reinventa relações com a estrutura, que aparentemente as apaga enquanto atores sociais e da qual, aparentemente, se autoexcluem. A obra encontra-se dividida em duas partes, a primeira fornece as ferramentas teóricas necessárias à interpretação dos dados, enquanto, que, a segunda revela a etnografia como matéria-prima privilegiada da antropologia. Através dela procura-se colocar o leitor, num patamar que o supere enquanto tal, e o reconduza ao estatuto de acompanhante de viagem pelas experiências trans.

Página no Facebook:

https://www.facebook.com/Travestis-Brasileiras-em-Portugal-Trans-migra%C3%A7%C3%B5es-e-Globaliza%C3%A7%C3%A3o-169088303724938/

 

 

Conheça outros parceiros da rede de divulgação "Divulga Escritor"!

 

         

 

 

Serviços Divulga Escritor:

Divulgar Livros:

 

Editoras parceiras Divulga Escritor